Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

sábado, julho 11, 2015

Prisão domiciliária para Armando Vara? Mais austeridade para a Grécia?... Com vossa licença mas não. Hoje aqui fala-se de Suki Waterhouse. E não me venham dizer que não sabem quem é Suki Waterhouse... Ora, ora...


Podem não acreditar mas estou mesmo incapaz de grandes conversas. 




Chegada a casa, cansada, só me apetece dormir. A cama do hotel da noite passada deve ter sido a melhor cama em que já alguma vez me deitei. Um ninho. Larga, macia, envolvente, as almofadas, macias, macias. E adormeci logo. Mas sem caminhada e com um jantar à maneira (quando estou habituada a jantares ligeiros) e chegada do restaurante talvez já para perto da meia-noite, nem sei bem ... não é que lá para as duas e tal acordei, esperta, como se fossem dez da manhã? E quem é que diz que voltava a adormecer? É o voltas. Desisti. Acendi a luz e pus-me a ler. Já a luz coada da madrugada inundava o quarto quando resolvi desligar o candeeiro e tentar dormir. E consegui. Passado um bocado, eu no primeiro sono, tocou-me o despertador. E daí até há bocado, ao chegar a casa, não dei um minuto de descanso à cabeça. Para ajudar, acho que estou com o telemóvel meio estragado. Já o desliguei e voltei a ligar montes de vezes e continua embasbacado, nem net, nem mails, nem nada. E a falta que os mails (profissionais) me fazem depois de dois dias fora, bolas. 

Enfim.

Por isso, não estou com cabeça para a prisão domiciliária de Armando Vara, para o mal-enjorcado Caso Marquês, para a Grécia e para seja o que for que me obrigue a pensar.


Trapos, colares, converseta de gaja, é só o que aguento. Mais do que isso cansa a minha beleza. Bem, também já fiz um teste para ver se sou emocional ou racional. O resultado não me surpreendeu mas está em francês. Eu sei que devia traduzir mas juro que não consigo, tenho uma tal soneira em cima de mim que já não dou uma para a caixa. Aqui está, tal como o teste anuncia:

Vous êtes mi-coeur mi-raison

Vous ne vous en rendez pas forcément compte, mais vous gérez vos émotions. Votre empathie et votre sensibilité vous permettent de ressentir les ambiances et les êtres de manière intense, mais sans vous envahir. Cette gestion en deux temps vous évite les crises de panique. Vous savez relativiser les choses… 

On pourrait parler de maturité émotionnelle.


Menos mal. Olha se agora recebia a notícia de que, afinal, era uma quadradona racionalona ou, pelo contrário, uma aflitinha sempre à beira de um chilique. Ao menos, assim, leio e gosto do que leio, reconheço-me, acho que sou mesmo capaz de ser assim.

Bem, adiante. Já chega de psicologias. Portanto, com vossa licença, vejam comigo o que é uma farturinha boa de roupinha, de sapatinhos, de adereços, de frescuras -- e de espaço para acomodar tudo.

Quanto à biografia oficial da Suki, recomendo a leitura da wikipedia. Mulheres da minha terra, vá de pôr os olhos no guarda-roupa desta jovem de 23 anos...!



...

Ainda tinha vontade de falar de uma noite quente, há mil anos atrás, eu, com um vestido cai-cai branco, num cinema ao ar livre e, ao meu lado, alguém muito próximo que dizia que o que mais queria na vida era beijar os meus ombros. Eu tinha o cabelo entrançado, apanhado atrás para não me cair nas costas, far-me-ia muito calor, queria ter o pescoço e os ombros descobertos. E ele dizia, 'Esses teus ombros...Deixa. Só uma vez, deixa...' E eu não o deixava, ambos namorávamos e não era um com o outro. Lembro-me bem do perfume dele nessa noite tão quente.

Mas não consigo contar, estou a adormecer a todo o momento. Talvez amanhã.

....

Desejo-vos, meus Caros Leitores, um sábado muito feliz.

...

Sem comentários: