Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

domingo, maio 04, 2014

Casa Frazão e Chapelaria Lord - o charme discreto da moda na Baixa Pombalina. Lisboa, feminina e bela, cidade de muitos e intemporais encantos. E eu, a minha mãe e a minha filha a propósito de uma conversa sobre costura.






Quando eu era menina e moça, o pronto-a-vestir era pré-Zara e, portanto, incipiente. Havia a Maçã da Ana Salazar na Avenida de Roma que trazia umas roupas engraçadas de Londres, havia os Porfírios na Baixa (uma das minhas preferidas), apareceu a Lanidor com umas coisas diferentes, tenho ideia que sobretudo malhas, e uma ou outra casa mas coisa sem grande variedade. Claro que havia outras destinadas a outra faixa etária mas estou a recordar aquelas onde eu encontrava roupa do meu agrado. De qualquer forma, a oferta, quando comparada com a realidade actual, era escassa.

Era, pois, ainda o tempo das modistas.

Já em tempos falei da Vizinha Modista que eu gostava de ver a trabalhar mas que, regra geral, não fazia a minha roupa. Tinha uma clientela fixa que a enchia de trabalho ao longo de todo o ano - a senhora do Sr. Director, a Senhora Condessa e as filhas que eram muitas e tinham catrefadas de filhos e por aí fora. 

Onde eu e a minha mãe íamos regularmente era à Bia, uma senhora solteira que vivia com uma tia acamada que eu por vezes ouvia gemer, e com o irmão igualmente solteiro, um marau muito conhecido e que, ao fim de semana, tripulava o iate daquele tal bon vivant de cuja filha, a arquitecta, falei aqui no outro dia, e do irmão dele, outro que tal, que, sendo casado, tinha uma senhora 'por conta' numa casa perto da minha. O que se passava a bordo daquele iate contava a Bia à minha mãe em segredos de que eu não apanhava nem metade. Mas, pelos risos, pelas expressões delas, eu percebia que devia ser coisa do domínio do interdito. Mais tarde, quando conheci pessoalmente o tal, e sendo a minha secretária amiga da secretária e amante dele, voltei a ouvir falar dos regabofes a bordo do dito barco. A minha secretária, a convite da amiga, chegou a ir passar pelo menos um dia a bordo e jurou para nunca mais, não se sentia à vontade, tudo nu, a maior desbunda. Mas adiante que esse não é hoje o tema.

A Bia era uma mulher admirável.

Era ela que geria a casa, com o extravagante irmão sempre a armar as dele e com a tia com o corpo já em chaga e, apesar disso, sempre a vi disponível, bem disposta, pronta para a conversa.

Era de um profissionalismo notável, nunca se atrasava face ao que se comprometia e tudo estava sempre perfeito.

Quando íamos buscar as peças lá estava tudo pronto a trazer, muito engomado, muito bem acabado, como a minha mãe costumava dizer.

Mas o que recordo sobretudo eram as sessões para decisão dos modelos, ou a vermos nas revistas que ela lá tinha ou nas que a minha mãe levava ou em desenhos que eu fazia. Uns calções curtinhos, uma blusinha de malha com as mangas feitas no mesmo tecido que os calções, um vestido de alças, decotado, com uns franzidos abaixo do peito, um casaco comprido cintado com meio cintinho atrás em veludo, gola e botões forrados no mesmo veludo, coisas assim, e ela tirava medidas que assentava num caderninho, e estudava o tecido, via a melhor forma de o aproveitar e, no fim, juntamente com as peças acabadas vinha sempre um rolo com o resto do tecido (a minha mãe tinha para lá sacos com restos e restos de tecidos). E quando eram as provas, ela marcava as pinças directamente no corpo, e, à medida que o peito me ia crescendo, ela fazia pinças de lado, pinças de baixo, de forma a que a peça ficasse justa no corpo mas com folga para acomodar o peito e ela ia mostrando a admiração pela evolução do meu corpo e eu toda vaidosa com umas maminhas já tão pronunciadas. Naquela altura não parecia possível que se pudesse vestir um vestido que caísse bem sem que tivesse havido todo aquele trabalho de construção em volta do corpo.

O que não havia de lojas de pronto-a-vestir, havia em lojas de tecidos. Muitas mesmo. Sempre gostei muito de escolher tecidos. Uma tentação. Revirar aqueles rolos de tecido, puxar, desdobrar. Todo um ritual. E os tafetás para os forros, ora no mesmo tom, para que nem se desse por ele, ora, numa de arrojo, num tom forte, contrastante, a minha mãe mais conservadora, eu já a puxar para a diferença.

De todas as casas onde íamos, aquela onde quase invariavelmente acabávamos era na Casa Frazão. Tenho ideia que, sempre que havia casório ou acontecimento especial, então era quase inevitável. A minha mãe descrevia o que tinha em mente e os empregados começavam a encher o balcão de sedas, brocados, fazendas, algodões, rendas, um delírio de sumptuosidade e fantasia.

Mais tarde começou a minha mãe, ela própria, a fazer alguma costura, vestidinhos para a minha filha. Em miúda, a minha avó tinha-a posto a aprender costura nas férias e ela gostou. Depois não ousou aventurar-se, naquela altura era um bocado receosa de não se sair bem, mas os instintos de avó levaram-na a ultrapassar as barreiras da insegurança e das mãos dela saíram vestidos lindos. Hoje apenas faz arranjos, já não se justifica costurar, há tanta oferta e a preços tão acessíveis. Em contrapartida, faz imenso tricot.

Ou seja, lembro-me de ir com ela e já com a minha filha para escolhermos tecidos na Casa Frazão. Um dos que melhor me lembro, foi para o casamento de uns cunhados meus, em que ela ia ser a menina das alianças, ela e o meu filho. O vestidinho ficou uma graça, rodado, o tecido era uma maravilha, em branco, rosa e uns toques de alfazema muito claro. Depois tinha uma faixa que dava um laço de pontas compridas, atrás, em cor de rosa muito claro, o mesmo tom do cor de rosa do tecido do vestido, e uma gola larga plissada, uma espécie de folho em volta do pescoço no mesmo cor de rosa, num tecido muito fininho. Uma bonequinha vaidosa com uns sapatinhos a condizer.

Pois bem, a Casa Frazão tem resistido a tudo e, numa Baixa invadida por tudo o que é cadeia de pronto a vestir, ali está ela, com tecidos para todos os gostos, a tentação de sempre. De 1933 até aos dias de hoje.


As fotografias que aqui mostro com tecidos são todas de lá. Tanto crochet, tricot e tapetes que tenho feito e nunca me deu para a costura e, no entanto, quando passo por estas montras dá-me sempre vontade de experimentar.

E depois há os chapéus. Mostro a fotografia da montra da Chapelaria Lord, uma perdição (até para fotografar, não apenas os chapéus em si mas, também, as pessoas que por lá param)


Quando essa minha cunhada se casou, resolveu à última hora que toda a gente haveria de ir com chapéus extravagantes. As outras cunhadas e primas, montes delas, e amigas, quase todas ou solteiras e estudantes ou recém-casadas e com empregos relativamente folgados, conseguiram desembaraçar-se, tenho ideia que grande parte com chapéus alugados, já não me lembro bem, cada chapéu mais extraordinário que os outros. Mas eu, a trabalhar de sol a sol e com duas crianças pequenas, não consegui arranjar tempo para isso. Então, para não ir a destoar sem nada, comprei umas tiras de tule, em preto para mim e em cor de rosa claro para a minha filha, e, no meu, cosi lantejoulas pretas bem brilhantes. A minha filha - que deveria ter uns sete anos - usou o tule como uma bandelete com um big laço um pouco de lado, ficava giríssima, o vestido que a minha mãe lhe tinha feito e aquele grande laço tufado no cabelo, e eu apanhei a parte de cima do meu cabelo atrás e fiz um laço enorme, ficava quase como um pequeno chapéu com brilhos. O resto do cabelo, que era bem comprido na altura, ia caído. O vestido tinha cores e brilhantes sobre fundo preto e, portanto, aquele tufo espampanante no cabelo, ficava o máximo.

Lembrei-me de falar disto ao rever as fotografias que fiz no 25 de Abril.

Lisboa é uma cidade linda, com tantas coisas fantásticas. Nas fotografias das montras conseguem ver-se os prédios, tão bonitos, e o movimento nas ruas, tanta gente, tanta diversidade.

Claro que nesta mesma Baixa lisboeta já não existem a Casa Africana, a Lanalgo e essas grandes lojas de outros tempos mas algumas têm conseguido resistir ao tempo e é assim que, entre as Zaras, Bershkas, Mangos e etc, ainda subsistam a Casa Frazão, a Chapelaria Lord e outras como a Betesga (acho que nunca encontrei lá nada que me agradasse mas a verdade é que se aguenta) ou uma das melhores, a Loja das Meias.


A Loja das Meias, em que uma das montras pode ser vista aqui à esquerda, sempre foi uma loja com uma moda que se destacava pela modernidade. As novas tendências e uma certa mundanidade sempre se apresentaram espelhadas nas peças à venda na Loja das Meias. Claro que é uma loja cara mas é curioso como o espírito e aquele toque refinado sempre se mantiveram. A loja que eu, sendo já adulta, sempre me deu mais jeito frequentar foi a do Castil - e, quando digo frequentar, não quero dizer como consumidora assídua pois os preços upa-upa. Mas gostava de por lá passar para ver em que paravam as modas e de estar atenta às promoções e saldos pois aí as coisas já ficavam mais acessíveis. Agora já não me fica tanto em caminho, já pouco lá vou.

...

Distraí-me, pus-me aqui na palheta e nem dei conta de como o texto já ia longo. Paro já, não vos maço mais. Sorry.

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::


Agradecendo ao Leitor BM que me deu hoje a conhecer este prodígio, mostro-vos ainda um vídeo com a fabulosa Angelina Jordan, 7 anos (7!), interpretando Fly to the moon com um swing como se tivesse 40.







Quase nem dá para acreditar que esta voz venha de uma criança.

_____


A música no início do post apresenta Natalia Lafourcade (com a participação de Rodrigo Amarante) interpretando Azul



::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::


Gostava que não se fossem já embora. Descendo um pouco mais poderão ver o último vídeo do Cine Povero e podem crer que não se vão arrepender. 


::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::


E, assim sendo, por aqui me fico por agora.

É Dia da Mãe mas a este dia, então, é que não dou importância: há algum dia em que, para uma mãe, não seja dia da mãe? E para uma filha, a mesma coisa: há algum dia em que se dê menos importância à sua mãe do que no 'dia de'? Portanto, não é dia que me mereça, até ver, referência especial. Mas para todos - filhos, filhas, mães ou mulheres sem filhos ou que já os tiveram e a quem a vida os levou, ou pais ou que gostariam de ser ou que já foram - um belo domingo! 

...

Sem comentários: