Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

domingo, março 26, 2017

O Abel Barros Baptista, o chapéu da visita e o gato do Mário Quintana


Vinha de carro e, tal como suspeitado, guardado estava o bocado para quem o havia de comer: o Abel Barros Baptista no meu colo. E, marafado como só ele, a fazer-me rir.

Mas a coisa vinha num riso discreto, as coisas que ele ia dizendo era facetas mas do género soft-facetas. Até que, de repente, me fez soltar franca gargalhada e eu, quando alguma coisa me vai ao goto, fico de me esganar a rir. Perguntam: 'Mas o que é?'. Incapaz de responder, só riso. Concluem: 'Só pode ser alguma maluquice'.

E era. Ainda agora me rio. Trancrevo o dizer do belo Abel:


Um dia, o poeta brasileiro Mário Quintana foi visitar uns amigos. 

Quando chegou, sentou-se inadvertidamente em cima do chapéu de outra visita, que gritou, já incapaz de salvar o acessório. 

O poeta, embaraçado, e aliás desastrado, justificou-se: "Desculpe, pensei que era um gato."


___________

Até já com mais recuerdos do ABB

....

Sem comentários: