Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

terça-feira, outubro 25, 2016

Uma declaração de amor a preceito


Não sei se ainda se usam as declarações de amor. Nem sei bem o que é uma declaração de amor. 

É, do nada e sem que nada o fizesse antes suspeitar, uma pessoa chegar ao pé de outra e confessar-lhe o seu amor? Se for, imagino a surpresa, talvez até o incómodo. Deve ser estranho, isso. 

Ou é, depois de já ser mais que óbvio que uma pessoa gosta de outra, aparecer-lhe como se fosse dar -lhe uma grande novidade? 

Mas isto sou eu a pensar. A minha mãe volta e meia dizia: 'Esta rapariga parece que é muito racional, racional a mais, não sei...' E é verdade, tenho um lado mesmo muito racional. Se há coisas que não fazem sentido, não arranjo maneira de as fazer parecer úteis ou suportáveis.

Nisto do amor, no que me diz respeito, tenho cá para mim que a primeira e última palavra é forçosamente a minha. Por isso, se chegasse ao pé de mim alguém por quem eu nunca antes tivesse mostrado interesse e me aparecesse com declarações de amor, claro que levava uma corrida em osso. Pelo contrário, se eu mostrasse interesse por alguém e esse alguém também interesse por mim, qual a lógica de se pôr a chover no molhado com uma converseta melada?

Outra coisa é uma demonstração de amor, um momento a dois. Isso, sim, muito bem. É bom, é necessário, é útil. E não venham dizer-me que demonstração e declaração vai dar no mesmo. Não vai. Nada a ver.

Portanto, se a declaração de amor caíu em desuso, caíu muito bem. E, se não e se algum dos meus Leitores (ou Leitores) é um romântico de antanho e quer surpreender a senhora (ou o senhor) do seu coração, aqui está um modelo altamente inspirador.

João de Deus declara-se a Helena



Assim, sim.

......

1 comentário:

bea disse...

De tão parva é engraçada.