Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

segunda-feira, julho 13, 2015

A ditadura vergonhosa da Alemanha e dos seus apoiantes sobre uma Grécia humilhada e perante uma Europa acobardada. Um nojo. Uma vergonha. Um susto. E as palavras de Saramago a propósito de uma democracia sequestrada, condicionada, amputada --- E as palavras de Paul Krugman sobre a ameaça de morte que paira sobre o projecto europeu.


Depois de, no post abaixo, ter falado do meu domingo, tão perfeito, tão feliz, agora falo do assunto que está na ordem do dia: a Grécia. Um assunto, pelo contrário, bem triste.


Os algozes impondo o sacrifício dos pobres

Euclid Tsakalotos, Greece's new finance minister with Christine Lagarde, managing director of the International Monetary Fund, at the eurozone finance ministers meeting in Brussels on Sunday.


Assisto, aterrada, ao que se está a passar. Parece que uma perigosa demência colectiva está a alastrar entre a cambada de anormais que se aboletou nos postos de comando desta pobre e fraca Europa. 





Enquanto do lado de lá, os alertas não param:

A Greek Exit Would Be Costly

(The New York Times)





Although Greece makes up a small part of the overall European economy, the fate of the country is important.

A Greek default would cost European countries much more than extending emergency aid. And a deal is critical for Greece, which needs money to pay its significant debts and other bills. Without fresh aid, the country’s economy, which is already languishing, risks sinking even further. (...)


ou:

Killing the European Project - Paul Krugman


Suppose you consider Tsipras an incompetent twerp. Suppose you dearly want to see Syriza out of power. Suppose, even, that you welcome the prospect of pushing those annoying Greeks out of the euro.

Even if all of that is true, this Eurogroup list of demands is madness. The trending hashtag ThisIsACoup is exactly right. This goes beyond harsh into pure vindictiveness, complete destruction of national sovereignty, and no hope of relief. It is, presumably, meant to be an offer Greece can’t accept; but even so, it’s a grotesque betrayal of everything the European project was supposed to stand for.

Can anything pull Europe back from the brink? Word is that Mario Draghi is trying to reintroduce some sanity, that Hollande is finally showing a bit of the pushback against German morality-play economics that he so signally failed to supply in the past. But much of the damage has already been done. Who will ever trust Germany’s good intentions after this?

In a way, the economics have almost become secondary. But still, let’s be clear: what we’ve learned these past couple of weeks is that being a member of the eurozone means that the creditors can destroy your economy if you step out of line. This has no bearing at all on the underlying economics of austerity. It’s as true as ever that imposing harsh austerity without debt relief is a doomed policy no matter how willing the country is to accept suffering. And this in turn means that even a complete Greek capitulation would be a dead end.

Can Greece pull off a successful exit? Will Germany try to block a recovery? (Sorry, but that’s the kind of thing we must now ask.)


The European project — a project I have always praised and supported — has just been dealt a terrible, perhaps fatal blow. And whatever you think of Syriza, or Greece, it wasn’t the Greeks who did it.


do lado de cá, a Europa (onde, não nos esqueçamos, estamos integrados) continua entregue a totós que gostam de brincar com o fogo,


Eurogrupo quer transferir activos gregos para banco de Schäuble e Gabriel


A transferência de “activos no valor de 50 mil milhões de euros” detidos pelos contribuintes gregos para um “Instituto do Luxemburgo para o Crescimento” é uma das condições que o Eurogrupo procura impor à Grécia para iniciar negociações de um terceiro resgate. Este instituto é no entanto gerido pelo KfW, um banco estatal alemão, cujo "chairman" é Wolfgang Schäuble, ministro das Finanças alemão, e cujo vice-chairman é Sigmar Gabriel, ministro da Economia alemão.


(...) A polémica no entanto não fica por aqui. É que além de se tratar de um banco estatal, e além de ter a sua administração dominada pela classe política no poder na Alemanha, também o poder executivo desta instituição vem com um pedigree pouco recomendável: O CEO do KfW é Ulrich Schröder, que fez carreira no WestLB, banco que desde 2008 teve direito a um total de quatro resgates com dinheiros públicos.


A opinião pública mostra sinais de susto, as recordações de um passado medonho parecem aproximar-se. As imposições alemãs são absurdas, prepotentes, perigosas. Começo a recear o que possa estar para acontecer.



La directora del Fondo Monetario Internacional, Christine Lagarde, conversa con el prersidente del Eurogroupo, Jeroen Dijsselbloem.


Quieren que Atenas apruebe leyes de urgencia, en 48 horas. Reclaman endurecer las reformas y recortes que planeaba hacer Grecia en su petición de rescate (entre ellas, en pensiones y mercado laboral). Y plantean incluso la puesta en marcha de un fondo de venta de activos públicos por 50.000 millones, y bajo tutela de la UE, para forzar a Grecia a ir devolviendo la deuda a medida que vaya haciendo caja. La impulsora de esa idea y de la amenaza del Grexit, la canciller Angela Merkel, dijo a su entrada a la cumbre que en ningún caso habría “un acuerdo a cualquier precio”.

Los deberes que la UE pone a Tsipras


Fondo de privatizaciones. Es la principal novedad de las medidas discutidas ayer. Europa propone crear un fondo por valor de 50.000 millones de euros al que Grecia transfiera sus activos privatizables y cuyos beneficios sirvan para reducir la deuda. Aunque ese instrumento quedará en manos de las autoridades griegas, contará “con la supervisión de las instituciones europeas relevantes”, algo que puede resultar difícil de asumir para Atenas.
Cambios en las pensiones. La UE pide “reformas de pensiones ambiciosas” y medidas para lograr déficit cero en las cuentas públicas.
Mercado laboral. Las demandas europeas incluyen un endurecimiento adicional en las leyes laborales. Los socios abogan por “revisiones rigurosas” de la negociación colectiva, la política industrial y los despidos colectivos. Y sugieren “no volver a políticas del pasado”.
Sector financiero. Es el talón de Aquiles griego. Europa pide “medidas decisivas” en los créditos con riesgo de impago.
PrivatizacionesLos socios quieren más privatizaciones, incluida la red eléctrica, que Atenas pretende mantener en poder del Estado.

....

Um atentado. Uma vergonha. Uma coisa inadmissível.

....

Mas ouçamos quem fala com palavras que vêem ao longe. Ouçamos José Saramago: 

"A democracia em que vivemos é uma democracia sequestrada, condicionada, amputada..."




.....

A mim, conforme referi no post abaixo, o que a intuição me diz é que a solução digna para a Grécia seria pedir apoio e tempo para sair do euro pelo seu próprio pé. 

O atentado à soberania grega deveria merecer um repúdio firme por parte de toda a Europa mas, sabendo que a Europa está em grande parte na mão de uma cambada de pegas, de beatas, de virgens, de vendidos, de sacristãos lambe-cus, de totós, de atrasados mentais, temo bem que nenhum mexa uma palha para se revoltar contra o que está a acontecer. E, face a isso, mais valia que os gregos dessem com os pés nesta tropa fandanga e recuperassem a sua dignidade.
Os gregos e nós e todos os que se têm visto vergados aos pés desta cambada que impõe sacrifícios absurdos à população apenas para benefício de interesses financeiros agiotas, transnacionais, poderosos de tão omnipresentes e invisíveis que são.
...

Lá em cima, o vídeo mostra Zorba, o Grego. Ballet por Mikis Theodorakis - 
- Sofia National Opera and Ballet

...

Relembro que, se vos apetecer espairecer e ver como estão grandes os meus meninininhos mais fofos, mais lindos, e saber como passei o meu domingo, podem descer até ao post seguinte.

...

Desejo-vos, meus Caros Leitores, uma bela semana a começar já por esta semana.

Coragem, dignidade, firmeza, orgulho.

...

2 comentários:

rui rosa disse...

Os políticos americanos 'preocuparam-se' mais com a falência da Grécia do que com a falência da cidade de Detroit!
.
.
A firmeza do contribuinte alemão, não cedendo à pressão vinda da imprensa marioneta da superclasse (alta finança - capital global), É FUNDAMENTAL PARA SALVAR A EUROPA!!!
.
-> Depois de andar a 'cavar-buracos' um pouco por todo o lado (nas finanças públicas, na banca)... a superclasse (alta finança - capital global) quer pôr o contribuinte a tapar os buracos por si cavados (o banco goldman sach ganhou milhões com a ocultação da divida grega)!
-> Ora, de facto, depois de 'cozinhar' o caos..., a superclasse apareceu com um discurso, de certa forma, já esperado!... Um exemplo: a conversa do mega-financeiro George Soros: «é preciso um Ministério das Finanças europeu, com poder para decretar impostos e para emitir dívida».
.
-> O discurso anti-austeridade que circula por aí... pressupõe a existência de alguém que vai pagar/suportar o deficit... e já existe um alvo escolhido: o contribuinte alemão!
.
.
-> A superclasse pretende 'cozinhar' as condições que são do seu interesse:
- privatização de bens estratégicos: combustíveis... electricidade... água...
- caos financeiro...
- implosão de identidades autóctones...
- implosão das soberanias...
- forças militares e militarizadas mercenárias...
resumindo: estão a ser criadas as condições para uma Nova Ordem a seguir ao caos - uma Ordem Mercenária: um Neofeudalismo.
{uma nota: anda por aí muito político/(marioneta) cujo trabalhinho é 'cozinhar' as condições que são do interesse da superclasse}
.
.
.
P.S.
Já há alguns anos que aqui o je vem divulgando Direitos que considera serem importantes:
1- O Direito à Sobrevivência de Identidades Autóctones : ver blog "http://separatismo--50--50.blogspot.com/".
2- O Direito à Monoparentalidade em Sociedades Tradicionalmente Monogâmicas: ver blog "http://tabusexo.blogspot.com/".
3- O Direito ao Veto de quem Paga: ver blog "http://fimcidadaniainfantil.blogspot.pt/".

Anónimo disse...

O que se assistiu é, bem vistas as coisas, o princípio do fim da (porcaria - do que é hoje) da União Europeia. Não existe UE. Existe um grupo de mafiosos, o Eurogrupo, onde aparecem a Directora do FMI e o presidente do BCE, capitaniados pelo paralítico alemão. É o Eurogrupo que cada vez mais decide o futuro da UE e de quem, no seio da UE, queira ou se atreva a ser diferente. Tsipras perdeu prestígio, nunca deveria ter aceite esta capitulação, era melhor sair do Euro e declarar a bancarrota, deixando de pagar aos credores e apostar num tempo, provisório, de sacrificios. Não o fez, mas cairá dentro de algum tempo e a Grecia poderá viver outra situação política bem pior. Mas, a UE vai desfazer-se. Aqui, estou inteiramente de acordo com Miguel Sousa Tavares e Pedro Santos Guerreiro. Assisti a dois aacontecimentos políticos marcantes: ao fim da Ditadura fascista e depois ao fim do Bloco Soviético. Como diz o Ditado popular, não há duas sem três. Julgo que o próximo e terceiro acontecimento será o fim da UE. E nesse dia não sei se deva bater palmas, se deva preocupar-me. Inclino-me para esta última hipótese. A União Europeia hoje é um monte de esterco. Aquilo é gente que mete nojo! E não vejo por cá quem tenha tomates para lhe fazer frente. Este governo está em total submissão perante a UE e a ALE, e o PS de Costa jamais será capaz de um confronto com o Eurogrupo, Comissão, etc. Costa se for encostado à parede, entre Portugal e a capitulação, preferirá a capitulação. Não tenho NENHUMA dúvida sobre isto. Estamos entregues ao Ministro das Finanças alemão. Ponto! Que vergonha esta UE. Um projecto que morreu ontem.
P.Rufino