Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

segunda-feira, março 27, 2017

Ver o mar em dia de temporal


Quis ir ver o mar. Dia de chuva, vento e frio. Mas acordei com esta ideia: queria ver o mar. Pensei que talvez conseguisse caminhar cá em cima, vendo a rebentação. Que não, impossível. E eu que sim, que talvez. Que não dava, nem daria para abrir o chapéu-de-chuva. Que talvez desse. Que íamos ficar encharcados. Que não, que também não estava assim tão mau.

Lá chegados, ninguém, só nós. Logo: claro que mais nenhum maluco se lembrou de vir para aqui num dia destes. Não respondi. De facto. Uma ventania. Não se conseguia ter o chapéu de chuva aberto. Muito frio. O mar nem assim tão mau. Mas impossível. Quase sem se conseguir andar. Meia dúzia de passos, meia dúzia de fotografias.

Mas a alma lavada. A necessidade de ver o mar (quase) satisfeita.


Poema de Sophia do livro Mar

Maria Bethânia interpreta Poema Azul



Ode ao Mar, Pablo Neruda, na voz de Tomás Galindo

------

Sem comentários: