Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

domingo, janeiro 26, 2014

Sai Valérie. Deve estar para entrar Julie. Provavelmente até que uma mais jovem e mais gira entre em cena. Hollande é um garanhão (na sua vida pessoal). Pena é que, como político e estadista, não passe de um frangote. [Post actualizado com uma surpreendente fotografia]


No post abaixo estive a falar de um assunto que me deixa muito preocupada. Quanto mais sei, mais apreensiva fico. Parece um pesadelo. 

Preciso de me descontrair, aquilo deixa-me nervosa.

*




Falemos então de um garanhão por quem todas as beldades que dele se acercam rasgam as vestes. Nunca se quis casar, não gosta de se sentir preso, atrai as mais belas mulheres, deixa-as loucas, e parece insaciável.

Pequenino, fisicamente sem nada de especial, tem um je ne sais quoi que as deixa de cabeça perdida.


Consta que gosta de contar anedotas, que tem uma para cada ocasião - e é capaz de ser isso, sempre ouvi dizer que o humor é um infalível afrodisíaco.

A verdade é que os factos falam por si: François Hollande vai trocando as companheiras por outras mais novas e mais bonitas, portando-se como um adolescente apaixonado.

Depois de todo o escândalo das escapadinhas estampado nas capas de jornais e revistas, a bela e tempestuosa Valérie - furiosa por toda a França ficar a saber que afinal havia outra e que ela, de Primeira-Dama, tinha passado a Primeira-Cornuda - num ataque de fúria, partiu literalmente a louça e destruíu a mobília no Palácio Presidencial. 



(Como Hollande é um afortunado e um bailarino, conseguiu escapar ileso - e não apareceu com uma ferida na testa para toda a gente se ficar a rir ainda mais).


Depois a quase-ex-Primeira-Dama (que pouco tempo antes tinha contribuido para que Ségolène tivesse ido de vela) foi mediaticamente internada para recuperar de um fanico severo, e agora, end of story, foi oficialmente posta fora de cena.

Ou seja, Hollande comunicou aquilo que toda a gente esperava: Dou assim a saber que pus fim à vida comum que partilhava com Valérie Trierweiler. O garanhão soma e segue.





A rainha morreu. Viva a rainha!



Aquele Eliseu é palco de todas as histórias, intrigas, loucuras, traições, arrebatamentos. Resta agora saber quando Julie vai tomar posse.

Depois de Carla Bruni, com Valérie de permeio, o Eliseu voltará a testemunhar a glória do glamour e do sex-appeal com a tentadora Julie Gayet a circular no palácio. 


A imprensa rejubila, as revistas cor de rosa sentem a caixa registadora a tilintar.

Enquanto isto, a França e toda a Europa tentam digerir a guinada à direita do pequeno Hollande.

O touro, fora dos braços das beldades, não passa afinal de pobre frangote.

Temos pena - e desta vez temos mesmo pena. A sério. (Refiro-me, claro, à questão política porque a questão amorosa é lá com eles).


**

Sobre as praxes e, em especial, se quiserem ver o vídeo com uma boa reportagem sobre o assunto, desçam, por favor, até ao post seguinte.

**

Hoje tinha tantas coisas para falar mas andei no folguedo até às tantas, cheguei a casa tarde, depois pus-me a ver as maravilhosas séries 'O Fim de uma Época' e 'Downton Abbey' e ainda a ver se conseguia espreitar o Expresso e agora já passa das 3 da manhã e já não consigo escrever mais nada (...nem comentar e agradecer os comentários...)

**

Desejo-vos, meus Caros Leitores, um belo domingo. 

10 comentários:

Anónimo disse...

E não é que o pobre velho rapaz está a sofrer uma desilusão amorosa com a medusa, mulher mais linda e ardente nunca antes uma dessas cruzado teu caminho, pobre coitado agora sofre a ausência de medusa em tua vida! Não sofras pobre homem, deus manda te dizer que ela não é mulher para teu bico, nunca foi e sempre soube. Mas você deixou-se iludir acreditar que uma mulher daquele tipo iria realmente ficar contigo foi burrice, seria um sonho bom, que bem não foi bem sonho acabou-se por se tornar um pesadelo!
Não se preocupe tudo passa até as desilusões amorosas, logo você está nos braços de tua esposa feliz e logo te envio o convite do meu casamento com a mulher mais linda de todos os tempos, mas bem ela não foi feita para o teu bico, recorde-se bem desta frase e conforme-se.

Meu Abraço sincero, bom amigo.

Anónimo disse...

Confesso que tenho alguma compreensão para com o François. Aquela Julie é uma mulher a quem não se resiste! Um tipo olha, prova e quando dá conta está nas mãos dela!
P.Rufino

Anónimo disse...

Confesso que de toda a certeza o mesmo se passou comigo, pena uns ter de se conformar só com a parte do olhar e secar as babas no canto da boca e outros olhar, provar e saborear por fim toda a fruta, e quão doce essa fruta!

Meu Abraço sincero, bom amigo.

Anónimo disse...

Vamos lá ver: a Valerie tem imensa classe e é, igualmente, uma mulher muitíssimo atraente. O azar foi o François ter sido colocado perante o dilema: ela, ou ela. Não lhe queria estar na pele. Aqui, onde vivo, o Diabo não passa por cá, para nos atizanar as almas. Graças a Deus!
P.Rufino

Um Jeito Manso disse...

Caro Anónimo,

Parece que o espírito de algum adversário de Hollande 'desceu' em si e, se assim é, só posso desejar que seja bem sucedido.

Quanto a Hollande regressar para os braços da 'esposa' penso que não vai acontecer: o Hollande é rapaz que gosta de ser livre como um passarinho, nunca deu o nó.

Um Jeito Manso disse...

P. Rufino,

Eu percebo que, como homem, pense assim. Agora eu, como mulher, é que não percebo mesmo.

Dizem que é o poder. Não creio. Qualquer delas não me parece ser do tipo deslumbrado. Por isso, não percebo.

Um Jeito Manso disse...

De novo, o mesmo Anónimo, aqui a gabar-se dos seus feitos amorosos.

Fantasia, meu Caro, sonha alto? Ou contracenou com a Julie e convenceu-se que era verdade e não um guião a ser representado?

Um Jeito Manso disse...

P. Rufino,

E, estando ele, coitado, entre o fogo e a labareda, sem saber bem onde se queimar, eis que aparece em público a serena Ségolène, tentando acalmar as hostes. Deu uma entrevista e, de certa forma, ao desvalorizar o incêndio, deu uma certa cobertura ao seu ex. Três mulheres e todas elas belas, cultas, inteligentes.

Optou pela encantadora Julie. Mas, cá para mim, deve estar cheio de medo das consequências. É que a Valérie já provou que não se ensaia nada para partir a louça toda.

Cine Povero disse...

Mais do que a vida privada de François Hollande, e suas cambalhotas amorosas, interessa-me a sua recente cambalhota política.
E não encontro nada mais pra dizer do que esta comparação futurista: Margaret Thatcher declarou, em entrevista no final da sua existência, que a maior realização da sua vida foi Tony Blair e o New Labour ("Margaret Thatcher’s Greatest Achievement was Tony Blair and New Labour").
Já se está a ver o título da entrevista pré-mortuária da Senhora Merkel: "Größter Erfolg von Angela Merkel war François Hollande und Parti Socialiste."
Au revoir les enfants!!

Um Jeito Manso disse...

Pois é, Cine, este Hollande é capaz de ser um pequeno velhaco, um dançarino político. Do ponto de vista amoroso parece ser um leão mas politicamente é uma dessas nódoas que a história de vez em quando salpica sobre os tempos.

Será mesmo um neném da Merkel? Quiçá um aborto? Talvez. Pensei que viesse a fazer-lhe frente e, afinal, ela pegou-o ao colo e acolheu-o como um pequeno filhote.

Trágicos estes tempos.

PS: Gostei deste seu comentário.