Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

sábado, fevereiro 18, 2017

Enquanto por cá os alcopafinhas* andam à nora atrás do seu (deles) excelso rabo,
nos States a Trumjoke em forma de gente atinge os píncaros da carnavalada.
A 1ª conferência a solo do palhaço Trump revela os riscos reais da democracia
ou como a democracia pode incubar um perigoso anormal


Quando vejo a falta de preparação, a falta de educação, a falta de decoro de Donald Trump penso sempre que não é possível que uma anedota destas se aguente muito tempo como presidente dos Estados Unidos. Mas o drama não é a falta de maneiras ou de conhecimentos: o drama é tudo isto associado a um registo de imprevisibilidade, de caos. Pior se vier condimentado com arrogância, com prepotência, com desprezo pelos outros. Dramático se vier envolto em incultura geral (política, histórica, social, etc).

Uma mistura explosiva. 

Ao fim de poucos dias o mundo assiste, aterrado, ao absurdo a que se chegou. De um país que consta ser uma das mais mediáticas democracias (.... e que, reconheça-se em abono da verdade, tão obnóxios presidentes já tem parido e que tanta porcaria tem espalhado pelo mundo...) emanou a maior besta de que há memória. E, ao contrário do que seria expectável -- ou seja, que fosse escorraçado pela força de um voto racional --, eis que a besta quadrada foi eleita.

Não sei se Nosso Senhor se distraíu e deixou que o mafarrico viesse aqui pôr um pauzinho na engrenagem, se Nosso Senhor se cansou desta tropa fandanga e foi pregar para outra freguesia ou quê. O facto é que alguma coisa anda a correr mal: o mundo parece que começou a andar em loop, em contra-loop, às arrecuas, de patas para o ar. Volta e meia, alguém me lembra que os gregos, os antigos, é que eram, que esses é que a sabiam toda. Não sabiam. Se soubessem tinham feito as coisas de maneira que o seu saber não se perdesse. Perdeu-se. A sabedoria desses tempos... onde é que isso já vai...? 
Se bem que também admito que aquilo, às tantas, também eram mais as nozes que as vozes. Uns quantos inspirados, uma escola organizada, uma elite jeitosa mas, às tantas, era mas era uma minoria... e agora os deslumbrados benzem-se como se fosse toda uma população a poemar, a filosofar, a teatrar. Ora, está bem, está.
Mas também não interessa. O que interessa é que tantos séculos de conhecimento, luz, desenvolvimento e consciência social deram nisto: gente estúpida a ser eleita por todo o lado. Dantes a gente ria-se dos estafermos das Áfricas, gente perdida no cu de judas governada por anedotas armadas em ditadores, ou os das Américas do Sul, os das repúblicas das bananas, o maluco da Coreia, o tresloucado das Filipinas. Gente longe da civilização, terceiro, quarto, quinto mundo. Gente escafundida em lonjuras bem longe de nós. Nada que nos dissesse respeito. Material bom para o Borat fazer filmes. 

E, no meio da confusão, enquanto íamos elegendo nódoas ou fechando os olhos aos montes de enxúndia administrativa e burocrática que se iam formando em Bruxelas (e por ai fora) e onde medravam alforrecas, vermes, galinhas histéricas e outros inúteis, devagar, sem que ninguém lhes prestasse atenção, iam renascendo nazis, populistas de baixa estirpe, gandulagem bem falante. E a comunicação social acompanhando a linha descendente, a comunicação social que é bem o espelho da segunda derivada do crescente lúmpen moral, a moldar as percepções, a legitimar a cambada.

Chegámos aqui. Onde antes eram ilustres tribunos e cidadãos exemplares que representavam o povo, agora é a escória da sociedade, os mais oportunistas, os mais promíscuos, os mais desavergonhados que lá se vêem.

Felizmente, apesar da escória estar no poder ou à sua babugem, ainda há algum contraditório. E nos Estados Unidos a imprensa e, curiosamente, os programas de entretenimento mantêm-se como um poderoso bastião na defesa do que resta da democracia.

A 1ª conferência de Trump é uma comédia. Uma tragédia. Um disparate do princípio ao fim. Ver para crer. E ver o que Colbert, Fallon ou Noah gozam. Bonito de ver. Ter cavalgaduras destas à mão de semear é do melhor que há para quem tem sentido de humor. Valha-nos isso.


Donald Trump Wows At First Solo Stress Conference The Late Show with Stephen Colbert






Trump Press Conference Cold Open The Tonight Show Starring Jimmy Fallon




President Trump's Bats**t Press Conference: The Daily Show The Daily Show with Trevor Noah



¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

*al·co·fi·nha
substantivo de dois géneros
Alcoviteiro; alcoviteira.

* alcopafinha = alcofinha da linha PàF

..............................................

E agora queiram, por favor, descer e seguir para o rectângulo tuga onde um grupo de deputados se consola a cheirar o rabo uns aos outros.


.................

Sem comentários: