Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

sábado, julho 30, 2016

Hillary, this is the woman



Um filme de 12 minutos da produtora Shonda Rhimes (Scandal, Grey's Anatomy), narrado por Morgan Freeman, passa em revista toda a vida e carreira de Hillary Clinton


Tenho pena que não esteja legendado mas a dicção de todos é perfeita, penso que se percebe bem. 

A máquina democrática está em marcha com os motores a rodarem a toda a força.

Hillary tem uma vida de serviço público e de dedicação a causas meritórias e tem, também, a simpatia de quem assistiu à forma digna como atravessou o vendaval que ia derrubando o incontinente-sexual marido aquando do escândalo das brincadeiras na sala oval com uma estagiária que viria a dar que falar.

Pode faltar a Hillary aquele toque de leveza e charme que a colocaria na Casa Branca quase sem ter que mexer uma palha mas, presumo, a poderosa máquina que conduz a campanha suprirá esse défice através de peças mediáticas como este filme. Foi divulgado na Convenção Democrática e será, certamente, um poderoso catalisador das simpatias americanas a favor da primeira mulher candidata à Presidência dos Estados Unidos.


Hillary




_____

E para a sua desconstrução, queiram, por favor, descer até ao post seguinte no qual se mostra o sentido de humor ao serviço da inteligência na entrevista que o grande Stephen Colbert faz ao cartoon de Hillary. De bónus, idêntica entrevista ao palhaço tarado que dá pelo nome de Cabeça de Banana Trump.

...

4 comentários:

Abraham Chevrollet disse...

E para quê visionar um documentário que antes de o vermos já sabemos o que dirá? Deixe para lá a senhora,quem a pariu que a lamba,assim se diz por aqui!

Anónimo disse...

Estes americanos são engraçados! Enquanto se preparam para tentar eleger a primeira mulher a Presidente, fazem um video onde colocam a futura presidenta a falar na cozinha e o futuro primeiro-cavalheiro a falar na biblioteca!

De resto o novo penteado fica-lhe bem e espera-se que na América isso conte para alguma coisa. Rita

Um Jeito Manso disse...

Ora muito bem, seu Chevrolet (não leve a mal que escreva só com um l mas tenho um certo pendor purista),

Não me parece que o documentário pudesse trazer momentos de excitação já que a vida de Hillary tem sido passada debaixo dos holofotes e já tudo se sabe. Mas a cambada trumpista é muito tinhosa e é bom que haja algo de concreto para fazer face à campanha negra que deve estar para chegar.

Por isso, deixe lá estar o documentário que mal não faz. E isto aqui é também, para mim, uma espécie de pró memória do tempo que passa.

Okapa...?

Um Jeito Manso disse...

Pois é, Rita, muito bem achado o seu comentário. Contudo, como disse acima, acho que o público alvo do documentário é o sector conservador que balança entre Hillary e Trump. Portanto, uma no cravo e outra na ferradura não vão as donas de casa americanas, aquelas cuja vida é organizar os barbecues para os convidados do marido, acharem que ter uma mulher como presidente é coisa demasiado à frente...

Quanto ao estilo, li que a Anna Wintour da Vogue (que inspirou a personagem da Meryl Streep em O Diabo veste Prada) está ou vai aconselhá-la. Vmos ver se notamos diferenças.

Um abraço, Rita.