Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

quinta-feira, dezembro 08, 2016

Um pato cor de laranja como a pessoa do ano, segundo a Time
- este é o fruto dos tempos




É irrelevante. Pelo menos para mim é. Este mundo não é o meu mundo. Se o país mais poderoso do mundo escolhe um parvalhão para o presidir, eu vou ali e já volto. A Time lá sabe. Aliás, é um facto. Num mundo mediatizado como este, uma figura como Trump, ao ser eleito presidente dos EUA, teria que figurar na capa da Time como a pessoa que mais destaque teve em 2016.



Logicamente, a Time não ia escolher Anas al-Basha, o rapaz de 24 anos que se vestia de palhaço para atenuar o sofrimento das crianças da zona dilacerada de Alepo. Que relevância para o mundo teve a breve existência de Anas que recusou sair da zona dos bombardeamentos e que, supostamente, sucumbiu durante um dos que ocorreu nos últimos dias? Nenhuma. 


O mundo é, cada vez mais, um lugar perigoso para pessoas como Anas ou para as crianças indefesas que ele tentava fazer rir.

Que, pessoa do ano, seja agora Trump -- tal como já foi Putin ou outros --, é-me indiferente. Este não é o meu mundo.


:::::::::::::::::::::::::::::

Como poderão ver abaixo, é um mundo pequeno, o meu, um mundo inofensivo, sem epopeias. um mundo com arvorezinhas com luzinhas, anjinhos -- um mundo protegido. 

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Apeteceu-me pôr aqui a Time na voz do Tom Waits mas não tem nada a ver com a Time de que aqui se fala. Gosto de o ouvir. Gosto de estar a escrever e a ouvi-lo.

:::::

2 comentários:

bea disse...

Se fora eu preferia o simpático palhacito. Por tudo. Mas eu mando nada, sou erva rasteira e talvez ruim. Ora bolas.

Anónimo disse...

Inacreditável, mas consequente com o que a Time é, sempre foi e defende.
P.Rufino