Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

segunda-feira, maio 01, 2017

Quem é esse tal Henrique de cabelo ao vento?



Estudou em França e em Itália e, por onde foi vivendo, foi absorvendo influências e incorporando o que via nos seus trabalhos. 

Vila Viçosa 2017
Auto-retrato aos 17 anos
Apesar da vida breve, deixou obra assinalável na qual o seu espírito inovador estava bem presente -- não foi só o captar a luz e a cor, por vezes de forma bastante criativa, como o mostrar querer caminhar no sentido da abstração numa altura em que poucos ousavam transpor essa barreira.

Hoje pouco se fala dele.

Talvez apenas os seus conterrâneos o tenham presente mas talvez alguns nem saibam bem quem foi aquele jovem de cabelo ao vento que, agora transformado num busto de bronze, dá as costas à Igreja de São João Evangelista enquanto olha o Castelo lá ao fundo.

Henrique César de Araújo Pousão nasceu em Vila Viçosa em 1859 e em Vila Viçosa morreu, de tuberculose, em 1884 -- ainda Florbela Espanca não tinha nascido.



Com música de Erik Satie

______________

E, caso vos apeteça ver uma das casas onde viveu Florbela Espanca, queiram fazer o favor de descer até ao post que se segue.

___

4 comentários:

Fernando Ribeiro disse...

Hoje pouco se fala dele.

Peço licença para discordar. Aqui no Porto, Henrique Pousão continua a ser falado, e não é pouco. Estudou na Academia de Belas-Artes desta cidade, onde se fez pintor, e podem ser vistas diversas e magníficas pinturas da sua autoria no Museu Nacional de Soares dos Reis. É um dos artistas mais representados no museu, onde lhe é dado o devido realce.

bea disse...

Pouco sei deste pintor tão jovem. Pela mostra, parece ter preferido pintar as mulheres, o que já me parece bem.

Um Jeito Manso disse...

Olá Fernando Ribeiro,

Tem razão, no Museu Soares dos Reis, sim, e acredito que na Academia também. Mas, penso eu, a nível geral não muito mais do que por aí.

Faltam, por exemplo, exposições ou programas de televisão sobre estes nossos pintores, escritores, músicos, escultores, falta-nos um certo culto pelos nossos vultos da cultura. As televisões estão enxameadas de comentário futebolístico ou partidário e pouco se fala de quem nos deixou tão relevantes legados.

E, se me permite: a quem possa, a sugestão de ir visitar o Museu Nacional Soares dos Reis.

Obrigada e dias felizes, Fernando.

Um Jeito Manso disse...

Olá bea,

Aproveito a sua deixa e peço que leia a minha sugestão na resposta ao comentário do Fernando Ribeiro. Se passar pelas bandas do Porto, cidade tão linda, dê uma saltada ao museu. Aliás, todo o museu é lindo também.

Um dia feliz para si, bea.