Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

segunda-feira, fevereiro 01, 2016

Batem nas portas palavras, sobem as escadas desta intimidade.



A manhã começa a bater no meu poema.
As manhãs, os martelos velozes, as grandes flores
líricas.
Muita coisa começa a bater contra os muros do meu poema.


(...)
- A manhã começa a colocar o poema na parte
mais límpida da vida. E o povo canta-o,
enquanto se desfaz nos campos 
Que se levantam aos cumes da seiva.
A manhã começa a dispersar o poema na luz incontida
do mundo.


Herberto Helder :: A manhã começa a bater no meu poema


 VIDEO_POEMA #44 da autoria de CINE POVERO



Da ficha técnica do vídeo:
Herberto Helder (1930-2015):“O poema, VII” in «A Colher na Boca» (1961), dito pelo próprio num disco Vinyl, editado pela Philips, para a série Poesia Portuguesa (1968).
Audio: World’s End Girlfriend, “Black Lake OST”. Vídeos retirados da internet
__________________

As fotografias feitas este domingo in heaven
________________________________________

Desejo-vos, meus Caros leitores, uma excelente semana a começar já esta segunda-feira.
Be happy.

..

Sem comentários: