Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

sábado, dezembro 31, 2016

Sair de 2016 na boa porque 2016 foi melhor que 2015 e porque 2017 vai ser ainda melhor.
Salve!




Não consegui responder a todos os mails dos Leitores que me enviaram os votos de feliz Ano Novo mas tentarei fazê-lo amanhã. Contudo, não gosto que mensagens tão importantes (pelo menos para mim são) fiquem sem resposta e, por isso, aqui num instantinho, venho agradecer a todos quantos fazem o gosto de me dirigir mails pessoais, generosos.

Muito obrigada e tomara que todos os votos se cumpram. E, para todos Vós, também um excelente 2017.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

E, para que o post não pareça meio coxo aos olhos de quem aqui vem com vontade de ler mais do que meia dúzia de palavras, acrescento uma meia dúzia de linhas...

Não estou com muito tempo agora mas posso dizer-vos que, pelo menos por hoje, não houve agravamentos de estados de saúde familiares, novas gripes, complicações. Eu própria parece que, por obra e graça, depois do dia jeitoso de ontem, me curei.


Portanto, havendo programa de festas em preparação, o dia foi azafamado e alguns dos preparos gastronómicos já foram adiantados. Contudo, dia de fim de ano não pode ser deixado só por aí. Portanto, passeio matinal, fotografias pela beira do rio, aspiração de ar limpo e de céu azul, aquela sensação boa de que, no intervalo das crises, surgem sempre momentos bons e que a beleza natural é um potente antídoto contra males e medos. Depois passeio pela cidade, fotografias de rua. Pelo meio Dim Sum. E, para que o dia não ficasse a rir-se, livraria. E daquelas sossegadinhas, livros bons de ter na mão.

Conto-vos quais os livros que trouxe porque estou tão contente com eles aqui ao meu lado:

O silêncio de...., Rui Chafes 

Incandescência, Cézanne e a Pintura, Tomás Maia 

Zen, e a arte do caminho das flores, Gusty L. Herrigel

Manon Lescaut, Padre Prévost (espero bem não o ter já...)

As lágrimas de Eros, Georges Bataille

E, portanto, acabo o ano com livros novos ao meu lado, com a maresia correndo no meu sangue, com os olhos cheios de azul, com música e rodeada de afecto. Tudo certo.

2017 vai ser um ano bom, vai sim. E vamos entrar nele com alegria porque é a melhor forma de espantar todos os males.


¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Boas saídas, meus Caros Leitores. E ainda melhores entradas!

Que venha o 2017 que chegamos bem para ele.


1 comentário:

bea disse...

Sem dúvida que chegamos pra ele. Estou bem descansadinha que levei a passagem de ano dormindo e tudo me passou enquanto assim. Na verdade, dormir é coisa agradável e que nos torna melhor o mundo. E agora que acordei acho que tenho de ir, sei lá, vestir o traje de gala que era para ontem receber o ano menino e vou assim a modos que pavonear-me por aí descansadíssima e linda de morrer. Então beijinhos.