Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

domingo, dezembro 11, 2016

Um conselho muito especial aos homens
- e não sou eu que o dou, é outro homem.
[Refiro-me a Tom Ford, por acaso um dos que se recusam a vestir a futura Primeira Dama Americana]


No título da notícia em francês leio que o conselho é desconcertante. Leio. De facto, fico a modos que desconcertada. Não é que não concorde. A bem dizer, não concordo nem deixo de concordar. Falta-me sapiência para me aventurar por aí. Talvez que, nessas matérias (tais como noutras) o conselheiro em causa tenha mais sabedoria que eu.


Refiro-me a Tom Ford. Tom Ford não é apenas um estilista (e um dos que se recusa a vestir Melania Trump) -- um estilista com marca própria mas que já trabalhou para a Gucci e para a YSL--, é também o realizador do filme de que se fala, Nocturnal Animals, depois de um surpreendente A Single Man.


Mas isso não vem ao caso. A questão é que Tom Ford, numa entrevista à GQ, repetiu a ideia que anos antes já tinha feito sensação: que, em algum momento das suas vidas, todos os homens devem experimentar a sensação da penetração. Leia-se: de serem penetrados.


Diz ele que nem é por motivos sexuais, que é mais para experimentarem a sensação de se ser invadido, a sensação da passividade, da vulnerabilidade, que é do conhecimento das mulheres mas não deles.
(Poderia tecer algumas observações a propósito disto mas vou abster-me e deixar o palco todo para ele. Adiante.)

Transcrevo da entrevista original -- and pardon my french --: (Tom Ford on Sex, Death, and Penetration):


So he says this next thing, and it doesn’t come off as lascivious, the way it might have years ago, but thoughtful and aware: Yes, he says, all men should be penetrated at some point. And not as in emotions. He means: All men should be fucked. “I think it would help them understand women,” he argues. “It’s such a vulnerable position to be in, and it’s such a passive position to be in. And there’s such an invasion, in a way, that even if it’s consensual, it’s just very personal. And I think there’s a psyche that happens because of it that makes you understand and appreciate what women go through their whole life, because it’s not just sexual, it’s a complete setup of the way the world works, that one sex has the ability to literally—and is expected to and is wanted to—but also there’s an invasion. And I think that that’s something most men do not understand at all.”
_________

Não me pronuncio. 
Os meus Leitores homens que ainda apenas conhecem a sensação de ser invasores que decidam por si. 

_______

E, já agora, mais conselhos. Para a menina e para o menino.

Tom Ford’s guide to being as suave as, well, Tom Ford



.......................................

E queiram agora, por favor, descer ao encontro da (im)perfeição do que é (in)acabado.

...............

Sem comentários: