Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

domingo, agosto 05, 2018

Carta de Santana Lopes às Santanetes.
Na íntegra.
E o anúncio do novo partido:
PSL, Partido do Sexo e do Love


Este é um texto difícil.

Muito difícil. Mal contenho as lágrimas. Um nó na garganta, um aperto no coração. Tantos anos da minha vida. Não é fácil. 40 anos. 40 anos de ternura.

Era eu ainda um menino e já me entregava de corpo e alma. Às meninas e ao partido. As meninas gostavam e o partido também. Mas algumas eram ingratas e o partido, às vezes, também.

Poderia relembrar cada uma de vós. Os olhares, os beijinhos, os gestos de amor. E a minha dedicação, os filhos que fui fazendo, os discursos emotivos que fui escrevendo, as vitórias, as derrotas, as alegrias. Relembro, um por um, cada momento.

Quando passei por momentos difíceis, esperando amparo, carinhos, recebi rejeições, pontapés no berço, a fralda por trocar durante horas. Por mais que uma insistente lágrima rolasse no meu rosto sofredor, os mais velhos viravam-me costas, as cinhas queriam era festa. 

Lutei. Sou um guerreiro. Algumas das meninas que perceberam o tanto amor que eu tinha (e tenho!) para dar, amparavam-me a cabeça, rodeavam o meu ombro com um aconchegante abraço de amor e sussurravam-me ao ouvido: 'és um menino guerreiro'. Mas isso não me chegava. Queria mais. É com muita pena que o confesso: custou-me. Muito.

Diziam que me levantava tarde e que, depois de almoço, ia dormir a sesta. Que mal tem? Se ficava a trabalhar até de madrugada, que mal tem recuperar das noitadas? Falavam de whisky despejado noite adentro. Mentira. Chá. Chá amarelinho com uma pedrinha de gelo.

Os feitos extraordinários também foram muitos. Poderia aqui elencar, ano a ano, os casos, os affaires, as seduções, os combates, as ménages. Mas tantos são que a sua enumeração cansaria a vossa beleza, minhas meninas bonitas. Poupo-vos. 

Tudo suportei. As más línguas, as invejas, as bocas por andar de bandana na cabeça, as acusações de trapalhadas, o mau feitio do ranzinzas do Sampaio.

Mas chega. Enough é enough. Estou de saco cheio.

Minhas lindas, chegou a hora. 

Se me querem, têm que querer mesmo, querer a sério, mostrar que me querem. 

Vou sair daquele saco de gatos que é o PPD/PSD. 

Quando lá estava o meu guru, o meu homónimo Pedro, Láparo dos Passos de seu nome, eu ainda me revia. Competente, com trabalho feito na Tecnoforma, com razias feitas nos rendimentos dos Portugueses, com empresas despachadas ao deus dará ao estrangeiro, aí sim, aí eu achava que fazia sentido continuar no partido. Já para não esquecer o quão misericordioso ele sempre foi para comigo. Amigo do seu amigo. Tal como eu. Amor com amor se paga. Nunca lhe gabarei suficientemente as danosas virtudes.

Agora com este mangas de alpaca, este candidato a vice, minhas fofas mais lindas, vou ali e já venho. Dá para acreditar neste bimbo com a mania que sabe fazer contas, um antiguinho que nem de mulheres bonitas se sabe rodear? É com cada camafeu à volta dele... Foge... Não, não dá para acreditar. Para este peditório já dei.

É, pois, com muito entusiasmo que tenho o prazer de vos anunciar: quero fazer a diferença, quero acções com efeito surpresa, clima de festa, amor a sério e do bom, afectos e beijinhos, abraços e marcelinhos, e muita peace and love, muita coisa moderna, relações abertas, um bom ambiente, sempre alto astral. É isso que eu tenho para vos oferecer. Acreditem, minhas queridas, acreditem. Tenho muito amor para dar.

Não se riam. Estou a falar a sério. Desta vez é que é. Venham a mim, minhas santanetes mais fofas. Venham consolar-me, venham brincar comigo. Vamos, juntos, mostrar como é bom o amor em Portugal.

Votem em mim. PSL. Partido do Sexo e do Love.

 E uma palavrinha final, difícil, muito difícil, para os meus amigos das bases do PPD/PSD.



................................................................................

1 comentário:

Gina disse...

A UJM tem um modo engraçado de relatar a vida política, na qual, e creio que já lhe disse, não acho interesse. Ao ler este post sorri várias vezes.

Tenha um bom dia.