Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

domingo, julho 26, 2015

O primeiro sábado (desde há muitos e muitos anos) em que não vou comprar o Expresso: parece um jornal de campanha dos PAFs. Uma propaganda vergonhosa. Não vou comprar, espero que muita gente não compre e não voltarei a comprar até que me pareça que ganharam vergonha na cara.


Mostro aqui as capas do Expresso principal, do suplemento de Economia e da Revista deste sábado. E o que tenho a dizer é que espero que lhes faça muito bom proveito mas os meus 3,2 € não vão eles ver. Apesar de mil reservas que vinha acumulando e apesar do meu marido já se recusar a lê-lo, sempre me mantive fiel ao meu velho hábito de, ao sábado, ler o Expresso. 

Pois bem, a visão das capas da edição deste sábado fez-me saltar a tampa: passaram das marcas, perderam a noção.

Montenegro, Cavaco, o que o Portas gostava de ter feito, as novas políticas sociais da Coligação e sei lá que mais. Pois quem não os conheça que os compre. Eu é que não! Expresso bye bye!


E, enquanto escrevo, estou a ver na televisão e tenho isto na SIC N e só ouço falar da devolução da sobretaxa, depois é o Pires de Lima também a prometer trinta por uma linha. E agora está o Cavaco a bolsar a conversa do costume. Intragável isto. Só por preguiça não vou buscar o comando para os mandar bugiar. Parece que tudo o que é do Balsemão foi tomado de assalto pelo Governo e demais Pafs. 

Pode ser que lhes saia o tiro pela culatra. É preciso topete para um disparate destes.






E como se não chegasse já de (des)governo, coligação e o escambau ainda mais o Cavaco.
Cavaco, cavavo, cavaco.

Mas depois de andar a gramar com este cavaco há 30 anos, ainda ia comprar o Expresso para levar com ele em cima?
Mas julgam que eu sou maluca ou quê?
Caraças.

----

Portanto, enquanto a onda for esta: verei o Expresso apenas por um canudo e é se for.
Comprá-lo nem pensar.

....

Nota escrita a posteriori, já na noite de sábado:

Caso queiram saber se ressaquei ou se tive algum episódio de carência por ter passado um sábado sem Expresso, queiram por favor clicar aqui.


----

Para histórias de alunos e professores, queiram, por favor, descer até ao post já a seguir.

----

Desejo-vos, meus Caros Leitores, um belo sábado.
  Peace and love.


13 comentários:

Anónimo disse...

O Maçães é sexy
https://twitter.com/macaesbruno/status/624668291454369792

Anónimo disse...

Há muito que deixei de comprar essa porcaria do Expresso.
P.Rufino

Rosa Pinto disse...

A vergonha era verde comeu o burro.

Braga por um canudo - um amigo explicou o que queria dizer esta expressão. Ver Braga por um monóculo que existe no Bom Jesus de Braga.

Maria Brassard disse...

também já deixei de comprar o expresso e de ver a sic notícias. É uma vergonha!
M Brassard

Luís Coelho disse...

Pois eu, minha cara, há muito que me deixei disso. Numa resposta aos serviços daquele jornal que assinei por via electrónica, deixei bem claro que não concordava com a linha editorial que vinham seguindo, bastas vezes citando o inenarrável "Observador" (aquele Ricardo Costa tornou-se absolutamente intragável, a voz do dono).
Mas mais: já nem a direita entra na minha janela, que aqui, enquanto não entrarem netos, o comando está sempre à mão.

Anónimo disse...

até enfim chegou-se à razão - Bob Marley-)))

Anónimo disse...

O Expresso é, e sempre foi, o veículo de propaganda do PSD.
Balsemão é do PSD, e é o único português com lugar em Bilderberg, e passará a ser Durão Barroso, outro PSD.

Anónimo disse...

Fui leitor do expresso quando iniciou a sua publicação nos idos anos 70. Fui para a guerra e para lá a minha saudosa mae enviava-o pelo correio militar . Nesse tempo o Expresso era um jornal que defendia a liberdade nessa época. Miller Guerra, Magalhães Mota , Sá Carneiro e mesmo Balsemão, cada um com o seu estilo eram referências internas que desafiavam o regime . Mas o Expresso de hoje não é mais que um jornal colaboracionista. Pobre Portugal que não tenho nenhuma televisão isenta i imparcial. E jornais pouco muito pouco menos. Se em Outubro não mudarmos este regime o futuro dos nossos filhos e netos estará seriamente comprometido.

Anónimo disse...

Espero que haja decoro na próxima campanha eleitoral

Mário José Sá Barbosa disse...

Há já muitos anos, ainda o inenarrável arquitecto era director, que deixei de comprar esse jornal porque discordava da linha editorial. Julgava eu que pior não ficaria, mas pelo que leio a propaganda está cada vez mais descarada.

Anónimo disse...

A ultima vez que o tentei comprar ia a agarra-lo com a mao direita , mas a mão esquerda não deixou paga-lo, de forma que acabou esse vicio semanal de ha mais de 4 decadas.
É como quando se deixa de fumar. Custa mas depois sabe bem.
(um msjeito- jorgeo)

Anónimo disse...

Concordo a 200%, mas que Jornal comprar ? Mas na realidade, quando acabarem os Livros do Hitler ( vai no 3º)...
Em jornal do Balsemão...não ponho a mão...( aprendi esta com o Prof Rosado Fernandes, um direitista...)

Carlos Andrade - Espinho

Um Jeito Manso disse...

Caro Carlos Andrade,

Eu, cá por mim, dou uma vista de olhos nos jornais online (DN, Público, expresso, Observador), espreito as revistas (http://www.vanityfair.com/; http://www.newyorker.com/), espreito também outros jornais (http://www.nytimes.com/; http://elpais.com/; http://www.lemonde.fr/).

Como tenho muito pouco tempo, tenho que passar um olhar em diagonal e lá pesco uma ou outra notícia que leio também em sobrevoo. Mas, enfim, vai-se tendo uma visão mais global e abrangente.

Mas não está fácil, isto, não.

Obrigada pelo seu comentário!