Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

segunda-feira, julho 25, 2016

James Joyce em privado
[Todas as cartas de amor são ridículas...?]



Não escrevi muitas cartas de amor. Sempre vivi muito tête-à-tête com aqueles que tenho amado. Não sei o que é feito das que escrevi mas as que recebi nunca foram relidas. Parece-me que as expressões de amor apenas fazem sentido no contexto em que acontecem. Depois disso, lê-las parece-me ser puro voyeurismo. Se lesse as que recebi ou, pior ainda, as que escrevi talvez me parecessem ridículas, mimadas, de um amor exacerbado. Não sei. Por isso, destruo-as ou esqueço-as. Só me interessa o que acontece hoje. Tenho a certeza que, se as relesse, nada me despertariam, senão a incómoda sensação de violação da intimidade alheia.

Contudo, adoro receber cartas ou mails longos como cartas. E gosto de ler livros com cartas. E gosto de ouvir ler cartas, e, neste caso, em especial, cartas de amor. Surpreende-me o lado frágil. vulgar e tão inocentemente humano de pessoas que nos habituámos a admirar da sua actividade profissional (frequentemente literária ou de qualquer outro ramo artístico), tantas vezes tocada pela genialidade.

Joyce e Nora e os filhos

É o caso das cartas que James Joyce escreveu a Nora Barnacle, sua amante, mulher e musa cuja inteligência e sensualidade ateavam bem forte o fogo da paixão que os unia. São cartas carregadas de um erotismo desbragado que, indecente e compreensivelmente, são agora lidas em público.


Parte de uma carta manuscrita de Joyce para Nora

Carta de amor de James Joyce a Nora lida por Paget Brewster




Há vídeos com cartas de Joyce lidas por homens mas preferi ter aqui uma carta lida por uma mulher pois foi para uma mulher ler que ele a escreveu. Assim, talvez assim como Paget, a tenha lido Nora, a chegar ao fim a precisar de respirar fundo, de expirar profundamente, de qualquer coisa que aliviasse a tensão sexual que aquelas palavras lhe terão causado. (Digo eu).

___

Não vi e gostava ainda de ver o filme sobre a mulher que tanto esbraseava James Joyce

Nora


_____

Desejo-vos, meus Caros Leitores, uma bela semana a começar já por esta segunda-feira.

E que haja saúde, alegria, afectos e dinheiro para os gastos.

...

Sem comentários: