Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

segunda-feira, setembro 05, 2016

O ocaso compõe o seu adágio






O ocaso compõe o seu adágio
de uma plácida melancolia majestosa.
As luzes acendem-se nos vidros
enquanto perdura o vermelho rastro do poente.
Um ténue e total desmoronamento
abre-nos à antiguidade da matéria.
A solidão é nua. A atenção respira.
Ouve-se o longínquo latido de um insecto.
Caravanas de nuvens atravessam a água.
De tudo o que fui e quase imóvel perdura
nos vem a lenta protecção tranquila.
Dir-se-ia que o intacto sorri em nós e no mundo
enquanto uma frágil estrela se acende no azul.



__________________

Fotografias feitas no Ginjal

Poema Adagio de António Ramos Rosa

Dmitry Shishkin interpreta um Nocturno (Op.9 Nº2) de Chopin

__________________

E muito gostaria que fossem também visitar o meu Ginjal onde, ao som de uma certa 'berceuse', também vou pela mão de António Ramos Rosa em busca de alguém que não sei se existe.

________________

[E, por falar em ocaso, talvez tenham interesse em ler alguma coisa sobre o dramático ocaso de Weiner. É a seguir.]

_________

1 comentário:

bea disse...

É um bonito poema. Sem dúvida.