Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

domingo, janeiro 29, 2017

A democracia no início de uma nova era


Talvez um dia o Passos Coelho, depois de acumular negas para a Câmara de Lisboa, resolva convidar Cláudio Coelho. 

Cláudio Coelho, conhecido por ser jogador de poker e, sobretudo, pelas suas participações nos reality shows apadrinhados por Madame Teresa Guilherme e pelos mediáticos romances que vai tendo com estrelas do seu calibre, uma das quais Cátia Aveiro, embalado pela fama, com o ego em cima face a ser capa de tantas revistas e a ser tão requisitado, resolva que está na hora de pôr a sua arte e manha ao serviço do povo.


E talvez o povo português, iludido, seguindo o exemplo dos americanos que puseram um biltre platinado na presidência, achem que mais vale um não político, um sujeito esperto e charmoso, do que um qualquer outro sem graça e com menos antena do que o Cláudio Coelho -- e o elejam.

E, portanto, depois do que tenho visto nos últimos tempos, não me admiraria muito que também o nosso pobre país aparecesse um dia maculado pela presença de um qualquer espécime desse estilo ao comando dos destinos de uma cidade, quiçá até de todo o país.

Hoje, enquanto não chegava a nossa vez na caixa do supermercado, deixei o meu marido na fila e fui espreitar as revistas. Uma notícia deixou-me espantada: Maria Vieira diz que o desaguisado com Ana Bola ainda acaba no tribunal. Pasmei. Sempre achei que fossem amigas e gente decente. Abri a revista e li em diagonal. Tricas expostas ao público no facebook, bloqueio de uma e outra na rede de amigos, cenas que não percebi mas que me pareceu terem a ver com comentários no facebook.


Mulheres já maduras, com mundo, e para aí andam em bate-boca nas rede sociais. É este o mundo em que tudo se propaga, onde tudo se empola, emporcalha e desvirtua. 

É o tempo da democracia mais absoluta, sem representantes. Cada voz vale por si e tanto como as demais. É este mundo imediatista, populista, em que a opinião de um burro vale tanto como a de um sabedor, em que um cão ou um gato pode ter a sua página com milhares de seguidores, em que todos seguem todos e todos sabem quem são os amigos de um e outro, em que toda a gente solta likes ou emite opiniões que não valem um caracol mas que logo se enchem de likes e se propagam como coisa importante. Ecos de ecos de coisa nenhuma.

Mais: os mais carenciados, os mais vulneráveis são os primeiros a gostar de espreitar a vida de fausto dos ricos e famosos e os primeiros a darem o seu voto quando uma qualquer dessas bestas douradas se apresenta a votos, mesmo que a besta anuncie que vai espezinhar ainda mais os carenciados e favorecer os esquemas, a fuga ao fisco ou, até, o comportamento mais misógino, retrógrado e execrável.

Não sei como se combate esta onda. Mas sei que tem que ser combatida.


O que se passa nos Estados Unidos é de vómito. Aquelas imagens que nos chegam, o Trump à secretária -- rodeado de figuras de enfeite que mais parecem saídos de uma comédia do Borat -- a assinar determinações que parecem anedotas de mau gosto, são de uma pessoa se arrepiar. Assina e mostra para as câmaras. Só falta aparecer a seguir uma do género da Teresa Guilherme, com um vestido coberto de lantejoulas, apertado para além do razoável, com decote até ao umbigo, cabelos até meio das costas e riso alarve, aparecer a comentar e louvar o sucedido. Os reality shows a chegarem à Casa Branca. O impensável a acontecer. E nós a assistirmos. Em directo e a cores.


E, no entanto, se Donald Trump, depois de todo o lixo que já produziu nesta semana, se apresentasse de novo a votos era capaz de ainda ter uma votação idêntica à que obteve. 

Pacheco Pereira tem escrito sobre isso e tem escrito bem. Mas ele elucubra sobre como estamos. Chora sobre leite derramado. Chove no molhado. O mesmo que eu estou a fazer mas com sabedoria e um mérito que não tenho. No entanto, face ao que está a acontecer é preciso mais do que isso, é preciso quem veja mais longe e saiba como travar esta onda.

Isto a que assistimos é a democracia em formato lúmpen e daqui, como se vê, não sai nada de bom; só sai rebotalho. 

_________________

Já agora deixem que partilhe convosco:

Com que se parece uma Democracia: um retrato do fim de semana da tomada de posse nos EUA




¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨
E, também já agora, uma graça

A Boa Mãe -- La Madre Buena (The Good Mother)


The tale of a Mexican mother torn between her politics and pleasing her only son’s request – to have a Donald Trump piñata for his birthday party.




¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

1 comentário:

Pôr do Sol disse...

Vejo tanta loucura neste Mundo, que por vezes chego a questionar e minha própria coerencia e lucidez.

Já tinha visto na capa de uma revista, mas como não acredito nas revistas ditas rosa, não li. Agora ao lê-la não resisti e ir ver o que se passa de "tão grave", para que duas pessoas com algum valor cheguem a isto.

Mas, lamentavelmente, ainda há pessoas que depois de terem sido governadas por um mini Trump, se manifestem publicamente com admiração por um ditador sem uma unica qualidade, quer politica, humana ou cultural.

Não me surpreenderia que passos coelho voltasse a ter votos, quando ainda cá temos
gente que pensa assim.

Haja paciencia!