Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

segunda-feira, dezembro 26, 2016

E agora bochechas


No seguimento do post de ontem das receitas pouco natalícias, junto agora a das bochechas de porco.


Começo por dizer que pouco as vejo à venda. Por isso, encomendei-as num talho de rua.

Num tacho, deito um pouco de azeite e cebola cortada aos bocados. Deixo alourar. Junto rodelas de alho francês, folhas de louro, um pouco de vinho tinto e as ditas bochechas. Ponho no mácimo até ferver. Quando ferve, ajeito-as para ficarem imersas no caldo que se formou. Ponho um pouco de sal. Fica ao lume a cozinhar durante umas duas horas com calor na intensidade 3. Quando já estão macias, juntos quartos de duas pêras (descascadas) e fica ao lume até que as peras estejam praticamente desfeitas. Com um garfo, torno o molho mais homogéneo. 

O aspecto não fica nada como estas da fotografia já que não fica nada com ar 'puxado', uma vez que são estufadinhas em lume brando e uma vez que a pera no final amacia o molho e corta qualquer sabor mais agressivo

----

Havia outros pratos de carne tais como lombo com mel e alecrim (logo digo como fiz), galo capão (trazido por outros convivas) e lagartos no forno. Para acompanhamento, tinha arroz basmati, salata de tomate e batatas no forno.

Batatas de forno 

(uma espécie de wedges)


Cozo em água e sal batatas que descasco e corto aos bocados. Quando estão cozidas, coloco-as num tabuleiro de forno onde, no fundo coloquei um fio de azeite. Ponho uma camada de batatas, polvilho com bacon cortado aos micro-bocadinhos, depois mais batatas e depois mais micro-bocadinhos de bacon. No fim, polvilho com orégãos, rego com azeite e vai ao forno a 180º ou menos até que as batatas estejam louras, ar quase estaladiço, e o bacon com ar de quem já perfumou as batatas e se deixou ficar tostatinho.

Também não ficam bem como estas da fotografia mas foi o mais do género que arranjei. A ver se, para a próxima, fotografo os meus cozinhados.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

E até já ou até mais logo com fotografias do meu passeio matinal ou com mais receitas.


......


8 comentários:

Manuel Silva disse...

Macimo.....muito tempo na cozinha cansaço...

bea disse...

Hummm...sofro de saturação de cozinha. Mas na verdade as suas receitas não parecem difíceis. As fotos interessam-me pouco.

Rosa Pinto disse...

Jeitinho...gosto de bochechas. Receita do meu Alentejo.

Esta coisa da internet é maravilhosa. Podemos ver qualquer receita. Mas ainda há por aí muita confusão.

No Alentejo, dois alentejanos falavam:
- Escuta cá, ó Juaquim, tu que és um homem sempre bem informado, me diga uma coisa: como funciona esta tal de Internet?
Responde o Joaquim:
- Bem, Manuel, vamos começaire do princípio. Tu já viste as cabras comeirem capim e cagairem bolitas igual a azeitonas?
- Sim, Juaquim, já vi muitas vêzes! – responde o alentejano Manel.
Continua o Joaquim:
- E tu já viste os touros comeirem capim e cagairem umas placas de bosta verde deste tamanho?
- Sim, também já vi, Juaquim! – responde o primeiro.
Diz o Joaquim:
- Oras pois, me diga cá, se os dois bichos comem do mesmo capim, como é que podem cagairem m*rdas tão diferentes?
- Bain, Juaquim, eu não faço a mínima idéia! – responde o Manel.
E finaliza o Joaquim:
- Pois então, Manuel! Se tu não entendes nem de m*rda, como já queires entenderes de Internet?

Um Jeito Manso disse...

Caro Manuel Silva,

O que se faz de gosto não cansa. A culinária pode ser um aliciante exercício de criatividade.

E haja bom apetite!

Um Jeito Manso disse...

Olá bea,

As minhas receitas são sempre assim: rápidas, fáceis, de preferência económicas. Não tenho grande pacência (nem tempo) para estar cinquenta mil horas para fazer uma coisinha.

Espero que, se reproduzir alguma, goste.

Um Jeito Manso disse...

Ora bem, simplesmente Rosa!

Já se sentiam saudades das suas anedotas! E de alentejanos ainda mais...! Que se os houver por aqui que não levem a mal que isto é só ternura.

(Eu e a Rosa amamos de paixão so alentejanos, certo Rosa...? Mas aquele timbre cantado dá cá uma vontadinha de os imitarmos...)

Um abraço, bela Rosa!

Anónimo disse...

Mas ainda não conseguiu perceber que escreveu "mácimo" em vez de "máximo" no post? Com comentadores destes mais vale não ter nenhum.

Anónimo disse...

óh anónimo
desde o inicio que vi isso
e o inicio foi ontem
mas acha que uma gralha, sim trata-se de uma gralha e nada mais do que isso é algo que seja relevante de chamar a atenção?
numa blogger que tem preocupações com o que escreve, nas vírgulas, na gramática, na semântica...
vá dormir que deve ser o seu mal

GG