Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

quinta-feira, outubro 08, 2015

Ao terceiro post da noite no Um Jeito Manso já não há cagarras nem social-cagarras, nem PàFs nem social-Pafiosas, nem bardajonas alemãs nem padrolas de pau carunchoso: só há velhinhas a protestarem por mais sexo.


Pois é, meus Caros, o meu dia voltou a ser uma coisa naquela base. Nem digo nada para não me verem como a mestra do déjà-lu. Mas em consequência do que foi, já me deixei dormir aqui, nesta cadeira, umas quantas vezes. Felizmente só me dá para cabecear, senão já estava estatelada no chão há que séculos. Olha, se fosse sonâmbula e me desse para escrever coisas parvas... Estavam vocês aí à espera de ler coisa esperta e só vos saía macacada. Mas não, cabeceio, acordo, escrevo, adormeço e volto a dar saltos como se estivesse a cair do texto abaixo mas não passo disto, mantenho-me uma cabecinha pensadeira.  Contudo, não quero desafiar a minha sorte e, por isso, com vossa licença, vou atalhar razões e dizer-vos que, a seguir, poderão encontrar o caminho para um dos melhores blogues da actualidade onde darão com um texto que deveria ser emoldurado e afixado em todas as paredes públicas, especialmente nas das cidades em que ganharam os PàFs, E, mais abaixo ainda, encontrarão a fotografia daquela que terá sido a escola da turminha dos pafiosos e, en passant, ainda aproveito para uma de corte-e-costura em volta das madamas da coxa grossa e das mademoiselles da barbicha esfiapada que por aí andam, todas nervosas, com isto do PCP apoiar o Costa e do Costa se estar a portar como a charneira do regime. Consta que, histericazinhas, já culpam o Mister por não ter sido mais claro e não ter dado um valente chega para lá nos piolhosos dos esquerdalhos.

Mas adiante, que isso é a seguir a este. Aqui, agora, viro-me para a vida como ela é.







Já se sabe que os novos 50s são os antigos 40s e que as balzaquianas de ontem são as ninfetas de hoje. E já se sabe também que é depois na menopausa que as mulheres descobrem a amplitude máxima da sua sexualidade e mais umas quantas coisas agradáveis para elas e para os seus respectivos parceiros sexuais. O tema dava pano para mangas mas, a esta hora e já a dormir, o texto fica mesmo de alças.


Portanto, deixa-me ir direita ao tema: li uma notícia ainda mais fantástica do que a da jovem mulher que se divorciou por não suportar ser gozada por ter um marido pequenino. Agora é uma italiana fogosa, professora reformada que já vai no terceiro marido, que se queixa do marido não dar fogo à peça com a frequência que ela almeja. A habilidade do homem não dá para mais do que duas vezes por mês e o que é isso para quem tem apetite para muito mais?

Pediu divórcio, deu as suas razões e, apenas quando o advogado tentou mediar o desaguisado, é que ela condescendeu: que não queria mesmo ver-se livre de mais um maridão, queria mesmo era que ele tomasse viagra. O pobre homem alegou em sua defesa que se entregava ao jogo da petanca em vez de aos jogos de cama para que a mulher o desencaminhava porque sofre do coração e não pode tomar o comprimido azul. Coitado.

Mas até aqui nada de especial: homens de fraco alimento é  o que não faltam e mulheres desanimadas com a falta de competência do companheiro idem. 




A graça disto é que a dita senhora tem 84 anos. 84. E o maridão tem 88. Na volta, aos 84 as mulheres já são todas assim: duas por mês? Era o que faltava. Duas por semana e é o mínimo. Menos que isso é divórcio por falta de comparência. Nem mais. Assim é que é.

Se por aí estão algumas Leitoras também desiludidas com o desempenho fraquinho, fraquinho do maridão, nada de desanimarem. Protestem, reivindiquem, façam manifs à porta do quarto,  falem com a Avoila para criar um sindicato, qualquer coisa. Mas nada de se resignarem. Agora uma coisa vos aconselho eu: nada de desfazerem um viagra às escondidas no copinho de leite não vá o pobre sofrer mesmo do coração e ainda ficar com ele erecto todo o santo dia (ele, o coração, claro).

....

A segunda fotografia mostra a talentosa Helen Mirren, uma jovem de 70 anos, e a primeira e a terceira mostram Carmen Dell'Orefice, primeiro quando era uma virginal menina e agora, uma moça justamente com 84 anos.

Jane Birkin e Serge Gainsbourg interpretam La décadanse
..

E queiram, por favor, deixar-se deslizar por mais dois posts por aí abaixo.


3 comentários:

Rosa Pinto disse...

A idade não conta. Parabéns a quem festeja mais um ano de vida.

Anónimo disse...

De algum modo, esta questão fez-me repescar uma coisa que ouvi, esta manhã. Algo de uma bizarria que só visto. Estava eu a andar na Baixa, cerca do meio-dia, quando me apeteceu entrar num café, a fim de tomar uma bica. Perto do balcão, por detrás de mim, enquanto aguardava que a menina me servisse, um televisor fazia eco de uns sons estridentes. Era a voz da Cristina Ferreira, a tal da Revista, num programa qualquer, com o Goucha, ao que julgo, fantasiado de qualquer coisa, pelo menos pareceu-me. E, já a bebericar a minha bica oiço a dita Cristina, em conversa com uma senhora qualquer, aparentemente vendedora de um “determinado produto”, a anunciá-lo e a explicá-lo, para gaudio da tal Cristina. E o que era o produto? Uma coisa qualquer que visava o “rejuvenescimento vaginal”. E, em grandes parangonas, na parte inferior do ecrã, a vermelho, para o telespectador ver melhor, lá estava escrito: Rejuvenescimento Vaginal. A rapariga que me servira a bica até estava com os olhos esbugalhados e eu quase que me engasguei, com o raio da bica. E a conversa lá continuou, rejuvenescimento vaginal para aqui, rejuvenescimento vaginal para acoli. Paguei os 65 cêntimos da bica, encolhi os ombros, sorri-me e recebi de troco outro sorriso embaraçado da pequena do café. Acredito, porque sou um homem de fé, que a rapariga seguramente ficou a aprender alguma coisa, quem sabe valiosa, para o futuro, daquela conversa, em altos berros, depois de eu ter saído. E deu-me para pensar, enquanto andava, que mais se irá inventar no meu tempo de vida? Por exemplo, um remédio para os tais indivíduos baixos de que falou num Post anterior, que os faça crescer num instante, para o tamanho que desejarem? Ou uma pomada que depois de aplicada no rosto de cada um os torne irresistíveis a terceiras, ou terceiros (no caso de uma mulher)? Já nada me admiraria, depois desta do rejuvenescimento vaginal. Este mundo afinal tem muito mais piada do que supunhamos.
P.Rufino
(PS: caso julguem que inventei, ou alguém esteja eventualmente interessada em saber no que consiste, suponho que poderão ver este episódio, "com carácter comercial", recorrendo à Net, na TV (TVI creio), ou You Tube. Deve lá estar.)

Anónimo disse...

Não inventou não Rufino, e pela mesma hora na SIC inquiria-se Vitor Sousa sobre o seu desempenho sexual.
Muito interessantes os programas da nossa TV!