Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

quarta-feira, março 01, 2017

So typical...
[5º de 8 Postais ilustrados de Lisboa, a bela]


Não sou daquelas pessoas que acham que a sua rua deve ficar guardada só para quem lá mora ou que se agastam quando o seu restaurante de estimação foi descoberto por gente de outras paragens.

Tinha eu dezasseis anos e já não suportava viver numa terra em que meio mundo parecia conhecer a outra metade ou em que havia, em muitos, a preocupação do que as coisas pudessem parecer aos olhos dos outros. Não descansei enquanto não me deixaram vir viver para Lisboa. 
Uma prima minha sentiu o mesmo que eu mas, vá la saber-se porquê, quis ir para Coimbra. Parece que sentiu o apelo nostálgico de uma cidade universitária e tanto gosou que por lá ficou. Um outro primo a mesma coisa: durante anos andou itinerante por aí, volta e meia saía do país. Durante uns anos namorou uma holandesa e por lá passava umas temporadas. Depois, na Alemanha, conheceu uma rapariga, com cerca de vinte anos a menos que ele, filha de emigrantes portuguesas. Pensámos que seria mais uma. Afinal casou com ela, fixou-se na sua cidade natal e já tem três filhos. Uma outra sempre foi mais certinha. Mas todos os anos, pelo menos uma vez por ano, aí vai ela, numa grande viagem fora do país.
Mas, dizia eu, gosto de cidades grandes em que se misturem gentes desconhecidas, raças diferentes, nacionalidades múltiplas. Gosto de ir a passar na rua e ouvir todas as línguas e ver gente com hábitos distintos. Gosto de me sentir uma turista. 

E é assim que, sentindo-me sempre como se não fosse de cá, vejo elementos que são tão típicos desta Lisboa de que tanto gosto e fico encantada, como se os reconhecesse de os saber de longe. So typical..., quase poderia dizer. Mas não digo, apenas fotografo.

Depois de mudar de agulha (ou 'fazer a agulha'), o condutor do eléctrico apressa-se a voltar lá para dentro

Amália em calçada portuguesa, em Alfama, por Vhils



No coração da Lisboa antiga: fados e guitarradas em Alfama


.....................................................................................................

Gisela João - Vieste do Fim do Mundo


.............................................

E queiram, por favor, continuar a descer caso queiram ver mais três postais de Lisboa. 

.........

Sem comentários: