Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

domingo, julho 20, 2014

O primeiro bezúlico


No post abaixo já vos contei da minha experiência televisiva enquanto escrevia - uma coisa do mais instrutivo que há - e, a seguir, passei de celebridades que falam sobre a colecção Chanel outono/inverno para a próxima saison para o Nelo a falar sobre moda com o Zé Carlos enquanto a Idália, tadinha, disfarça para a mãe não perceber do que a casa gasta.

Mas isso é a seguir. Aqui, agora, a conversa é outra.

Na TVI agora está a dar a Proposta Indecente. Vá lá. Aos anos que vi este filme. Redford cheio de charme, a Demi Moore, fresca e sensual. O vestido está à venda, eu não - acaba ela de dizer ao John Gage que lhe quer oferecer um vestido. Ele ri-se, sabe que o dinheiro tem muita força.


Tempo de sedução, portanto.

E, quem diz sedução, diz beijos. Ou vontade de os dar, que vai quase dar à mesma coisa.

Volto, então, à cena do primeiro beijo. 

Bem, desta vez não é bem um beijo. É a uma coisa que adoro fazer na barriga dos outros. Não de quaisquer outros, claro. Dos bebés, por exemplo. Dos meus pimentinhas. Do meu marido, vá lá - confesso, se ele não desconfiar e não correr comigo antes.

Tal como nos outros filmes, aqui a cena é também: Pedimos a 20 estranhos que dessem um raspberry. Não fazia ideia de que chamavam um raspberry a isto. Eu cá inventei um nome e pegou. Na família, agora toda a gente diz assim. As crianças são umas vítimas, todas as mulheres das famílias os querem encher de bezúlicos.

Até eles já fazem uns aos outros. Melhor: a pimentinha mais linda faz, em especial na barriga do mano-bebé. Dá-me ideia que isto de dar bezúlicos é uma coisa mais feminina.

Estou nisto e a ver o filme. O cerco está a apertar-se, o vestido já foi entregue no quarto, mas é um presente que vem com uma enorme carga de conquista, Diane começa a perceber que a coisa se está a complicar, apenas o marido continua na inocência, o costume. 
Filho da mãe do John Gage. Que homem com mais pinta. Como é que se consegue resistir a uma coisa assim? Prefiro-o como Denys Finch Hatton ou como Tom Booker mas, what the hell, aqui também não está mau de todo.

Ok, voltemos lá, então, aos bezúlicos. Claro que isto do First Raspberry é uma paródia aos vídeos da Tatia Pllieva e é da autoria de alguém que se intitula 'Simply Unemployable'. 


Adoro estas cenas que revelam um saudável sentido de humor (e, mesmo que não seja muito saudável, muitas vezes também - ... que hei-de eu fazer?)

Aquela que tira primeiro a bolinha de cotão do umbigo do outro é o máximo. E a outra que se desata a rir quando vê a barriga cabeluda do homem...? E o que fica a abrir e fechar a boca como um peixe fora de água...? Dá ideia que está a ganhar coragem... mas não consegue, aquilo não desenvolve. O que eu me fartei de rir.

[E que bezúlicos mais sem jeito que por ali há. Haviam de ver os meus, fofos e cocegantes...]


FIRST RASPBERRY (FIRST KISS PARODY)






__


Relembro: se não se importam, continuem até ao post seguinte (ou até ao outro e ao outro e ao outro)

-

Volto aqui já quase à hora de almoço de domingo e antes de ir limpar o pó e tirar teias de aranha dos cantos (que isto, parece que basta apanharem-nos fora por uns dias, a bicharada deste tipo invade logo a casa. Aranhas e bichos de conta aos cantinhos junto às portas é uma verdadeira comunidade), apenas para vos desejar um bom dia.

Ontem à noite ainda tencionava escrever mais qualquer coisa mas deixei-me estar a rever o filme até ao fim e depois não era às duas e tal que ia começar qualquer coisa.

Por isso, é agora: desejo-vos, meus Caros Leitores um belo dia de domingo!


.

Sem comentários: