Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

quarta-feira, agosto 16, 2017

Amar, verbo intransitivo




É coisa que se ensine o amor? Creio que não. Pode ser que sim.

O amor deve nascer de correspondências, de excelências interiores. Espirituais, pensava. Os dois se sentem bem juntos. A vida se aproxima. Repartem-na, pois quatro ombros podem mais que dois. 


-- Entendeu, Carlos?

Ela repetia sempre "Carlos", era a sensualidade dela. Talvez de todos... Se você ama, ou por outra se já deseja no amor, pronuncie baixinho o nome desejado. Veja como se moja em formas transmissoras do encosto que enlanguesce. Esse ou essa que você ama se torna assim maior, mais poderoso. E se apodera de você. Homens, mulheres, fortes, fracos... Se apodera.

E pronunciando, assim como ela faz, em frente do outro, sai e se encosta no dono, é beijo. Por isso ela repete sempre, como de-já-hoje, inutilmente:

-- Entendeu, Carlos?


+++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

A língua que usei. Veio escutar melodia nova. Ser melodia nova não quer dizer que feia. Carece primeiro a gente se acostumar. Procurei me afeiçoar ao meu falar e agora que já estou acostumado a lê-lo escrito gosto muito e nada me fere o ouvido já esquecido da toada lusitana. Não quis criar língua nenhuma.

O importante não é aliás a vaidade de ter língua diferente, o importante é se adaptar, ser lógico com a sua terra e o seu povo. Falam que pra que tenha literatura diferente carece que tenha língua diferente... É uma semiverdade. Pra que tenha literatura diferente é só preciso que ela seja lógica e concordante com terra e povo diferente. O resto sim é literatura importada só para certas variantes fatais. É literatura morta ou pelo menos indiferente pro povo que ela pretendeu representar.


________________

Excerto, não sequencial, de 'Amar, verbo intransitivo - Idílio' de Mário de Andrade. A parte a itálico faz parte do Posfácio Inédito.



Lá em cima Marisa Monte interpreta Amor, I love you



As imagens pertencem ao filme The Graduate com Anne Bancroft e Dustin Hoffmann e, se lerem o livro, perceberão porque é que me lembrei de as colocar aqui


___________________

Já agora: Mário de Andrade também poeta

Ode ao Burguês



_____________

E, se aterraram agora aqui, aceitem a sugestão e desçam até à minha Estivália. É o post que se segue.

_  _  _  _  _  _  _

Mas, se estiverem numa de entrar num outro comprimento de onda, então aceitem o convite e naveguem até ao meu Ginjal. Aí poderão contemplar o rio enquanto ouvem as minhas confissões: Porque escrevo no prazer eu incendeio-me. A música também é boa.

_______________