Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

quarta-feira, setembro 30, 2015

Os números maquilhados da Maria Luís, a gestão travestida de Passos Coelho, o desamor à verdade dos PàFs - E o milionário, os crocodilos na piscina, o valentão e o fdp


Um número maquilhado do BPN
conforme ordem da Maria Luís Albuquerque
(in 'Isto é muito bonito mas...')


Com medo que os jornalistas comecem finalmente a fazer investigação a sério e descubram mais números maquilhados para forjarem resultados menos maus, Passos Coelho, esse paladino da verdade e dos bons costumes, saíu-se com esta:
"Libertámo-nos da ditadura financeira e dos números, chegou a hora da política", prometeu Pedro Passos Coelho esta terça-feira à noite, num jantar-comício em Coimbra. 
Pudera. Depois dos jornais em peso terem destapado o lixo que a pinokia mandou esconder debaixo do tapete (e vamos lá a ver se terá sido só isso) é natural que agora o Coelho e o vice-desembestado queiram à viva força parar de falar de números.

Transcrevo a cena da maquilhagem com que, esta terça-feira à noite, os Gato Fedorento gozaram à brava:


Maria Luís terá dado ordens para esconder prejuízo do BPN


O actual Governo terá dado indicações à Parvalorem, a empresa pública que gere os ativos tóxicos do antigo Banco Português de Negócios (BPN), para esconder prejuízos do banco com o objetivo de não agravar as contas do défice de 2012, avança a Antena 1. Desta forma, a Parvalorem terá ocultado uma parte das perdas registadas com o crédito mal parado a pedido de Maria Luís Albuquerque, quando ainda era secretária de Estado do Tesouro. Cerca de 150 milhões de euros.

O nº maquilhado do BPN
com um nº maquilhado do novo Banco
(em entrevista ao Ricardo Araújo Pereira na TVI)

Segundo a Antena 1, em fevereiro de 2013 a atual ministra das Finanças (na altura ainda Vítor Gaspar assumia esta pasta) soube que a Parvalorem ia ter perdas de 577 milhões de euros, em créditos em risco de incumprimento. Fonte ouvida pela rádio pública conta que Maria Luís Albuquerque pediu para mexer nas contas e divulgar as melhores contas possíveis: "Foi uma martelada que demos nas contas, as ordens vinham de cima, atuámos dentro da margem que tínhamos."
A Parvalorem terá procedido então a uma operação contabilística para adiar o impacto das contas para exercícios futuro, fazendo alterações às contas já auditadas.
....

Espanto? Nenhum. Não a mim. Mas talvez seja um espanto para quem, a esta altura do campeonato, ainda não tinha percebido com que raça de gente tem o País andado a lidar: gente pouco séria, muito incompetente e, sobretudo, com uma noção muito fluida de conceitos tais como verdade, ética, moral, etc.

Mas há que ver o lado positivo das coisas: saber disto talvez seja o empurrão para a piscina de que alguns eleitores indecisos estivessem à espera para saber que é indispensável correr com os PàFs, essa gente incapaz e ignorante que, nos últimos 4 anos, para além de andar de gatas perante a Europa pretendeu pôr Portugal inteiro de gatas perante a Alemanha, China, Angola, Brasil e por aí fora. Há males que vêm por bem -- digo-vos eu.

.....

Conto-vos a história que Leitor, a quem muito agradeço, me enviou (and pardon my french).



Um milionário promove uma festa numa das suas mansões e, a certa altura, pede que a música pare e diz, olhando para a piscina onde cria crocodilos australianos: 
Quem saltar para a piscina, conseguir atravessá-la e sair vivo do outro lado ganhará todos os meus carros. Alguém se habilita?
Espantados, os convidados permanecem em silêncio e o milionário insiste:
Quem se atirar para a piscina, conseguir atravessá-la e sair vivo do outro lado ganhará os meus carros e os meus aviões.
O silêncio impera e, mais uma vez, ele oferece:
Quem saltar para a piscina, conseguir atravessá-la e sair vivo do outro lado ganhará os meus carros, os meus aviões e as minhas mansões.
Neste momento, alguém salta para a piscina...

A cena é impressionante. Luta intensa, o destemido defende-se como pode, segura o boca dos crocodilos com pés e mãos, torce o rabo dos répteis. Muita violência e emoção. Parecia um filme do Crocodilo Dundee! 

Após alguns minutos de terror e pânico, sai o corajoso homem, cheio de arranhões,  hematomas e quase despido.

O milionário aproxima-se, dá-lhe os parabéns e pergunta:
Onde quer que lhe entregue os carros e os aviões?
- Obrigado, mas não quero os seus carros e os seus aviões.

Estranhando a reacção do homem, o milionário pergunta:
E as mansões?
- Eu tenho uma bela casa, não preciso das suas. Pode ficar com elas. Não quero nada que é seu.

Impressionado, o milionário pergunta:
Mas se você não quer nada do que ofereci, o que quer então?
Ao que o homem respondeu, irritado:

- Achar o filho da puta que me empurrou para a piscina!

....    ....   ....    ....

Moral da história?

Somos capazes de realizar muitas coisas que por vezes nós mesmos não acreditamos, basta um empurrãozinho. Um filho da puta, em certos casos, é útil na nossa vida.

...

Cá para mim, a Maria Luís com esta revelação dos números maquilhados, até é capaz de nos ser útil. Talvez assim as pessoas saltem para a piscina e votem capazmente, contra os PàFs.

...

E já agora, meus Caros, desçam até ao post seguinte, para cantarmos em uníssono
'Salta, coelhinho, salta' já que o animal (em pessoa) está, neste momento, à beira do precipício. 

....

1 comentário:

Anónimo disse...

Este povo gosta de levar nos costados – a acreditar nas ditas sondagens. Nada a fazer. Daqui a outros 4 anos de PaF já não iremos eleger um PM, mas escolher um CEO. O País deixará de o ser, para passar a uma qualquer Empresa Privada. Não se espantem! Se a Coligação ganhar o país ficará irreconhecível – social-económica e até politicamente. Mas, o Povo agradece e elevará, posteriormente, o Dr. Passos a PR, como fez com Cavaco. O País está a ficar sinistro? Está! Mas, o Povo gosta e assim quer. Nunca haverá escândalo, maus tratos sociais, etc, que abale a crença e a fé deste magnífico Povo neste não menos extraordinário governo! Bem-haja o Povo!
P.Rufino