Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

quinta-feira, março 17, 2016

No templo em minha casa à janela
no campo ou no jardim
em todo o lado
o meu amado deita-se comigo




Brinquei durante muitos anos
com as outras raparigas
Agora de repente fiquei com medo
Vou subir uma escadaria tão alta
Tenho que perder esse medo
se quero encontrar o meu amado

Tenho que despir as minhas vestes
e encontrar-me com ele em toda a minha nudez
Os meus olhos serão as lamparinas

Se aquilo que sentes pelo amado
não é desejo
porquê então vestires-te assim
e passares tanto tempo a escurecer as pestanas?

___

Jill Barber  interpreta A Kiss to build a dream on

O poema do título e o outro, tal como os do post abaixo, são de Kabir no livro 'O nome daquele que não tem nome' em versões de Jorge Sousa Braga


2 comentários:

Anónimo disse...

Sapatos de salto alto vermelhos...Nunca! Não entendo como uma mulher se pode julgar elegante usando-os.
P.Rufino

Anónimo disse...

Pois acredito que não é qualquer mulher que ficará elegante com uns sapatos vermelhos, como não ficará elegante com outra cor qualquer. Não há milagres.
Eu gosto de sapatos vermelhos de salto alto. A bem dizer gosto deles com qualquer salto. Não estarei na melhor forma para os usar. Mas que há 'conjuntos' maravilhosos de salto vermelho, ai isso há.
L.