Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

segunda-feira, agosto 03, 2015

Medo











 acredita em mim: é só um rumor.

não sei escrever o vento,
nem sei como se nasce outra vez.
nunca soube como se tece
no piano a face vazia do tempo.

por favor, não perguntes:
pois eu não sei como germina um poema,
nem quantos dias cabem no teu rosto.
E como se conjuga a cidade com o adeus?

Perguntas, mas eu não sei o que é a morte.






.....

As fotografias foram feitas da zona da Rua da Escola Politécnica para baixo, vendo-se ao fundo a Basílica da Estrela.

A música, lindíssima, é um dueto: Júlio Resende no piano com Amália Rodrigues, na interpretação de 'Medo'

O poema é o XXIX de Espera Vigilante de Ricardo Gil Soeiro.

..

1 comentário:

Rosa Pinto disse...

e ainda bem que não sabe....
Lindo poema.