Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

segunda-feira, abril 04, 2016

OMGYes que é como quem diz Oh my God...Yes...!
-- é o nome do site que explica tudo o que há a saber sobre o Big O
ou seja, o Orgasmo Feminino
Vamos lá a aprender, minha gente: é pr'ó menino e pr'á menina.
E, por causa disto, nem vou desenvolver aquela decisão inteligente do Láparo de se rodear de 4 belas espingardas na vice-presidência do PSD
E, claro, muito menos, falo dos Offshores e dos bichos caretas que, por lá, escondem e lavam o Big Money


Ora bem. Depois de ter partilhado convosco a minha breve visita à Tapada das Necessidades e de ter divulgado a hilariante campanha #PutMeFirst, chego então ao Big O. E, antão, assim sendo, vamos lá.


Oh my god... yes!




Nota introdutória

Mas primeiro deixem que confidencie: esta não era a minha ideia inicial. Estava numa de falar do estarola do Láparo que ainda não percebeu que, se uma coisa tem virtudes, pode deixar de as ter se ingerida em overdose. Já com aquilo da troika foi a mesma coisa: ele poderia ter seguido o memorando na dose recomendada; mas não: foi tudo em dose reforçada e à bruta. A menina padece de diarreia? Pois então vai Imodium, mas, se o Imodium faz bem, pois tome a menina três de cada vez e de hora a hora. E quando a menina, entupida até ao pescoço, for parar ao hospital a culpa terá sido da menina que é uma piegas.

E, portanto, seguindo o mesmo brilhante racional, se o Bloco de Esquerda se está a sair bem com a Catarina Martins e a Marisa Matias e se o PS também promoveu a Ana Catarina Mendes e se o CDS também lá tem agora a Cristas, pois ele há-de ultrapassá-los a todos e, de uma assentada, puxa 4 (quatro!) mulheres para vice-presidentes. E olha quem... : uma Pinókia, uma Peixeira, uma Sócia de uma boutique law firm e uma não sei bem o quê. Diz o meu marido: vai ser bonito quando desatarem todas a falar ao mesmo tempo... E todos os males fossem esses. Tem olho para tomar boas decisões, este Coelho. Não aprende, mas é que não aprende mesmo. Coisa nenhuma. Um caso perdido.

E, estando eu com esta em mente, vou ver as notícias para confirmar, não fosse ter percebido mal, e dou com aquela fuga de informação que revela parte da big laundry que grassa por esse submundinho da alta finança, do futebol, da baixa política, dos negócios, dos big cartéis de tudo e mais alguma coisa, off shores para tudo o que é bicho careta. E, perante, esta inundação de água suja, fico a pensar: caraças, mas o que é aquela infantilidade acéfala do láparo ao pé desta enxovia?

No entanto, estando ainda em fraca forma e ainda algo debilitada, senti que estava sem fôlego para tema tão longe da minha fraca sapiência na matéria. E, enquanto pensava que, a um domingo à noite, ninguém merece sujar os dedinhos com dinheiros escondidos por putins, pais de camerons, messis e até por idalécios de castro rodrigues de oliveira, resolvi refugiar-me num abrigo que, face a tudo isto, me saberia a edulcorado paraíso: a Madame Le Figaro. E por ali andava eu, descansada, vendo toilettes de casamento, sabendo da escolinha do petit prince George, quando dou com uma notícia que envolve a carismática jovem Emma que se tem destacado na luta feminista no mundo do cinema. Eu conto.

The Big O



Emma Watson veut démystifier l'orgasme féminin, ou seja, a jovem e bela feminista quer desmistificar o orgasmo feminino.


Curiosa, claro está, fui ver - é que nem fazia ideia que a coisa se tinha deslocado para terreno místico. Pois bem, diz a bela Emma que, desde que começou a contactar esta realidade, o OMGYes, tem sido uma revelação, que anda a descobrir os impenetráveis mistérios do orgasmo feminino.
Para começar, não sei se a palavra impenetrável aqui está bem escolhida e, a seguir, não sei se a coisa é misteriosa. Mas adiante.
Ou seja, avancei na leitura.
E estou a escrever isto em tom de brincadeira mas, por acaso, não é. Lembro-me de uma Leitora ter escrito que falo sobre o prazer feminino como se fosse um dado adquirido e não é, e contou que é um problema que tem e que lhe tem causado graves dificuldades ao longo da vida. Ao ler as suas palavras sentidas, imediatamente apresentei as minhas desculpas. É um assunto que não deve, mesmo, ser levado na ligeireza pois o prazer faz parte da vida e quem o não consiga alcançar deve mesmo procurar ajuda. Por isso, é sobretudo a pensar nas mulheres que não conseguem atingir o orgasmo (em França são 49%) ou nos homens que não fazem ideia de como agir ou de quem tem vergonha de assumir dificuldades, que aqui trago este tema. Sem tabus. O nosso corpo não deve ser um mistério nem uma fonte de vergonha. O nosso corpo deve ser compreendido e estimado. E o prazer não é pecado: é um direito. E um dever.
Couples who constantly explore new ways to increase pleasure are 5 times more likely to be happier in their relationships and 12 times more likely to be sexually satisfied.

Dado o adiantado da hora, segue mesmo em francês. Quem não saiba o suficiente da língua, pode tentar o translator da google mas, atenção, nada de conclusões precipitadas porque é sabido que o translator é useiro e vezeiro em aguadas.
Lancée en 2015 par la photographe Lydia Daniller et un pro du numérique, Rob Perkins, la plateforme OMGYes a pour but de montrer les bons gestes pour atteindre l'orgasme féminin, à travers des vidéos réalisées par des femmes et, dirons-nous, plutôt explicites. Témoignages, astuces, diagrammes, démonstrations, exercices pratiques... Valorisé par de véritables recherches médicales, le site promet « la première étude à grande échelle consacrée aux spécificités du plaisir féminin ».
Concrètement, près d’une cinquantaine de vidéos sont proposées, au prix de 25 euros chacune. Un investissement honnête pour des résultats semble-t-il garantis : « J’aurais aimé que l’expérience dure plus longtemps, s'est enthousiasmée Emma Watson pendant le débat. Le montant de l'inscription peut sembler cher mais les résultats sont vérifiés, ça vaut le coup », a précisé l'actrice, qui trouve nécessaire aujourd'hui de « démystifier l’orgasme féminin ». Selon une enquête de l’Ifop publiée en décembre 2015, 49% des Françaises admettent avoir « assez régulièrement » des difficultés à atteindre l’orgasme.

Ora, então, apesar do intuito do site ser vender vídeos a 25 euros cada, vamos lá entrar nele, só para ver como é: cliquem, por favor, no link.

Levantando o véu do prazer feminino, Oh my God... Yes:
OMGYes.com


Para quem não queira aventurar-se pelo site, aqui fica o vídeo de apresentação.

OMGYES Research based study exploring women's sexuality




E, para os que entraram no site e não são bons na navegação mas gostariam de perceber de que se trata, aqui fica o link para alguns exemplos, com casos práticos (atenção: com bolinha encarnada no canto). Estes podem ser vistos sem serem comprados pois são de curta duração e meramente exemplificativos. Não sei se conseguirão vê-los directamente ou se terão que, antes, confirmar que têm mais de 18 anos. E admito que os meus leitores sejam maiores de idade porque, se o não forem, deverão parar aqui e pedir informação aos papás e às mamãs, está bem?

___

E, ao verem o que aqui coloco à vossa disposição, espero estar a contribuir para melhorar a vossa qualidade de vida - pelo menos, das minhas Leitoras (ou dos meus Leitores que têm parceiras e que ainda não perceberam bem a coisa, que é como quem diz).
____

Acabemos com um pas de deux



Melody Mennite e Ian Casady dançam Petite Mort numa coreografia de Jiri Kylian

................................

E, agora, caso ainda não tenham lá estado, convido-vos a descerem até à Tapada das Necessidades
(depois deste post, o nome 'Tapada das Necessidades' até soa algo dúbio, ou é impressão minha?)

...

4 comentários:

P. disse...

Essa história do “Panamá Papers” não nos traz nada que não soubéssemos. Ninguém se escandaliza com o facto de os valores ou números (obscenos) que se encontram a salvo em paraísos fiscais, ludibriando os diversos Fiscos nacionais, são mais de metade do PIB mundial e maior do que o PIB da União Europeia junta. E no entanto, vemos alguns representantes desse “Ninguém”, como o FMI, o BCE, o Eurogrupo, os vários representantes da Direita, cá e lá por fora, preocupados mas é com cortes nos pensionistas, nas prestações sociais, na saúde e no ensino públicos, etc. Ainda há pouco, essa imunda Instituição Internacional que dá pelo nome de FMI se insurgia contra as tímidas reformas avançadas pelo nosso António Costa. E esse psicopata do Passos tão pouco se escandaliza também com este tipo de situações.
Mudando de assunto. Vou ver atentamente esse coisa do orgasmo feminino. Uma vizinha nossa, estrangeira, que já nos deixou, foi para Espanha, não se inibia de dar a conhecer à rapaziada que por ali vive, na nossa mini-aldeia, os orgasmos que tinha, sempre que o namorado, estrangeiro como ela, a visitava (entre Maio e Outubro), pois tinha o hábito de deixar a janela do quarto aberta.
P.Rufino

Anónimo disse...

Este post é verdadeiro serviço público! Acho que cumpre em primeiro lugar agradecer :-) O orgasmo feminino é muito diferente de mulher para mulher. Penso que a razão disso é ser construído mais na mente que no corpo. E as nossas mentes são mais diversas que os nossos corpos. Rita

Um Jeito Manso disse...

Olá P. Rufino,

Isto dos Panama Papers apenas vem comprovar o que se intuía. Surpresa não se pode dizer que seja. mas vendo o esgoto a céu aberta enoja um bocado mais.

E eu, a propósito da sua vizinha, lembrei-me de um colega que contava que tinha uma vizinha italiana, danada para a brincadeira, que era desempoeirada de dar gosto. Ele, sempre que podia, ia ficar à sua casa de campo que era do outro lado da rua da italiana e, segundo contava, era uma festa, rejuvenescia 10 anos de cada vez (dizia ele).

Na brincadeira, dizíamos que ainda o haveríamos de ver lá chegar de calções e bibe, tamanho o rejuvenescimento.

Um Jeito Manso disse...

Olá Rita,

Tem razão: o sexo, tal como o amor, são 'coisas mentais' e nada como a imaginação para que tudo fique melhor temperado. E, claro, o tempero é coisa que cada cozinheira escolhe consoante a sua habilidade, disposição ou companhia (ia dizer com o 'comensal' mas como a língua portuguesa é traiçoeira, emendei).

Importante é que se perceba que não é tema tabu.

um abraço, Rita-boa-Onda.