Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

sexta-feira, fevereiro 05, 2016

Eu e a moda -- e a alta-costura Chanel, colecção primavera/verão 2016



Não serei a pessoa mais indicada para falar de moda. Embora goste de me vestir com um certo cuidado, não gosto de gastar muito dinheiro em roupa. Não vou atrás de modas, prefiro as coisas de que gosto e que não se vêem por todo o lado. Por exemplo, se as franjas estão na moda, certo e sabido que não uso nada que as tenha. Se o xadrez é o hit da saison, mais do que certo que eu lhe passo ao lado. 

Não me importo -- e, aliás, gosto -- de misturar cores, comprimentos. Gosto de assimetrias e de cores sobre cores e de écharpes. Não me ensaio nada para usar caças estampadas de um tecido atípico e conjugá-las com blusas clássicas, lisas. Gosto de articular a roupa com os sapatos e com os brincos, colares, anéis, pulseiras (geralmente tudo bijuteria e com conta, peso e medida).

Anna Wintour,
editora-chefe da Vogue americana
(que inspirou a personagem que Meryl Streep
interpreta em O Diabo veste Prada)
Dantes, quando não tinha este ofício nocturno do blog, chegava a pegar em blusas normais e fazia-lhe alguns bordados com pedras, tornando-as em peças verdadeiramente diferentes -- isto muito antes de se verem à venda blusas com pedras no decote. 

Como não gosto de usar roupa grossa porque sou encalorada, uso geralmente blusas fininhas, depois um casaquito fino, depois outro igualmente fino mas mais grossinho que o anterior. Este geralmente fica no carro e o outro salta mal entro no gabinete. Geralmente tenho também no carro uma capa de lã ou coisa do género para, quando chego à noite e vou fazer uma caminhada sem ir a casa, vestir tudo, umas coisas por cima das outras (tenho uns ténis no carro). É assim que me sinto bem. 

Gwyneth Paltrow
Nas noites frias, o meu marido vê-me assim e pergunta se acho que está tempo para andar tão mal agasalhada, casaquitos finos, um por cima do outro, e uma capa de lã ou um casaco geralmente de meia manga, de lã, por cima. Digo-lhe que sim, até porque ponho uma echarpe de lã quente à volta do pescoço e sinto-me logo aconchegada.

Portanto, não sou dada a últimos gritos da moda, a roupa de marca, a delírios fashion. Prezo o meu gosto pessoal que é desconstruído e descontraído.

Claro que, conjugando isto com uns saltos bem altos, a coisa ganha logo um ar mais 'a sério' e já posso exercer as minhas funções sem me sentir muito diminuída ao pé das minhas colegas de escritório que levam a moda muito a sério.

O meu marido uma vez ofereceu-me um fato completo, calças e blaser, Armani. Foi comprá-lo com a minha filha. É intemporal. Surpreendeu-me e encantou-me. Jamais esperaria que tivesse tal ideia e que tivesse, por ele, tomado a iniciativa de chamar a minha filha para ir com ele escolher tal coisa. E, se bem me lembro, a minha filha contou que o pai lá entrou, olhou à volta e disse que gostava daquele. Como habitualmente, em três tempos despachou o assunto. E a verdade é que acertou em cheio. Mas eu, por mim, não me sinto minimamente tentada a gastar dinheiro numa toilette de tal calibre. Sou mais de andar a descobrir raridades e autênticas pechinchas nos fins de saldos.

Cara Delevingne, um dos ícons Chanel, com o seu cão
e com um casaquinho transparente, bordado, lindo

Agora uma coisa é certa: se um dia me saírem uns milhões no euromilhões, para além dos destinos que já lhes estão destinados, dar-me-ei ao luxo de entrar na Casa Chanel em Paris para escolher um ou outro modelito.

Além do mais, se há coisa de que gosto é de ver o acto de costurar. E, quando a costura é arte (como é o caso da alta-costura), então é um fascínio.

Partilho convosco dois vídeos relativos à colecção Chanel Primavera/Verão 2016.


Vejo isto e apetece-me logo tirar ideias, desatar a aplicar coisinhas em blusinhas, pintar, bordar, pregar contas, pedrinhas, florzinhas. 

(Mas ou faço isso ou estou aqui a escrever estas coisecas, para as duas coisas o tempo não estica)





Entrevista com o mago da alta costura - Karl Lagerfeld, o sempervirens



...

Desejo-vos, meus Caros Leitores, uma magnífica sexta-feira.

.........

4 comentários:

Rosa Pinto disse...

Tirei algumas ideias. Os ténis e um abafo no carro.

Anónimo disse...

pois eu friorenta como sou visto duas parcas acolchoadas tenho inclusivé uma tamanho xxl para poder vestir por cima da outra; também enfio um daqueles carapuços à terrorista em que fico só com os olhos de fora e um cachecol de lã a dar 4 voltas ao pescoço mais umas luvas que mais parecem de motard e dois pares de meias em sapatilhas 2 números acima e uns colans cardados (bendita a hora em que os inventaram porque dantes eram 2 pares) por baixo das calaças
eheheheh
GG

Humberto Barbosa disse...

Caríssima UJM, boa noite
O seu marido já sabe que abriu uma loja CHANEL em Lisboa ?

http://www.nit.pt/article/02-04-2016-ja-abriu-o-primeiro-espaco-chanel-em-portugal

Desejo-lhe um óptimo fim de semana
HB

Um Jeito Manso disse...

Olá Humberto!

Grandes notícias. Posso não ir lá arejar a carteira mas, de certeza, que irei animar a vista. Agradeço a indicação. Estou é na dúvida sobre se hei-de deixar cair a dica junto do meu marido... Mas, às tantas, ele lê o seu comentário.

Obrigada!