Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

quarta-feira, abril 20, 2016

Mário Centeno, Carlos Costa, Maria Luís Albuquerque, Banif, Santander, BCE, etc, etc, etc
- Agora muito a sério:
efectivamente para que é que servem as Comissões de Inquérito Parlamentares?
Se é para dar canal não seria melhor montar um espectáculo à base de um detector de mentiras?
Pergunto.


Carlos Costa e Marilú, dois que já têm o rabo pelado, que já tiram as Comissão de Inquérito de letra

De cada vez que há uma Comissão de Inquérito -- especialmente destas mediáticas em que desfilam sumidades atrás de sumidades, ministros, ex-ministros, banqueiros, ex-banqueiros, reguladores, pseudo-reguladores e toda a espécie de gente, todos sujeitando-se às enxundiosas pesporrências do justiceiro Amorim ou às perguntas secas da pérfida Mortágua ou dos outros, as câmaras das televisões e dos fotógrafos apontadas às caras -- eu interrogo-me: what's the point? Para que serve aquilo para além de proporcionar prazer a alguns dos inquisidores?


Juro que estou a perguntar. Só a perguntar. Se não deixo isto bem claro ainda me arrisco a que o Leitor José Neves aqui apareça a dar-me na cabeça, que eu estou a formular juízos antecipados e que isso só prova a minha ligeireza quando confrontada com assuntos sérios. Ora, não estou a fazer juízos antecipados, não senhor. Juízos, nunca, que eu sou desajuizada mesmo. É mesmo uma dúvida minha.

É que os vejo a chocarem, a chocarem, e nunca dali vi nascer nenhum pinto. Ok, sai um relatório. Mas so what? O relatório serve para quê exactamente?

Ou aquilo serve de braço armado de alguma força policial ou é uma extensão da procuradoria ou dos deputados, quais consultores, sai um conjunto de melhorias a implementar ou, então, todo aquele filme me parece apenas uma forma barata das televisões encherem chouriços.

Ora, se é coisa feita de propósito para dar canal, como dizem os meninos e meninas dos Big Brothers, então sugiro que se faça uma coisa mais artilhada. Sugiro que se dotem de um polígrafo. De cada vez que o inquirido disser uma mentira, o detector de mentiras apitava e iam inquirindo até que a coisa ficasse muda e queda e sobre a cabeça do interrogado aparecesse uma auréloa.

E até acho que podiam criar uma página no Face para que, quem quisesse, sugerisse perguntas. Até eu me inscrevia para mandar brasa.

Ao Carlos Costa perguntava se era verdade que ele usa cuecas de fio dental e teve, em tempos, um namorado gigolo. 


À Marilú perguntava se ela usa aquele vestido preto e branco que lhe realça a rabadilha porque não teve cuidado a escolher ou se acha que assim fica mais sexy. 


Só para ver como é que a coisa resultava. E se o Carlos Costa não percebesse a pergunta, dizia que o tinha confundido com o da Casa dos Segredos já que são os dois igualmente inúteis como reguladores mas que, então, respondesse a outra: passa os dias a dormir ou é ceguinho? 


Uma coisa assim como esta aqui abaixo.

Um detector de mentiras usado nas entrevistas de emprego


(Também me parece uma boa ideia)



NB: 12 inches = +- 30 cm

(Percebe-se...)

....

2 comentários:

josé neves disse...

Cara de UJM
O leitor jose neves, nete caso, não acha nada estes juízos antecipados, pelo contrário, acha-os atrasados;há muito que penso tal qual aqui se expressa UJM.

Um Jeito Manso disse...

Olá José Neves,

Já me ri com o seu comentário. Boa. Receava que afinasse mas afinal tem sentido de humor. Boa.

Um bom dia para si!