Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

domingo, agosto 02, 2020

Luto na América


Por estranho que possa parecer, nas últimas eleições muitos americanos votaram em Trump. Pode dizer-se que muitas pessoas não se reviam em Hillary Clinton. Campanhas mediáticas perversas, muita instrumentalização ao serviço de russos e da ala mais maligna dos republicanos conseguiram abalar a sua credibilidade. Hillary foi arrasada, denegrida, ultrajada -- quase sempre injustamente. Mulheres assertivas são frequentemente vítimas de machistas, prepotentes, marialvas de pacotilha. Homens com pénis pequenino e testículos ainda menores temem mulheres corajosas e afirmativas. É dos livros e a história prova-o. Quem quis iludir-se, acreditou que Hillary tinha defeitos que não acabavam e que Trump iria voltar a fazer a América grande outra vez. Perante um palhaço cor de laranja com melena feita de barbas de milho, a olho nu um narcisista, insuportável e imprestável como todos os narcisistas são, tóxico como todos os narcisistas são, incompetente, ignorante e impreparado, muitos americanos preferiram ignorar o que já era evidente e elegeram-no.

Desde o primeiro dia e, certamente até ao último, Trump não tem feito outra coisa senão confirmar os piores prognósticos: cobarde, fraco, inseguro, irresponsável, influenciável, doentiamente vulnerável à opinião que sobre ele é formulada, Trump vive em função da sua própria imagem e do reflexo dela na opinião pública.

Poderá dizer-se: so what? é um narcisista e, em maior ou menor grau, não há narcisisita que não seja assim. Parecendo serem uma simpatia, aos poucos minam a confiança de quem os cerca, descartam-se de quem não os bajula, insultam e lançam suspeitas sobre aqueles que se afastam dele. É certo: todos são assim. Mas este não é um zé cueca qualquer que, quanto muito, suga a alma dos poucos que o aguentam: este é o Presidente dos Estados Unidos. Está à frente do destino de milhões de pessoas e tem poder para tomar decisões que influenciam todo o mundo. E esse é o grande perigo, um risco grande demais para poder ser assumido.

Trump tem que ser apeado. Não é só que a sua toxicidade já esteja a corroê-lo a ele próprio, nem é só que a sua irresponsabilidade esteja a matar americanos aos milhares nem é só que a sua psicopatia esteja a arruinar a economia americana. É isso tudo junto acrescido do perigo de que continue a fazê-lo e a fazê-lo de forma cada vez mais descontrolada.

Não conheço suficientemente o Lincoln Project para aqui, de caras, me atravessar por eles. Supostamente são republicanos que zelam pela democracia e que, neste momento, se polarizam em torno de um grande objectivo: apear Trump. Se é isso, cá estou para, na medida da minha insignificante influência, daqui os apoiar.


THE LINCOLN PROJECT


DEDICATED AMERICANS

PROTECTING DEMOCRACY

The Lincoln Project is holding accountable those who would violate their oaths to the Constitution and would put others before Americans.


A série de vídeos que têm visto a produzir e divulgar são de antologia e uma lição de comunicação em política. Neste caso, de comunicação negativa -- mas quantas vezes é necessário fazê-lo?

Seleccionei alguns para os quais encarecidamente peço a vossa atenção.

Luto na América



Votaremos



Nacionalista geográfico



Como tudo começou



Fauci


Vários outros vídeos existem e, se tudo correr de feição, muitos mais existirão. E acredito que ajudarão a conseguir aquilo a que se propõem - afastar Trump da Casa Branca. A bem dos americanos. E a bem dos humanos.

4 comentários:

João Lisboa disse...

Um pequeno contributo (294 posts) para a causa: https://lishbuna.blogspot.com/search/label/que%20merda%20fez%20hoje%20o%20Trampas%3F + 2 bónus: https://lishbuna.blogspot.com/2018/06/spare-me-calls-for-civility-president.html e http://lishbuna.blogspot.com/2016/10/i-wanted-to-write-about-trump-in-first.html

Um Jeito Manso disse...

Olá João,

Interrogo-me: perante narcisistas ridículos, qual a melhor estratégia? Rebatê-los num plano racional ou, simplesmente, ignorá-los? Ou ridicularizá-los a ponto de sentirem tal vexame que só lhes apeteça irem-se embora?

O seu log de tesourinhos deprimentes a propósito dele ou da sua prole é vasto. Deve conseguir perceber qual a melhor arma para apear anormais encartados como esta besta quadrada. Quadrada e, ainda por cima, cor de laranja... :)

Já sei que é preguiçoso (ou melhor, que se desculpa dizendo que é preguiçoso) mas, com tal selecção, não lhe parece que poderia fazer um livro sobre as motivações, os tiques, os desarranjos mentais e o padecimento de quem lida com o animal? Olhe, já sei, não quer escrever 'Ascenção e queda de um narcisista cor-de-laranja'?

Uma boa semana.

João Lisboa disse...

"qual a melhor estratégia?"

Ignorar é impossível. Rebater só funciona com aquelas franjas que não se limitam à fidelidade canina. Gozar com as aventesmas funcionará ou não mas, pelo menos, divertimo-nos ao fazê-lo.

"Ascenção e queda de um narcisista cor-de-laranja"

O título é tentador :-) ... mas sou preguiçoso. Mesmo. Muito.

Um Jeito Manso disse...

Vou ficar à espera, ouviu...? Sentada. Mas vou.