Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

sexta-feira, março 31, 2017

As belas esculturas que Cristiano Ronaldo,
o reluzente filho da Srª Dona Dolores, descobridor da Madeira e dono do aeroporto,
inspirou





Não contem comigo para peditórios velhos e relhos. Não estou nem aí. Quaresma & Raminhos e a escaldante guerra nas redes sociais, Abraham Poincheval armado em galinha poedeira, Ronaldo e Georgina Rodríguez, a actual namorada, Ronaldo e mamãe, Ronaldo e os gémeos que aí vêm -- não quero saber disso para nada. 


Bem tento descobrir temas nobres mas o esforço é inglório. Espreito as notícias e confirmo: ainda anda tudo às voltas com a futebolização do país (Pacheco Pereira dixit). 

Quando, no outro dia, ouvi que iam dar o nome Cristiano Ronaldo ao aeroporto da Madeira achei que era uma piada. Não liguei. A minha elevada craveira intelectual não morde qualquer isco. Reservo-me para altas discussões, coisas de lesa-majestade, questões fracturantes. Portanto, passo ao lado do milho que gentinha à toa atira aos pardais. A mim não, bebé. 


Portanto, arredada que ando das minudências político/sociais e sem que a piolheira exale qualquer bafo que me faça levantar a atenção do Brandão, por aqui me tenho entretido. A Marilú na última fila a ver se não a maçam e se pode trabalhar à vontade para a Arrows, o Láparo a atravessar o deserto a ver se desencanta ou o diabo ou algum dos reis magos, qualquer coisa he serve, o Portas a facturar, retirado da equação pafiana, a Cristas a tentar perceber como posicionar a coxa grossa, a candidata leal ao láparo a tentar pereber como apagar as faltas da pauta -- uma pasmaceira que apenas faz alastrar o spleen que teima em querer cobrir-me.


As notícias são belas, a Caixa recapitalizada, o Novo Banco parece que finalmente minimamente encaminhado, o Montepio a ser tratado, e até o Economist esbugalha os olhos sem perceber como é que o motorista da geringonça consegue subir as pensões ao mesmo tempo que desce o défice -- mas até isso já parece normal. Quem ouça o lúmpen que invadiu os balcões televisivos ou leia as croniquetas avençadas que poluem os sites de jornais até parece que toda a vida viveram com um déficezinho na ordem dos 2%, como Centeno conseguiu. Coitados, que memória curta têm estes doentes mentais. Há uns meses juravam a pés juntos que isto era uma miragem, não largavam a labita do Costa e do Centeno a pedirem o plano B. E, recuando ainda mais, aí andavam estas galinhas descerebradas a garantir que não havia alternativa à austeridade e que quem não estivesse bem que se mudasse. E agora, despudorados, fazem de conta que nasceram ontem, desvalorizando as melhorias conseguidas por este Governo.]



Encolho os ombros. Vou dizer o quê sobre estas indigências que pululam por aí, incapazes de reconhecerem o valor a quem o tem? Não consigo dançar tão pífias danças. Guardo-me para quando começar a campanha para as autárquicas, que aí devo ter anedotas com que me rebolar a rir a toda a hora.


Portanto, enquanto isso, ponho algumas leituras em dia.
[E ó pr'a mim metida a besta, a fazer de conta que leio coisa de jeito, eu que nem li os Ulisses que por aí circulam, nem a Bíblia do Fred, nem tão pouco o Proust de fio a pavio (e acho que nem devidamente salteado -- não me lembro, se li alguma coisa varreu-se-me, só me ficou o título mais mediatizado). Ignorante de dar dó. Mas não faz mal. Até porque, talvez vocês não acreditem, isto de uma pessoa se manter ignorante dá um trabalho do catano (já lá dizia o outro, não sei se o tio do Bruno, se um brasileiro ou brasileira qualquer que parece que fez para aí uns versos obscenos ou lá o que era).]

Mas onde é que eu ia?

Ah, sim. Tirando isto, apenas uma surprise. O aeroporto ficou mesmo a chamar-se 'Aeroporto do filho da D. Dolores' e a dita foi lá -- toda produzida e franjuda, de mão dada com a suposta namorada do Cristiano -- receber o Professor Marcelo enquanto este e mais o Costa inauguravam também um busto muito lindo do poeta, navegante e estadista CR7. 


A afamada obra escultórica (tão afamada que chegou à 1ª página da não menos afamada Vanity Fair) é da autoria de Emanuel Santos que às críticas responde: É impossível agradar a gregos e troianos. Nem Jesus agradou a todos. Isso é questão de gosto, não é tão simples como parece. Já vi obras de grandes artistas que seguem esse parâmetro. O que interessa é o impacto que essa obra gerou". Nem mais.


Cristiano Ronaldo  avoa-avoa


Leio e ouço altas discussões, que não faz sentido, que um futebolista não tem dimensão, antes o Alberto João, antes o Herberto Helder, antes o Max. Não me empolgo. Era o que me faltava ralar-me com tais frioleiras. Eu é mais bolos.

Só acho que aquela estátua é muito convencional. Se me têm pedido a mim, fazia uma estátua animada, o Cristiano a dançar, todo hot e depilado. Isto, sim, seria uma recepção condigna aos turistas que visitam a Madeira, ex-pérola do Atlântico e agora baptizada como Ilha Aveiro Family.



Tirando isso, meus lindos, nada mais tenho a dizer.

______________________

As derivações do busto do Cristiano foram obtidas aqui.

____________________

E queiram, por favor, descer para verem arte pura, coisa a sério.


_____

5 comentários:

Anónimo disse...

PR e PM na dita inauguração, ou o populismo no seu pior. Desilusão!
P.Rufino

Anónimo disse...

este era mais realista - https://scontent-mad1-1.xx.fbcdn.net/v/t1.0-9/17499508_10208614637375784_4705491804831900276_n.jpg?oh=b6aea52e54276fcf96284439202f76ee&oe=5954AC94

fanado tem um amigo de um amigo do facebook

e não se preocupe em comentar os bitaites que para aqui escrevo


Bob marley

Anónimo disse...

http://www.dailymail.co.uk/news/article-4293464/Theresa-laughs-like-supervillain-PMQs.html

Bom fim de semana!

JV

Anónimo disse...

fanado do blog no vazio da onda - https://www.publico.pt/2017/03/31/local/noticia/nao-tem-espaco-e-por-isso-estao-a-oferecer-uma-biblioteca-1767148


Bob Marley

Apache disse...

Então ainda não perceberam que o artista inpirou-se na progenitora do dito cujo?!