Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

sexta-feira, junho 24, 2016

E agora, Caro Leitor, que já pode saber a sua idade mental, saiba também qual o seu grau de beleza.
Faz-se o teste num instante -- e é infalível.
Também já fiz. No fim logo vos digo o resultado.


Pois, bem sei, bem sei. Escusam de criticar, de mostrar o vosso desdém. Devia falar do referendo e estou nisto. Devia. Mas com o sono com que estou eu quero é que os ingleses de duas uma: ou que tenham muitos meninos ou que vão dar banho ao cão. Sei que isto é capaz de soar a coisa de loura burra e não sou eu que vou desdizer alguém. Loura burra, cabeça de alho chocho, feliz e pobre de espírito, por causa de gente como eu é que o mundo está como está... e todas essas verdades, verdadinhas, que eu sei que, a esta hora, estão vocês aí a pensar.

Certo. Quem sou eu para contrariar quem assim pensa? Ninguém. Se acham, então acham muito bem.

Mas que hei-de eu fazer, poor me, se, a esta hora, não tenho pachorra para mais do que isto...? Podia dissertar sobre se é de agora ou de sempre que os povos e as nações e os ingleses e os outros têm todos cabelo cor de palha como o bizarro ex-mayor ou boca em forma de biquinho como o totó do Cameron, que se meteu nisto e agora treme que nem varas verdes, e se uns queriam mas disfarçavam ou os outros diziam que sim mas afinal talvez -- ou se a raça humana tem vindo a perder neurónios pelo caminho e agora só está bem a armar baderna. Podia. Mas isso era se tivesse pachorra. Ora quero cá eu saber de carnavais. Só se forem dos bons, agora disto...?

Não dá. Falem-me de palermices que talvez eu me interesse. Agora de brexits ou de auditorias à CGD só se for a outra hora. A esta é o que sabem.

Abaixo já vos mostrei o teste que facilmente poderão fazer e através do qual poderão conhecer a vossa idade mental

Este agora aqui também é simples e, pelo menos a mim, deu um resultado que não me pareceu muito disparatado (se eu quiser ser sincera): 230 (e, caso tenham curiosidade, logo lá verão a que é que isso corresponde, que o importante é saber o que vos dá a vocês)

How beautiful are you?



--

Andei à procura de um poema que falasse de beleza e de homens e mulheres, lido pela voz quente do Tom O'Bedlan, um bem romântico, por exemplo, She walks in beauty ou coisa assim; mas esta minha driving force, que me conduz para o lado maluco dos caminhos, leva-me a escolher outro.

Este não é bem um poema no sentido tradicional do conceito: será mais uma lição para todos os homens que não fazem ideia de como lidar com uma mulher:

"When a Woman Loves a Man" de David Lehman (lido por Tom O'Bedlam)

Leia-se, por exemplo:

(...)
And when she says, "I'll never speak to you again,"
she means, "Put your arms around me from behind
as I stand disconsolate at the window."

He's supposed to know that.
(...)

___

Desculpem eu não responder, uma vez mais, a mails ou comentários. Talvez para a semana eu já esteja mais aclimatada. Mas, enquanto não, estou aqui mais a dormir que acordada, uma desgraceira que só vista. Hoje nem peguei num livro (mas, também, cheguei a casa já passava das onze; da noite!)
___

As mulheres com sombras vegetais foram fotografadas por Emilio Jiménez

_____

Por isso, apenas consigo recomendar-vos que tentem descobrir a vossa idade mental através de um teste muito rápido e eficaz. É só descerem.


2 comentários:

Tété disse...

Pois é Tazinha, a mim deu 210 e estou no seu grupo. Também me pareceu ajustado. Acho imensa piada a estas coisas. Eles dizem para subscrever para receber os testes com assiduidade. A Tá parece-me que disse um dia destes que tinha subscrevido. Paga-se alguma coisa?
Mais um beijinho pela partilha destas coisas giras.

Rosa Pinto disse...

acabei de fazer - 230!!!!! lol