Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

terça-feira, fevereiro 03, 2015

Angela Merkel não quer reunir-se a só com Alexis Tsipras. Acha que ele iria devolver o papagaio, que ele diria dizer que o papagaio está morto. E está morto, sim senhor. Ela e o Láparo é que ainda o querem vender como vivinho da costa.


Eu, se fosse à Merkel, também tinha medo de me reunir a sós com o Alexis. Ele ri-se muito, tem ar de bom rapaz, tem uma mulher toda gira, respira confiança, tem ar de não ter medo nenhum de bardajonas e, sobretudo, tem ar de não suspirar de véspera só de pensar nos abraços e beijos dela como acontece com os Hollandecos desta vida.

A Europa da era Merkel e Barroso
a assistir ao efeito da austeridade


Ela, luterana matrafona, deve interrogar-se: e se ele, numa de desconcerto, me aparece com uma gaiola com um papagaio morto lá dentro, a devolvê-lo à procedência, e me diz que o papagaio morto é a austeridade cega que lhes andei a impingir?

Eu posso arreganhar-lhe o dente e dizer-lhe que se ele quer despejar dinheiro em cima dos pobres que nos venda primeiro as ilhas, as ruínas e os museus. Mas... e se ele me manda ir catar macacos? Ná. Tenho medo. Claro que não posso confessar medo que me iam todos cair em cima, tudo no gozo. Poderia armar-me em sargentona como sempre fiz com os outros castrati que por aí têm andado, e dizer-lhe que, se ele não engole a troika de volta, o obrigo a lamber o chão que eu piso. Mas e se ele me diz que, a bardajonas como eu, ele não lambe o chão mas besunta-o de óleos perfumados para eu me estatelar ao comprido? Ná, com ele a sós ninguém me apanha.

Isto diria eu se fosse a Merkel. Mas, como não sou, não digo. 

E se eu fosse eu, que diria eu ao Alexis?

Ora bem, diria muito justamente que faz ele muito bem em pôr a economia a rodar, que faz bem em tentar melhorar o nível de vida da população porque a economia precisa de um rastilho, precisa de catalisadores, que todos os europeus fariam bem em incentivar que o BCE oferecesse de mão beijada mil euros a cada grego porque isso iria fomentar a procura interna, estimular a confiança, e com a economia a mexer há impostos enquanto que com miséria e estagnação nem vê-los. E sem impostos não há receitas e sem receitas não há amortização de dívida, apenas há juros que se somam à dívida.
[Ou os sociais-democratas croatas são uns líricos? Claro que não, são apenas inteligentes e com sentido prático.]

Isto diria eu se eu fosse eu (eu filha-de-santo de Clarice).

____


Monty Python - Papagaio Morto


(Leia-se: Papagaio morto = austeridade cega = troika = laparices = etc, etc)



....

Sem comentários: