Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

domingo, junho 19, 2016

O que é que está a faltar a Portugal no Euro 2016?
Com vossa licença: em minha opinião, está a faltar testosterona!





Não percebo nada, eu sei. Ainda há bocado me vi aflita para que alguém me explicasse porque é que o golo não tinha valido, não me parecia nada que fosse fora de jogo. Acham que já explicaram vezes de mais. Mas pronto, lá vi na repetição enquanto ouvia a explicação e percebi. Mas, mesmo sendo uma naba nas regras daquilo, há coisa que eu sei reconhecer. Sei reconhecer quando há homens em campo.

Muito bem, eu sei que há futebol feminino mas eu disso também não sei nada. Futebol para mim é brincadeira de homens. 

E sei bem como os homens, os mesmo homens, se entregam à luta como se da vitória dependesse a vida deles.

Quando lá na empresa se organizavam torneios de futebol, eu via como alguns se transfiguravam, viravam umas feras, aquilo era matar ou morrer.

E lembro-me dos jogos de futebol nos quais o  meu pai, os meus tios, os primos do meu pai e da minha mãe, amigos e colegas, jogavam em torneios que organizavam entre empresas, e sei como se partiam todos como se aquilo fosse a sério. O meu pai partiu uma perna e ainda lá tem placas e parafusos, partiu um dedo, outra vez, na sequência de uma cabeçada, ficou amnésico, nem me reconhecia. E vibravam todos com aquilo, de uma forma limite, valia tudo para marcar golos, para vencer, era uma adrenalina inacreditável.

Ora isso não é compaginável com esgares de maria-amélia, com risinhos aturdidos, como se lhes tivessem pregado alguma partida, como se lhe tivessem escondido o apara-lápis, como se daí a nada fossem amuar ou fazer uma birrinha. A homens que estejam ali para se rasgarem todos para conseguirem o melhor resultado, não lhes ocorrerá fazer daqueles risinhos como se estivessem a ser injustiçadinhos ou sei lá o quê.

Talvez tenha havido pouca sorte, sei lá, acredito que sim, aquilo do penalti deve ter sido mesmo um mau momento. Mas houve falta de killing instinct, de bravura viril. Isso, santa paciência, mas faltou.

Estava a queixar-me que até o guarda-redes anda com uma luva de cada cor, um sapato de cada cor, só frescuras de menina pirosa que gosta de ganchinhos às cores. Ofensa cá em casa, que não, disparate, que o Rui Patrício não é maricas. Mas eu não estou a falar de orientações sexuais, quero cá saber dos gostos de cada um, eu gosto é de ver virilidade nos jogadores, não pintainhos vestidos de verde alface, com sapatinhos e luvinhas às cores. Ou trejeitinhos afectados ou risinhos de diva. Não gosto.


Estive até ao fim à espera que o Fernando Santos percebesse isso e mandasse entrar o Bruno Alves. Mas não, deve estar de castigo. Não há pachorra. A ver se não se sentia logo a diferença. A ele corre-lhe nas veias aquela febre que também corria a Zidane em que, às vezes, de forma involuntária o corpo pede uma agressividade sem razão. Deslizes que não se podem defender mas que eu, fazer o quê?, perdoo. 


E hoje, em campo, o tempo a correr e nem uma concretização, era de sangue guerreiro que ali se precisava.

Mas, claro, isto digo eu que de futebol não percebo mais do que isto que acabei de dizer. Seja como for, para quem não souber bem de que raça é que eu estou a falar, mostro alguns exemplares.

Figo: um portento, um homem feito e um senhor

Pirlo: um guerreiro, e, claro e não por acaso, um homem com muita pinta

Zidane: talvez uma pantera, não sei,
mas sei que, ainda por cima e não por acaso, um dos homens mais sexy do mundo

Bruno Alves: sarrafeiro, talvez, mas também um comboio
e, seguramente e também não por acaso, um homem também muito sexy

E pronto. É o que tenho a dizer e acho que era bom que o seleccionador me desse ouvidos.

Claro que sobre isto nenhum dos comentadores que se amontoam, em cachos, nos balcões das televisões fala. Divagam, enumeram lugares comuns, dizem tretas -- nível exibicional, graus de expectativas e trololó -- e não passam disso. Em testosterona ainda nenhum falou. Ou seja, ir ao cerne da questão cá para mim só mesmo aqui eu, a pobre coitada da UJMzinha que não percebe patavina de futebol.

____

A banda sonora do Braveheart tem a ver com a espécie ilustrada nas quatro últimas fotografias.

..

9 comentários:

Rosa Pinto disse...

Eu acho que os tugas são tão bons que até se enganam a si próprios que sabem jogar muito bem!

Anónimo disse...

Como sempre, uma delícia este seu texto! Que pena que eles não a leiam!

Bom fim de semana.

Maria Luísa

Anónimo disse...

perde tempo com isso?...

Rosa Pinto disse...

Olá.

Ontem rumei a Dornes e lá fui comer os maranhos no restaurante - Ponte Romana (sertã). Iguaria que só tinha degustado uma vez em lisboa (não tinha ficado fã). Pois estes maranhos recomendo. Sabor intenso a hortelã(gosto parecido com as carnes cozidas de um bom cozido alentejano), acompanhado com batata frita e couve salteada. um mimo!

Anónimo disse...

Atão e a Quaresma?!!!! Rita :-)

Um Jeito Manso disse...

Olá Rosa!

Já vi que lá foi passear pelos belos recantos do nosso Portugal e provar os pitéus da genuína gastronomia portuguesa. Não é tão bom, tudo?

Quanto aos nossos tuguitas, faz-me impressão aquelas imagens em que o Ronaldo lá segue com o seu séquito todo, mãe, namorado da mãe, irmã, filho, deve ser a ama do filho e mais uns quantos que não faço ideia quem sejam, e no fim do jogo a mãe a opinar sobre o desempenho da selecção e do filho, e de tudo ser muito mediatizado, quase infantilmente mediatizado.

E os rapazes deixam-se levar nesta onda, de que são os maiores e, depois, parece que, lá dentro, não se polarizam como deveriam.

Não percebo nada, mas, do pouco que vejo , é o que me parece.

Tirando isso, torço para que atinem e ganhem. Uma coisa de orgulho nacional. Nem sei.

Um abraço, Rosa!

Um Jeito Manso disse...

Olá Maria Luísa,

Tenho que arranjar o nº do telemóvel do Fernando Santos para lhe enviar sms nos momentos decisivos. Mas toda a gente acha que eu não percebo nada disto, ninguém me leva a sério, snif snif...

Um abraço, Maria Luísa, e muitas gracias pelas suas amáveis palavras!

Um Jeito Manso disse...

Olá Anónimo/a,

E então não é que, de vez em quando, perco mesmo...? Por enquanto ainda não muito. Mas, se eles atinarem e passarem à fase seguinte, pode crer que me terão a torcer por eles de forma mais activa.

Na última vez em que houve uma destas em horário laboral, parou tudo e avançaram os tremoços e ala que se faz tarde, toda a gente a ver televisão e a torcer. Não me lembro se vieram também as minis... (acho que não, não é permitido álcool no local de trabalho...)

E viva Portugal!

Um Jeito Manso disse...

Olá Rita!

Sabe que eu estava a escrever e a pensar: bolas, aquele ciganão deve estar bem servido de testosterona... a forma como ele, no outro dia, se atirou à bola para a meter na baliza...

Mas depois deixei passar: aquilo ali é tatuagem a mais, liga muito à beleza.

De qualquer forma, está debaixo de olho. Se voltar a marcar golos logo o elogio com generosidade. Por enquanto, está em observação...

Um abraço, divertida Rita!