Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

domingo, abril 24, 2016

Fotografias de um dia de praia com cães dentro - e uma só de flores
com Mozart por companhia
(e não me refiro ao siamês da vizinha da minha mãe)


Glorioso dia de sol. O mar alegre, o céu azul, as pessoas despindo-se de névoas, descobrindo a pele, passeando ou descansando, deixando que a luz quente banhe o seu corpo. As crianças em festa, os cães felizes como crianças.

A alegria simples de existir.













_____

Fotografias feitas hoje na praia.

Anne Sophie Mutter no violino, André Previn no piano e Daniel Müller-Schott no violoncelo interpretam de Mozart: Trio for Piano, Violin & Cello K502, 1st Mov. Allegro.

___

E agora vou fazer o jantar antes que a casa se encha, que esta noite é de arromba -- vamos festejar o nascer de mais um 25 de Abril.


5 comentários:

Rosa Pinto disse...


Aqui fica a senha..

Quis saber quem sou
O que faço aqui
Quem me abandonou
De quem me esqueci
Perguntei por mim
Quis saber de nós
Mas o mar
Não me traz
Tua voz.
Em silêncio, amor
Em tristeza e fim
Eu te sinto, em flor
Eu te sofro, em mim
Eu te lembro, assim
Partir é morrer
Como amar
É ganhar
E perder.
Tu viste em flor
Eu te desfolhei
Tu te deste em amor
Eu nada te dei
Em teu corpo, amor
Eu adormeci
Morri nele
E ao morrer
Renasci.
E depois do amor
E depois de nós
O dizer adeus
O ficarmos sós
Teu lugar a mais
Tua ausência em mim
Tua paz
Que perdi
Minha dor
Que aprendi.
De novo vieste em flor
Te desfolhei...
E depois do amor
E depois de nós
O adeus
O ficarmos sós.

Rosa Pinto disse...


e porque amanhã é 25...


Um alentejano vai para a tropa e na distribuição dos quartos ele é avisado:
- A única vaga que há é no quarto com o Hélio que ressona muito alto e ninguém quer dormir com ele…
- Não têm importância nenhuma, fico mesmo com esse! – diz o alentejano
Na manhã seguinte encontram-se ao pequeno-almoço:
- Então, conseguiu dormir alguma coisa? – pergunta-lhe o outro soldado.
Responde o alentejano:
- Dormi lindamente, muito obrigado.
Espantado pergunta o primeiro:
- Como é que conseguiu? Toda a gente se queixa que o ressonar do Hélio é insuportável!
Explica o alentejano:
- Quando cheguei ao quarto, ele estava realmente a ressonar muito alto, mas depois despi-me, dei-lhe um beijo na boca e disse-lhe “boa noite”. Ficou toda a noite acordado de olhos bem abertos… Um sossego!

Humberto Barbosa disse...

Caríssima UJM

25 de Abril
Esta é a madrugada que eu esperava
O dia inicial inteiro e limpo
Onde emergimos da noite e do silêncio
E livres habitamos a substância do tempo

Sophia de Mello Breyner Andresen, in 'O Nome das Coisas'

Um fraterno abraço
HB

Pôr do Sol disse...

Que necessitada eu estava de um dia assim!
Só o Sol e o Mar me fazem sentir viva.
Esta noite sinto-me capaz de ir para a rua festejar o 25 de Abril, agora com a esperança renovada de um futuro melhor para os mais novos e um final mais confiante para nós. Foi uma das emoções mais fortes da minha vida, que já ultrapassou os sessenta e quero acreditar que valeu a pena.
Contudo, porque estou de avó a tempo inteiro até à tarde de amanhã e o dia foi em cheio para a minha pequenita, vou tentar seguir por aqui o inicio dos festejos.
Desejo-lhe uma noite cheia de alegria.

Um Jeito Manso disse...

A Todos,

Aqui de fugida que o dia hoje é preenchido e já estou numa de ir, agradeço os comentários, os poemas (esta é a madrugada cheia de esperanças que todos queremos, Humberto), o poema e a anedota (grande Rosa! Como gosto de a ver com os braços carregados de poesia e riso!), os desabafos e as esperanças (o dia está de sol, Sol-Nascente, bora festejá-lo com os netos para a rua, para o sol).

Um feliz 25 de Abril a todos!