Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

quinta-feira, maio 17, 2018

Sporting: será desta que Ricciardi vai chegar-se à frente?
E com Marcelo e Ferro Rodrigues e tudo o que é gente decente a tomarem posição da forma explícita como o estão a fazer, o que é que ainda passa pela cabeça tresloucada de Bruno de Carvalho?


Quando me interrogava, perante uma bateria de sportinguistas ferrenhos, sobre a razão de um energúmeno como Bruno de Carvalho conseguir tantos apoios, a resposta sempre foi a mesma: saneou aquilo, tirou as contas do vermelho, etc, etc. Não gostavam do estilo mas apreciavam a sua acção saneadora sobre o Sporting e era quase como se o tolerassem por acharem que alguma gratidão lhe era devida. 

Céptica como sou, em especial quando me vejo perante criaturas aberrantes, sempre apresentei as minhas dúvidas. Alguém que não ele o terá feito, dizia eu. O meu marido, que também nunca suportou a estupidez galopante da criatura, dizia-me: Ricciardi. E eu, na minha cabeça, encaixei que o Ricciardi era bem menino para fazer a gestão financeira daquilo. Aliás, fazer não, que Ricciardi é de manobrar e não, propriamente, de meter a mão na massa (literalmente falando) -- e é natural que assim seja. Agora, vendo-a na SIC N, a minha opinião reforça-se. Qual Bruno de Carvalho, qual carapuça. Não é um troglodita como Bruno de Carvalho que tem mão para fazer gestão que se veja. Nunca foi. Ricciardi ou outros que tais mas não Bruno de Carvalho.

Quanto a tudo o mais que se vai sabendo, a minha estupefacção vai em crescendo. E vai em crescendo não pelas alarvidades daquele doente porque ela é e sempre foi pública e notória mas por tanta gente, que considero razoavelmente inteligente, o ter apoiado até há tão pouco tempo.

Sempre achei que quem se mete com malucos tarde ou cedo é vitíma deles. É o que está a acontecer: um doido varrido à solta. Não seria grave se estivesse num pátio do Júlio de Matos. Mas não, está ali perto mas do outro lado, em Alvalade, num lugar onde as suas maluquices têm forte impacto financeiro, social e emocional.

Quanto ao resto, mantenho: a situação não se resolve com Assembleias Gerais convocadas pela Direcção e a decorrerem em registo de alvoroço. Qual quê. A situação resolve-se apenas com Bruno de Carvalho fora de jogo. Se ele não sair a bem, que o empurrem de lá para fora e que avancem, desde já, outros. A situação é de emergência e não afecta apenas o Sporting, nem destrói apenas a credibilidade e a sustentabilidade do clube. Afecta o futebol em geral e afecta a reputação do País. Os danos reputacionais de uma situação destas são incalculáveis.

Alguém que se chegue à frente e pegue nas rédeas daquilo. E proibam-no de se aproximar de Alvalade, de Alcochete, dos autocarros onde viajarem os jogadores, dos hotéis onde os jogadores se alojem. Olhem, arranjem maneira de lhe enfiarem uma camisa de forças. Não seria mal pensado.

Sem comentários: