Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

quarta-feira, agosto 31, 2016

A room with a view
-- e o mar




Por mail, recebi um surpreendente e amabilíssimo convite para ir conhecer a casa e a família de um Leitor superlativamente simpático. 

E, em comentário ao post abaixo, recebi um desafio para ir visitar partes do Algarve que intuo maravilhosas (e que desconheço - com excepção da Carrapateira e de Monchique).

A ambos agradeço mas, por agora, não vai ser possível. A estadia é curta e eu estava mesmo a precisar de descansar. Os dias têm sido acordar, pequeno almoço, ida a pé para a praia, caminhada, banho de mar, estendermo-nos a secar, descansar um pouco, regressar a pé, estadia curta para leitura no jardim e breve banho na piscina, almoço no quarto, telefonemas e mails (de trabalho, malgré moi), depois curta sesta, ida a pé para a praia, descansar, ouvir o mar que ruge como um selvagem à solta, vê-lo e fotografá-lo

(e a minha filha que gozou por eu ter sido apanhada desprevenida por uma onda traiçoeira neste mar caprichoso -- o quê? Não me digas que te ias afogando com a água pelo joelho...? - pode ver nesta fotografia como é que ele fica quando o vento e as correntes o desencaminham; e não, não estava com a água pelo joelho, estava pelo peito e fiquei sem pé, enrolada, provavelmente às cambalhotas, nem faço ideia, só sei que fiquei sem saber de que planeta era - e agora estou com um ombro todo dorido. Mas, caramba, o mar é lindo!)

regresso ao quarto, banho, telefonemas familiares, contemplação da paisagem, fotografias e mais fotografias, tão bonita a vista a partir da varanda do quarto, deixar que o sol se inflame, o céu em fogo, até que escurece, depois saída para jantar, curto passeio e regresso ao quarto por volta das dez e tal. E depois, como é meu costume, aqui me deixo ficar, convosco.

Tenho que aproveitar bem estes dias de dolce fare niente, No fim de semana já temos compromissos familiares. 

Portanto, saibam que fico sinceramente sensibilizada com a vossa atenção mas fica para uma próxima. E fica já aqui assegurado que virei ao Algarve não para borregar ou praiar mas para conhecer os lugares só conhecidos pelos verdadeiros connaisseurs.

E porque o percurso sugerido pelo Caro HY me parece altamente sugestivo, para o caso de algum dos meus Leitores querer ir andando, aqui fica no frontispício do Um Jeito Manso.
Experimente ir a Barão de S João. Beba um copo num dos cafés locais, suba à mata. Peça que lhe indiquem a Pedragosa e vá ver as pinturas da casa redonda o Tó Alonso. Apanhe a estrada para Barão de S Miguel, vá às praias da Carrapateira e da Bordeira. Retome para Aljezur, apanhe para Monchique por Marmelete. Acabe na barragem da Bravura, por trás do Odeaxere. Verá que não se arrepende.
Não me arrependerei de certeza, Caro HY, e muito obrigada pelo desenho do percurso. E muito obrigada pelo convite para ir de visita à casa do Leitor que, inclusivamente sacrificava os filhos para nos aturarem. Gracias!

______

E para a Leitora bea uma euforia de ouro e prata que brota das areias secas e que fotografei fascinada. Tem razão, bea: como é tal possível...?

______

As fotografias foram feitas hoje. 
A música pertence à banda sonora do filme A room with a view e traz-nos O Mio Babbino Caro  na interpretação de Kiri Te Kanawa

... 

3 comentários:

bea disse...

Puxa! Obrigada, Um jeito manso. E eu que até era para não vir espreitar as surpresas do portátil...Lembra a talha dourada das igrejas. Acresce que, posta assim na catedral da natureza, sem o brilho falho do artifício, é muito superior (um segredo: nem gosto de talha dourada). Sabe que plantas são?
Continuação de boas férias.

bea disse...

Terei que arranjar esse filme, "A room with a view". Gosto de filmes de época e da actriz mais velha de que não lembro o nome, mas existe:). Para degustar nas noites mais frias parece-me bem.

Um Jeito Manso disse...

Olá bea,

É um filme muito bonito e que fica. Baseia-se no livro homónimo de E. M. Forster. Vai gostar, sim.

E ainda bem que gostou daquelas flores fantásicas. O meu marido a chamar-me e eu a maravilhar-me com a beleza que brota da areia seca, a fotografar. Não faço ideia de que flores sejam. E como umas estão meias secas, ficam estes matizes.

What a wonderfulf world...!