Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

sexta-feira, fevereiro 21, 2014

Daria o seu casaco a Johannes? [O frio das crianças na Síria. Na Síria e em todos os países a ferro e fogo. Sacrificaremos o nosso conforto para, de alguma forma, os ajudarmos?]


No post abaixo, dou conta do aviso de Eduardo Lourenço nas Correntes d'Escritas: os vampiros saíram dos filmes para nos virem sugar o sangue. A coisa é séria.

Desçam por favor, para saberem das suas avisadas palavras.

*



Mas agora, aqui, a conversa é outra. Aqui fala-se de crianças. De crianças com frio em ambientes de guerra. 

Aqui fala-se de solidariedade.

Veja por favor este filme que me foi enviado por um Leitor a quem muito agradeço.






O que faria se visse uma criança cheia de frio?


Alguém colocou uma câmara escondida e pediu a Johannes, um pequeno actor, para ficar numa paragem de autocarro em Oslo, Noruega. 

O filme foi feito para chamar a atenção para a situação das crianças na Síria e para angariar fundos para as SOS Children's Villages. As crianças na Síria estão cheias de frio - envie um SMS e um casaco.


*

Desçam agora, por favor, se querem conhecer as sábias palavras de Eduardo Lourenço.

1 comentário:

Anónimo disse...

UJM,
Independentemente do regime actual Sírio, que não nos merece qualquer respeito, não esqueçamos que os EUA nunca perdoaram ao regime Sírio o facto de o seu petróleo de se encontrar firmemente nas mãos do governo, ou seja, do Estado Sírio e nunca ter sido privatizado, quer total, quer parcialmente, com isso impedindo que as grandes companhias norte-americanas petrolíferas pudessem deter e explorar aqueles recurso energético.
Há situações políticas bem piores em alguns países africanos, todavia, como não têm petróleo e outros recursos naturais importantes, o Ocidente (EUA e Europa) pouco ou nada fazem para ali intervir, ou tentar encontrar uma qualquer solução política.
P.Rufino