Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

quarta-feira, novembro 26, 2014

Sócrates e as suas personas






A noite passada dormi mal e, durante o dia, por mais do que uma vez, me senti profundamente triste. Ver um homem que já teve tanto poder, um homem orgulhoso, batalhador, agora assim, exposto como um animal aprisionado, vê-lo num carro da polícia ou com um saco de plástico na mão, cercado de polícias, parece-me de uma violência excessiva. Não me parece aceitável que se sujeite uma pessoa a tal humilhação. Atentar contra a dignidade de uma pessoa é sempre deplorável e saber de Sócrates nesta situação entristece-me mesmo.

Li há pouco, no Público, um artigo de José António Cerejo (que tenho por jornalista persistente) no qual ele descreve suspeições antigas de que Sócrates facilitava negócios aos amigos na zona da Covilhã, já lá vão quase 20 anos. Estar-se-ia então nos áureos tempos dos grandes investimentos públicos, das facilidades, das euforias. Não me lembro de Sócrates dessa altura. Teria ele trinta e tal anos e olho para as fotografias dele, de então, e não tenho grande ideia. Era Secretário de Estado, vejo na wikipedia. A ser verdade o que Cerejo refere, seria ele, então, um facilitador, alguém bem posicionado que agilizava contactos? 


Oriundo de uma família com posses, neto de um avô muito rico, filho de um arquitecto, Sócrates não precisava de sujar as mãos para ter dinheiro já que ele lhe viria parar às mãos por via da família.

Devo até confessar que, sendo a mãe dele uma mulher com posses, filha de um dos senhores do volfrâmio, me fazia espécie que (agora, infelizmente, sem outros filhos que não este) não pusesse já parte do dinheiro e dos bens em nome do filho. Não percebia que tivesse ele que se endividar quando teria dinheiro que poderia ir herdando ainda em vida da mãe. Mas, enfim, coisas de cada família.


Por isso, também sempre achei que, sendo ele um lutador a favor do desenvolvimento do país, um homem de convicções tão fortes e tendo uma fortuna considerável a herdar, não iria nunca macular a sua reputação a troco de dinheiro.

O que se veio a saber durante a sua governação - os projectos de moradias que assinava, as cadeiras que fez de forma talvez apressada para passar de engenheiro técnico a engenheiro (depois de entre um diploma e outro ter frequentado Direito e Engenharia no ISEL) - tudo me parecia coisa menor, ligeirezas que não aprecio mas às quais fechei os olhos pois entendi como coisa do passado, de uma altura em que se sabia ser isso algo que se fazia a pontapé, sem grandes preocupações morais.
Uma vez um amigo meu muito de direita gozava com o Sócrates e dizia-me que se espantava por eu, de moral tão estrita, não saltar a pés juntos em cima do então primeiro-ministro. Lembro-me de lhe ter respondido que não queria o Sócrates nem para meu marido nem para marido da minha filha (até porque tem idade para ser pai dela) e que, para se ser um bom governante, não tem que ser o nosso melhor amigo ou um candidato ao nosso coração.

Contudo, se, até ele ir para a frente do PS e do Governo, eu mal tinha dado por ele, depois fui ganhando apreço pelo seu desempenho. Não posso dizer que o achei excepcional em todas as áreas mas achei-o francamente bom em várias. Sócrates tinha e tem uma visão de progresso para Portugal e mostra, nas suas opções, ter respeito pela dignidade humana  e, melhor ou pior, andou para a frente, foi à luta, entregou-se de corpo e alma.

Cometeu erros, e como poderia não os cometer se é humano?, mas o primeiro governo foi muito bom. A economia deu um salto no sentido da industrialização, apostou no ensino, apostou e muito na investigação, a ciência e o conhecimento em Portugal passaram a ter grande prestígio, não desprezou a cultura, apostou e ganhou a batalha da modernização administrativa. Conteve o défice e não se atirou para fora de pé no que à dívida pública diz respeito. Infelizmente, a seguir veio a crise financeira internacional que afectou especialmente os países com uma base económica menos robusta, veio a queda da Grécia e, a seguir, a da Irlanda, vieram as indecisões da Europa, veio a instabilidade por ser um governo de minoria cercado por uma união espúria entre a esquerda e a direita - e Sócrates perdeu o pé.

Cercado, acossado, sem qualquer apoio (incluindo por parte de Cavaco Silva), esmagado por insinuações torpes, calúnias permanentes, e querendo resistir, resistir até à última, Sócrates portou-se como um animal feroz, atirou à esquerda e à direita, incompatibilizou-se com jornalistas, comprou guerras. Muitos não lhe perdoaram e fizeram-lhe a vida ainda mais negra.

Até que perdeu a última batalha, perdeu a guerra. Retirou-se, saíu do País. Foi viver com um dos filhos e foi, também ele, estudar. Os que o odiavam não lhe perdoaram. Por algum motivo acharam que ele era um pé rapado, alguém que deveria viver como um pobrezinho, alguém que não teria o direito a viver em Paris, muito menos a estudar Ciências Políticas. Se ele tivesse continuado em Portugal seria espezinhado e, qualquer trabalho que arranjasse, serviria para dizerem que estava feito com a empresa. Ora, afastando-se e indo estudar, já não o poderiam atacar - e, portanto, entretiveram-se a gozá-lo, a desprezá-lo, a desvalorizar o mestrado que fez (e que terminou com a melhor nota naquele domínio), a tentar perceber de onde lhe vinha o dinheiro. 




Ao longo dos anos em que o fui observando no governo, fui achando que ia ganhando maturidade, alargando horizontes, sedimentando uma visão mais sólida e abrangente da vida. Provavelmente ele próprio olhará para esse outro que foi no século passado com algum distanciamento. Contudo, leio que não esquece amigos e, portanto, mantém a amizade aos conterrâneos de juventude.




Ficarei muito triste e desolada se se vier a provar que aceitou dinheiro de que não precisava ou que escondeu dinheiro para não pagar impostos, e tenho esperança de que tudo o que se está a passar não passe de um equívoco ou coisa estúpida de um passado longínquo, quando era imaturo, ainda não homem feito.

Seja como for, enquanto vou ficar à espera que a Justiça seja rápida, justa, humana e que se prove tudo o que houver a provar ou, preferencialmente, que se prove que não há nada, vou ter esperança que os que irracionalmente já se precipitam sobre o que tomam por cinzas de um homem morto caiam em si, percebam a injustiça, a inclemência da sua atitude perante a detenção de José Sócrates, percebam o quão primária e indigna é a sua atitude justicialista perante um homem que ainda nem acusado* foi e que, do que lhe conhecemos, estará longe de ser um homem morto.


.....


* Sobre a questão da pré condenação na praça pública por se admitir que se alguém foi detido é porque alguma coisa há, permito-me transcrever parte de um texto que me chegou às mãos, um texto muito bem fundamentado, escrito por quem sabe do que fala. 

Conviria que alguém reconstituísse a história do Ministério Público no pôs-25 de Abril, de como ele assumiu algumas prerrogativas da polícia política e que prerrogativas são essas. 
Ou de como o DIAP de Lisboa gosta de evocar a sua taxa de sucesso, sempre acima dos 97% de eficácia, esquecendo-se de precisar que essa percentagem se refere ao números de inquéritos sobre os quais se deduz acusação e não ao número de acusações do DIAP de Lisboa que vencem em tribunal judicial: menos de 3% !!!!

E, nem de propósito, pode ler-se no DN, a propósito de Rosário Teixeira, que dirige as investigações do Caso Marquês que:


À volta de Jorge Rosário Teixeira já foram criados quase todos os tipos de mitos: um dos homens mais poderosos do país (chegando a integrar uma lista do Jornal de Negócios), especialista em crime económico, um "monge" que passa os dias e as noites no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), um investigador meticuloso... Porém, o magistrado de 52 anos tem contra si a sempre desconfortável estatística: nos últimos anos, não há memória de uma condenação em tribunal de um processo, sobretudo mediático, por si investigado.

Pois.
________________




O inominável insecto de Kafka.
A barata esmagada de Clarice.
No mar de rosas, a gilete escondida
no sabonete do filme de Ana Carolina.
Tudo tão íntimo assim, insistente
formam o refrão aflitivo
retido dentro do pensamento.
Nunca mais deixa de tocar:
obsessivo obstáculo, moto-perpétuo
inesquecível metamorfose.


________________


E agora, porque preciso de desanuviar, um momento de quase silêncio




___


Lá em cima Leonard Cohen interpreta The Partisan

O poema é Na pedra repetente do poema de Armando Freitas Filho in Relâmpago Nº 34

O bailado é um pas de deux com coreografia de Uwe Scholz numa interpretação de Maiko Oishi e Rémy Fichet sobre Concerto para Piano de Mozart (3º movimento)

___


Desejo-vos, meus Caros Leitores, uma boa quarta-feira.


.....

9 comentários:

irene alves disse...

Minha amiga estou exactamente na mesma
posição que está. Aguardo ansiosamente
pela verdade, mas que seja encontrada
de uma forma ISENTA. Também acredito
que José Sócrates não se deixará
abater facilmente(e a sua ex-mulher que
ontem o visitou na cadeia e Capoula
Santos disseram que ele estava bem
e que pedi livros em francês.Espero/desejo que ele possa
provar tudo, e que o processo não se
arraste, de modo propositado para
influir nas eleições legislativas.
Um bj.
Irene Alves

Anónimo disse...

Caro UJM
Sou um leitor anonimo frequente do seu Blog e que ocasionalmente deixa um ou outro comentário. Gostaria de lhe dizer que os últimos posts e respectivos comentários tem-me deixado preocupado e decepcionado com tudo o que estamos a viver.
Decepcionado porque verifico que de um momento para o outro se radicalizaram posições e se comenta sobre tudo e sobre nada, especialmente do que nada se sabe em concreto. Tenta-se politizar uma situação que é puramente judicial e tenta-se justificar acções sem se conhecer o que na realidade se está a passar. Acaba-se por tentar justificar a vida financeira de José Sócrates, desde os seus avós vejam bem, como se tivessem pleno conhecimento de todos os factos. Tenta-se criar um clima de perseguição politica com fantasmas do passado…. Numa palavra simplesmente ridículo.
Deixa-me também preocupado pois não concordo com o tratamento, em concreto, que a Justiça esta a dar ao cidadão José Sócrates. O direito a um tratamento digno é um direito tanto para o Ex 1 ministro como para qualquer cidadão. Não questiono a necessidade de o irem buscar ao avião nem tão pouco a prisão preventiva. Mas questiono, e devemos exigir justificação, quanto às fugas de informação, quanto ao facto de um cidadão ter estado preso 3 dias até ser interrogado. A pressão psicológica deve ser tremenda, estando no limiar da tortura.
Não sou um defensor do Ex 1º ministro. Considero-o directamente responsável pela grave crise que o país atravessa. Nos seus 2 mandatos à frente do executivo teve projectos bem sucedidos é um facto e reconheço-o, mas na minha óptica, o objectivo primordial de um governante é o de preparar o País para ultrapassar as dificuldades e os desafios constantes da realidade dos nossos dias, e nisto falhou completamente. Pode tentar justificar com o que bem entender, mas o facto é que falhou. Repare que não me estou a referir aos escândalos que o tem perseguido durante a vida política, nem quanto aos elefantes brancos do TGV e do aeroporto.
Isto é um pouco como o menino que chumba de ano por ter tido 3 negativas, mas os pais dizem que não há problema porque nas outras disciplinas teve nota máxima… pouco interessa chumbou… (no meu tempo de miúdo a avaliação era feita assim, hoje em dia já nem sei.…)
Acho, muito sinceramente que devemos dar um passo a trás, respirar fundo, para nos focarmos no que é realmente importante, deixando-nos de radicalismos e partidarismos bacocos. Penso que o nosso País vale este esforço.
Por ultimo noto que com este escândalo todo nem uma única notícia, uma única referência foi feita nas notícias ao dia de ontem. Para que não se lembra, ou para que não se quer lembrar ou anda puramente distraído, ontem foi 25 de Novembro……. A Liberdade que vivemos hoje devemos a este dia. Talvez convêm não esquecer…..

Tété disse...

Olá amiga!Tudo isto também tem mexido comigo.
É certo que a justiça deve intervir sempre que se ultrapassem os princípios base da sensatez contra os próprios princípios, leis e regras, mas a propósito de José Sócrates eu só faço uma pergunta:
E TODOS OS OUTROS?
Os que continuam a pavonear-se por aí, que continuam a viver à sucapa no meio de todas as suas mordomias e QUE NOS ROUBARAM ROUBANDO O PAÍS?
É evidente que se existe presumível fraude, se deve esclarecer, mas porquê deste modo enquanto os outros (que com tudo isto até já se tem falado menos deles)continuam a sua boa vidinha?
Cada vez temo mais pelo futuro dos nossos filhos e netos neste país de que tanto gosto.
Que mais nos irá acontecer?
Abraços
Teresa

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
FIRME disse...

Pronto...Feriram o leão!Vai recuperar,normalmente os ANIMAIS recuperados voltam á natureza...MAIS FORTES ! Os caçadores,tomem cuidado...

Anónimo disse...

A chave é Pinto Monteiro...amigalhaços.
Elvis Presley

Um Jeito Manso disse...

Agradeço a todos mas estas minhas palavras vão em especial para a Teté,

Teté, gostei de sabê-la por aqui. Obrigada. Os tempos estão de cortar à faca e há uns anos não era este o mundo que pensávamos que estávamos a construir para os nosso filhos e netos, pois não?

Mas não podemos desistir senão nem sei onde é que isto vai parar, com tudo a desandar desta maneira.

Beijinhos para si, para a sua família e, em particular, para o seu neto tão lindo!

Anónimo disse...

JS está a ser tratado segundo as regras do Código do Processo Penal aprovado por ele próprio.
Não me ocorre nada que possa ser mais justo que isto.

cumps

Rui SIlva