Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

sexta-feira, abril 07, 2017

Shortinha número dois
[Luisinha e o ensaio geral]





Quando chegou a casa, Maria Luísa, trocou de roupa. Vestiu-se discretamente. A ocasião assim o pedia. Ao ver-se ao espelho, achou que faltava quelque chose. Percebeu o que era. Um pequeno chapéu igual ao vestido, uns brincos simples.

Sobreveio-lhe um arrepio. Pensou que, de facto, ainda não estava no verão. Foi então buscar umas luvas para lhe aquecerem os antebraços. Escolheu umas que faziam pendant com o top.

Espírito inquieto, o coração a pedir um sobressalto, procurou um livro ao acaso. Apetecia-lhe algo. Pegou e largou um e outro e outro. Depois ficou-se pela Pastoralia do Saunders. Folheou. Depois pensou: 'Pena. Se tivesse o que lhe falta talvez me convencesse'. Deslizou pela sala. Pegou, então, num outro. Inconfessável este.

Já impaciente, pegou no telemóvel. A voz era outra, rouca, 'Então, bebé, como é que é?'. Do outro lado alguém a fez rir. 'Está mas é maluco... ', fingiu ela que o censurava. Qualquer coisa mais disse ele que ela soltou uma gostosa gargalhada: 'Não está bem a ver. Se estivesse, teria mais cuidado.'. Do outro lado alguém falava. Maria Luísa parou de rir. Ouvia com atenção. Depois, em voz baixa, disse: 'Está bem, eu digo consigo. Mas, olhe, diga devagar.' Então ele dizia e ela repetia:

Oh dá-me beijos mil, depois um cento,
Depois mais outros mil, e um outro cento,
Depois ainda outros mil, e mais um cento.
Depois, quando os milhares forem já muitos,
Erraremos a conta, a não saibamos,
Para que a inveja não nos leve a mal,
Sabendo quanto foi de beijos dado.

Por fim, como num rebate, Maria Luísa disse: 'Espere lá! Não era para ser em latim...!?'. E riu. 'Pensava que se escapava...?'

Depois ficou a ouvir, silenciosa. No fim disse: 'Não percebi nada. Na volta, esteve para aí a inventar. Mas não faz mal. Olhe: acha que vá pondo as minis no congelador?. 

Ela riu com a resposta dele. E foi a sorrir que lhe perguntou: 'What? A Luisinha...? Quer que o ensaio geral seja com a Luisinha...? Yes, sir, pode ser. Why not...?'

Voltou a mudar de roupa. Viu-se ao espelho. Voltou a optar por bolinhas mas agora estava Luisinha dos pés à cabeça.

Passado um bocado, os frades começaram a chegar.

Luisinha, afável, recebeu-os com aquela sua expessão angélica, flores na mão. O último a chegar foi ele. Luisinha foi buscar as minis e os tremoços.

Os frades falavam de futebol, achavam mal que o Canelas não estivesse ainda proibido de jogar, eram unânimes: o Rui Santos tem razão, é uma vergonha. Um outro gabava o físico de Marco Gonçalves, aquele que partiu o nariz do árbitro. O amigo de Luisinha concordou: 'Que músculos, menino, que músculos... quem me dera a mim. Viu bem aquele cabedal...?'.

Luisinha, mini na mão, zangou-se 'Meninos. Ai! Chega de troloró. E que conversa mais abichanada vem a ser essa? Ai, ai, ai, ai-ai. E vamos lá mas é a porem-se alinhadinhos que está mais do que na hora. Daqui a nada chegam as irmãzinhas da caridade e, quando chegarem, já vocês têm que estar ao fresco. Já sabem como é que a madre superiora é: nada de misturas!'

Eles acataram. Puseram-se de pé, os mais altos atrás, os mais baixos à frente. Não era por vozes, Luisinha preferia-os por tamanhos. Distribuíu-lhes, então, as folhas com as letras. Latim. Tinham um concerto na capela da paróquia no próximo sábado, e um concerto de canto gregoriano não é brincadeira. Ela queria tudo sabidinho na ponta da língua.

O ensaio correu bem. Afinados de dar gosto. Uma emoção -- coisa já quase já do domínio do religioso. Talvez pela proximidade do santo mês do maio, ouvindo-os a cantar assim, Luisinha quase se tentou a converter-se. Mas não, endiabrada demais para tal.

No fim, à medida que se despedia, Luisinha deu uma palmada no rabiosque de cada um e avisou: 'No sábado, quero-os a todos de vestidinho. Já sabem. E cuidado com as cuequinhas. Nada de fio dental, ouviram? Antes nada que essa pouca vergonha. Já sabem. E é para brilhar, ouviram, seus marotos...? Ah, e é verdade: vamos caprichar no latim, hein? Nada de aldrabar que não quero que, no fim, as beatas me venham chatear que a letra do Pai Nosso não era nada daquilo. E todos à uma, afinadinhos e alinhadinhos. Ou querem que as irmãzinhas vos passem a perna...? Vejam lá.'

_____________

__________________

E desçam, por favor, até à Shortinha número um, caso queiram saber o que Maria Luísa, também dita Luisinha, comprou quando andava numa de Lulu.

__________

1 comentário:

Anónimo disse...

http://www.trappist.one/

bob marley