Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

sexta-feira, junho 13, 2014

Leva-me nos teus braços, leva-me, e deixa-me levar-te comigo. Uma pequena gota de veneno que a minha virtude é fácil. Hora de Tango no Um Jeito Manso.


Capítulo 3. Hoje o dia no Um Jeito Manso é dia anti-'futebol-a-toda-a-hora'. Começou, no Capítulo 1 com perfume, moda e um ou outro salpiquinho de malícia, coisinha só para dar um cheirinho, prosseguiu no Capítulo 2 com a horinha gay (no masculino e no feminino) e, agora, aqui chegados ao Capítulo 3, é hora das mulheres irem para os braços dos homens para que possam fazer deles o que quiserem. Tango, portanto.

É sensação que não conheço tal como a imagino. Já aqui me lastimei muitas vezes: só dou com pés de chumbo. Mas ainda não desisti, nem que um dia ainda tenha que contratar um bailarino profissional. Não sei é se, nesse caso, não deveria ir ter umas aulinhas antes, não fosse o homem querer fazer-me rodopiar, vergar-me, levantar-me no ar e sei lá que mais e eu pregada ao chão, incapaz de perceber o que ele pretende, cheia de medo não vá ele deixar-me cair. Tenho que pensar bem no assunto.

Entretanto - e enquanto vejo na televisão as reportagens dos protestos no Brasil, gás lacrimogéneo ou lá o que é mesmo em cheio na cara de um manifestante,  e mais a conferência de imprensa do João Moutinho em Campinas e, ainda, o delírio popular perante São Ronaldo, as mulheres arrepelando-se e querendo tocar o corpo de tão sublime criatura, e agora um sujeito alemão com um penteadinho que me faz duvidar se não pertencerá ao sindicato do Adão ali de baixo, é capaz de ser o treinador da Alemanha - vou aprendendo os passos do tango. Parece fácil. O segredo está em escolher um par a preceito, já percebi. 


Ora, então, vamos lá ver como é ou, para quem tenha aí por perto alguém com leveza nos pés e asas nos braços, vamos lá praticar.


Primeira Aula - coisa menos exigente
(Mas não se deixem enganar pela ligeireza das minhas palavras...
Reparem bem na beleza das imagens - e na canção em si!)

Tom Waits destila uma Little drop of poison, um sensual requebro de paixão.



*

Segunda Aula - Uns passos já mais arrojados

(Atenção ao vídeo, fantástico, e atenção à expressão facial dos participantes, sobretudo à de Colin Firth]

Virtude fácil

[Easy Virtue - Colin Firth e Jessica Biel; música: Asi se baila el tango]



**


Amanhã (que para mim é dia feriado) vou ver se arranjo tempo para traduzir um artigo muito interessante que li sobre a vigilância que é feita sobre o que se passa na internet (mails, acessos, etc) e qual o tipo de pessoas que é contratado para trabalhar nisto. Posso dizer-vos que me surpreendeu e, por isso, quero partilhar convosco. Não o coloco já aqui pois admito que alguns dos meus Leitores não sejam fluentes em língua inglesa.

:::::


[Isto nos blogues, vai-se de cima para baixo.
Por isso, para continuarem numa de qualquer coisa desde que não seja futebol, desçam, por favor.
A seguir a este Capítulo 3 vem o Capítulo 2 e depois o 1].

:::::

Hoje é mais cedo, ainda nem é 1 da manhã mas eu estou perdida de sono. O calor amolece-me. Vou ver se leio um bocado mas temo bem que nem isso.

Tenham, meus Caros Leitores, um bom dia de Sto António!

*

7 comentários:

Helena Sacadura Cabral disse...

Cara UJM
Diz-lhe quem sabe.
Dançar o tango com o homem certo é uma parcela de paraíso... e uma estupenda manifestação de sensualidade!

Tété disse...

Tá, bora lá aprender com quem sabe?
Se resolver aderir me liga, T(t)á?
Abraços

Um Jeito Manso disse...

Acredito que sim, Helena, acredito que sim... Desde que vi o Al Pacino, ceguinho, a pegar numa jovem e a conduzi-la como um cavalheiro deve saber conduzir uma lady, aspirando o seu perfume de mulher, que fiquei com vontade de que alguém soubesse fazer o mesmo comigo. Mas não tenho tido sorte. O meu marido não dança, diz que joga futebol. Ainda tentei industriar o meu filho mas nisso saíu igual ao pai. Nada, não dou sorte com dançarinos...

Mas ainda não desisti.

Um abraço!

Um Jeito Manso disse...

Acredito que sim, Helena, acredito que sim... Desde que vi o Al Pacino, ceguinho, a pegar numa jovem e a conduzi-la como um cavalheiro deve saber conduzir uma lady, aspirando o seu perfume de mulher, que fiquei com vontade de que alguém soubesse fazer o mesmo comigo. Mas não tenho tido sorte. O meu marido não dança, diz que joga futebol. Ainda tentei industriar o meu filho mas nisso saíu igual ao pai. Nada, não dou sorte com dançarinos...

Mas ainda não desisti.

Um abraço!

Um Jeito Manso disse...

Olá Teté,

A minha filha houve uma altura em que me andava a desafiar. Danças de salão. Mas não me estou a ver nisso, a aprender técnicas. Eu queria mesmo é que um cavalheiro altamente dotado pegasse em mim e me conduzisse, me pusesse a dançar como se estivesse na tal parcela de paraíso de que a Helena fala acima. Acho que isso é que teria graça.

Mas, enfim, se calhar tenho que me contentar em, um dia, ir treinar com algum coxo que ande também nas danças de salaõ.

'Coxo' em sentido figurado, claro.

Um abraço, Teté!

lidiasantos almeida sousa disse...

Vou enviar-lhe uma colagem a dançar o tango ou a dança apache com o belo RUFINO desaparecido da circulação.

Há coisas que nunca esquecem como seja dançar, andar de bic e coiso e tal., pecebe? A Lily que já não é Caneças já está em Los Angeles em poisio. Esqueceu-se que milhões de burras e loiras, desculpe Alice porque não é nada burra, estão lá estacionadas à espera do nunca mais chega porque passou o tempo. esse inimigo das mulheres, que nem com o botox e outras iguarias volta a ser como era. Estou mesmo contagiada pelo ALFORRECA e pelo seu arqui inimigo PORTAS, que o anda a comer com a TOUPEIRA,Metaforicamente é claro PECEBE?

Um Jeito Manso disse...

Lídia, mulher de Deus, que me deixa atónita.

A que toupeira se refere? tenho andado para aí a ler umas coisas sobre uma certa toupeira que anda, nos bastidores, a mexer os cordelinhos e não sei a quem se referem.

Quanto à Lily, acho-a uma personagem e tanto. O panorama nacional precisa de figuras carismáticas assim para compor o ramalhete nacional.

De resto, Lídia, tem que ser mais explícita para que os leigos na matéria, como eu, percebam o alcance das suas afirmações.

Vá, faça lá revelações escladantes para ver se a gente se anima...!