Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

sábado, julho 26, 2014

Agramática. Manoel de Barros pela mão de CINE POVERO. O amor das palavras. O maravilhamento pela beleza das frases.


Quando há vídeo novo no Cine Povero, o Um Jeito Manso começa a correr, não quer perder o lugar, quer chegar a tempo de apanhar um bom lugar. Não há palavra, acorde, imagem que se possam perder. No Cine Povero os espíritos do bem encontram-se e os espectadores, no fim, rogam por mais.


Manoel de Barros por ele próprio: Agramática


Descobri aos 13 anos que o que me dava prazer nas
leituras não era a beleza das frases, mas a doença
delas.
Comuniquei ao Padre Ezequiel, um meu Preceptor,
esse gosto esquisito.
Eu pensava que fosse um sujeito escaleno.
- Gostar de fazer defeitos na frase é muito saudável,
o Padre me disse.
Ele fez um limpamento em meus receios.
(...)
Há que apenas saber errar bem o seu idioma.
Esse Padre Ezequiel foi o meu primeiro professor de
agramática.





  • Voz de Manoel de Barros em «Manoel de Barros», Audio-Livro, Ed. Cidade da Luz (Coleção Poesia Falada), São Paulo, 2001
  • Música: Virgina Astley, “With my eyes wide open I'm dreaming” in «From Gardens Where We Feel Secure», 1983
  • Filmado no Parque Nacional Plitvice Jezera e na ilha de Dugi (Croácia).

-

Sem comentários: