Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

domingo, maio 31, 2015

Quase voar [4º post de 4]


Manhã de passeio pela beira do rio. No elevador da Boca do Vento mais um valente (ou maluco...?) preparava-se para se atirar. Volta e meia é isto.


Bungee jumping na Boca do Vento sobre o Ginjal





No outro dia, já nem sei se era a propósito disto, a minha filha dizia que uma coisa qualquer haveria de ser boa para mim, já que eu gostava tanto de voar.
E gostava mesmo. E sonho. E tenho tal e qual a sensação de voar, deixo-me ao sabor do vento, a planar, mudo de direcção, sinto o vento. Mas uma coisa é voar e outra é cair a pique, uma pessoa despenhar-se, que é o que acontece com isto do bungee jumping

Geralmente, quando se atiram, os corajosos gritam como uns capados, gritos lancinantes de quem sente o terror e não tem como fugir dele. Mas este não. Atirou-se com suavidade, discreto, o rio tão azul quase a seus pés, e ele a balouçar-se em silêncio. Deve ter sido bom, deve ter aproveitado melhor do que os que gritam desesperadamente.




Fiquei a vê-lo e a fotografá-lo até que o cabo se imobilizou e ele foi descido até a terra firme. 




Muito corajoso e muito sóbrio. Nunca tinha visto uma coisa assim, parecia um anjo negro silencioso.

Lá em baixo um gato escondia-se do sol, negro, olhos cheios de luz, e igualmente silencioso.




Este é um lugar abençoado, onde se podem esconder os que procuram a sombra e o silêncio, onde podem voar os que querem sentir o que sentem os anjos que voam sobre o mar, onde eu posso andar, transparente, invisível, aspirando a maresia e sentindo os outros seres invisíveis, feitos de palavras, que andam junto a mim, dentro de mim.

....

Lá em cima, de Erik Satie a Gnossienne No.4

...

Sem comentários: