Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

quinta-feira, fevereiro 19, 2015

Os belos jardins do Palácio de Cristal e a magnífica vista que de lá se tem - Ainda o Porto [Post 1 de 5 ]


O tempo é escasso, vejo-o em contagem decrescente. Quando venho, trago ideia de ir descobrir sítios novos. Mas, depois, há locais irresistíveis. Ou seja, acabo por não ir tão à descoberta quanto inicialmente tinha em mente para conseguir revisitar os lugares de sempre. E, portanto, a visita ao Porto não poderia deixar de incluir uma ida aos jardins do Palácio de Cristal. Não apenas tem recantos lindos como de lá se tem uma assombrosa vista do Porto. Parece que não consigo sair da cidade sem voltar a ter dentro de mim a beleza que os meus olhos colhem quando por aqui passeio.


A elegante Ponte da Arrábida


Não sei fazer a legenda das fotografias abaixo mas, seja qual for a igreja ou os edifícios que se vêem à beira Douro, a beleza é a mesma.


Igreja de Corpo Santo de Massarelos, segundo indicação do Carlos Azevedo em comentário aqui abaixo.
Fica no Largo do Adro, junto à Rua da Restauração.










Desta vez fiquei espantada: imensos jovens. Grupos almoçando, pares namorando, outros conversando ao sol. Os jardins são mais bonitos se tiverem pessoas dentro. São tristes os jardins cujas árvores crescem em silêncio sem que nenhum olhar as acaricie.

Quando estava a fotografar o rio e as belas casas que se ajeitam ao sol até chegarem à margem, ouvi risos que vinham de baixo. Espreitei. Então descobri um jardim em que nunca tinha reparado, o Jardim dos Sentimentos. É capaz de ser recente pois vejo árvores pequenas e plantas ainda pequenas, devem ter sido plantadas há pouco tempo. Em cada canteiro uma planta e a cada planta um sentimento associado.

Ao fundo, no canteiro da Dor, uma bela escultura, justamente a Dor, de Teixeira Lopes. Não me parecia que a mulher estivesse em sofrimento, talvez mais em êxtase mas, enfim, não discuto.




Embora haja muitos turistas na cidade, aqui não vi nenhum - o que significa que há zonas que são pouco divulgadas, e esta é uma delas. Se por um lado é bom pois o recato é um bem precioso quando se está num jardim, a verdade é que há vantagens de todo o tipo na atracção de turismo estrangeiro e quantos mais os pólos de interesse, melhor.

Mas, se não encontrei aqui um único turista, em contrapartida tive uma visão: montes de gaivotas, grande parte delas armada em pato. O lago grande estava cheio delas, deslizando como cisnes. Desforrei-me junto do meu marido, então há ou não gaivotas por todo o lado? Pois, que sim, que as gaivotas se passaram. Digo-vos: por todo o lado. Parece que desistiram de andar no mar, que adoptaram a cidade, que acham que os lagos são o mar e os grandes edifícios as altas escarpas.



Não conseguia era descobrir os pavões. Andei a espreitar atrás de canteiros, nos recantos mais abrigados. Nada. Pensei, mas querem lá ver que as gaivotas expulsaram os pavões... Às tantas andam eles agora pela beira do rio.

Mas não. Já me vinha embora quando os vi à sombra, lindos, lindos. Se as gaivotas são aqui um ser de outro lugar, os pavões parecem seres do outro mundo.



....

7 comentários:

Carlos Azevedo disse...

É a Igreja do Corpo Santo de Massarelos. Fica no Largo do Adro, junto à Rua da Restauração. Matei saudades do meu Porto com todas estas fotos (ou será que é exactamente o oposto?).

Um Jeito Manso disse...

Olá Carlos, bom dia,

Já lá coloquei a legenda. Obrigada. Lindíssima cidade a sua.

Um abraço.

Anónimo disse...

UJM, você fez uma reportagem e pêras, do Porto, essa bela cidade do Norte! Aqui há uns 2 meses, quando lá estive, em trabalho, deu-me para fazer um passeio a pé, da Ribeira até Matosinhos, onde me encontrei com amigos para jantar um bom peixinho (era um Sábado). Depois, não aceitei a amável boleia e fui dali, Matosinhos, até ao cimo da Av. da Boavista. Dois longos passeios que fiz sem me cansar e me divertiram.
E estive também no Parque da cidade, no Domingo seguinte, a tomar, na esplanada com amigos, uma bebida.
P.Rufino

Carlos Azevedo disse...

Bom dia, UJM,
Ora essa; de nada. De facto, é lindíssima. Ainda bem que está a aproveitar bem os dias por aí.
Um abraço.

Anónimo disse...

Estou extasiada com a sua 'reportagem'. Muito bem conseguida, digna de figurar numa boa revista de turismo/viagens.
Obrigada por tratar assim o meu Porto. Venha sempre :-)
E os meus parabéns pelo seu maravilhoso blog que me habituei a visitar todos os dias.
Lurdes

Um Jeito Manso disse...

Olá Lurdes, bom dia,

Muito obrigada pelas suas palavras. A sua cidade é magnífica e o meu receio era não conseguir captar a sua beleza. Por isso fio contente por ter gostado.

Agradeço também a sua companhia, aí desse lado.

Um bom fim-de-semana!

Um Jeito Manso disse...

P. Rufino,

Que bela caminhada fez! Eu na 4ª feira fiz cerca de 8 kms. Mas os motivos de interesse são tantos que o prazer não deixa que se sinta qualquer cansaço.

Um abraço.