Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

domingo, agosto 17, 2014

A Calamity Jane à portuguesa curtiu com uma mulher que afinal era um homem. O homem ocidental curtiu com uma tailandesa que afinal tinha sido um homem. Umas vezes, uma anedota, outras Crying Games, borboletas trágicas.


Já não tenho aqui o Expresso comigo, já o deixei em casa dos meus pais. Por isso, só posso falar por alto e de cor de uma história que o Expresso conta. É uma senhora já de provecta idade que, desde cedo, gostou de se vestir como um homem. Agora isso pode parecer normal mas, na altura e na província, não era. Teve um marido que a deixou com três filhos nos braços. A mulher, de quem não me lembro o nome, não se foi abaixo, trabalhando como um homem, cavando a terra com braços fortes.

Calamity Jane
Foi a primeira mulher a ter licença de porte de arma e gosta de caçar. Sempre se sentiu bem sendo como um homem. O Expresso mostra-a sentada, pose masculina, de espingarda a seu lado. Noutra fotografia tem também um copo de vinho. Hoje é taberneira.

Conta que foi uma vez, com uns amigos, sair à noite e, do que percebi, foi parar a um lugar de hábitos licenciosos. Passado um bocado, uma mulher foi sentar-se ao seu colo e começou a desafiá-la. Provavelmente tomou-a por homem. Ela não se atrapalhou e fez a vontade à atrevida: meteu-lhe as mãos saia acima e, a seguir, casal bem disposto, foram dançar.

No dia seguinte, na terra já tudo se sabia. Foram ter com ela e disseram que já corria que ela tinha andado a dançar com uma mulher. Ela respondeu: 'Mulher? Não. Era um homem que eu bem vi quando lhe meti a mão.'

Lamentavelmente não me lembro do nome da senhora nem da terra onde vive mas tenho ideia que o Expresso, muito justamente, a trata por Calamity Jane.


Uma bela figura (estupidamente não fotografei as páginas do Expresso em que ela aparece pelo que não tenho como trazê-la aqui em pessoa).


___


Pois, nem de propósito, recebi por mail a seguinte história que traduzi na íntegra:


Uma história de amor tailandesa


Um homem estava na cama com a sua nova namorada tailandesanum hotel no resort tailandês de Hhuket.

Depois de uma formidável sessão de sexo, ela passou a hora seguinte a mexer-lhe nos testículos...era uma coisa que ela adorava fazer.

Como ele também estava a gostar, voltou-se e perguntou-lhe: 'Porque é que gostas tanto de fazer isso?'

'Porque', respodeu ela, 'Sinto muito a falta dos meus...'
                                      .


[Confesse: com esta história até ficou com uma lagrimita no canto do olho, não ficou...?]

___


E, por falar em lágrimas, aqui vos deixo a cena fatal de The Crying Game, um filme altamente recomendável (nada para a paródia).





__


E, claro, M.Butterfly, igualmente muito recomendável e, igualmente, nada para a paródia.




___

Cenas.

_
.

1 comentário:

bob marley disse...

estes gajos já se viam gregos para definir o que é o Amor - http://www.educ.fc.ul.pt/docentes/opombo/hfe/protagoras2/links/O_banquete.pdf