Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

quarta-feira, abril 01, 2015

Pénis de aviário - um negócio promissor (digo eu)


No post abaixo falei de decoração, da minha casa, de preparar a casa para receber a primavera, mostrei fotografias que podem dar boas ideias, etc. Mas, enfim, isso é a seguir.

Aqui, agora, dado ser o dia que é, deveria ser capaz de dizer uma mentira. Mas não me ocorre nenhuma pelo que vou antes falar de uma notícia verdadeira que achei muito interessante. Não é de hoje mas achei que dada a natureza da coisa não deveria deixá-la passar em branco.





Há pénis a serem criados em laboratórios



Algures em 2008, Anthony Atala e a sua equipa encontravam-se num dos muitos gabinetes do Wake Forest Institute for Regenerative Medicine em Carolina do Norte, nos Estados Unidos. 

O motivo? Comprovar que um coelho macho conseguia, com sucesso, acasalar com um coelho fêmea. Quando Anthony Atala percebeu que o coelho macho conseguiu cumprir com a sua tarefa, ficou feliz. 

Não por um qualquer fetiche, mas porque tinha acabado de provar que o conceito no qual estava a trabalhar desde 1992, o de que se podem desenvolver pénis em laboratórios para posteriormente serem utilizados em transplantes, era teoricamente possível. Aquele coelho foi um dos 12 para quem Anthony criou um pénis, através de bioengenharia. Todos os coelhos tentaram acasalar: oito conseguiram ejacular, quatro engravidaram a parceira.

(...)

Parece que por enquanto ainda só se conseguem tamanhos pequeninos, coisa para coelhos ou ratos. Mas já estão a experimentar para  humanos e, portanto, é porque têm esperança de conseguir que os ditos cresçam para tamanhos um pouco maiores.

(...) Anthony explica que, como é frequente nestes casos, a ampliação é um processo complicado. “Mesmo que possamos criar pénis para pequenos mamíferos, temos de ajustar a tecnologia, os processos, a proporção de células e assim por diante, para obter estruturas cada vez maiores. É basicamente isso que temos vindo a fazer desde a experiência com os coelhos.

A coisa tem a sua complexidade mas parece estar a correr muito bem.

Não vou aqui descrever o processo pois pode impressionar os mais sensíveis mas fiquei especialmente bem impressionada com o rigor que estão a pôr na coisa:

(...) já se fizeram progressos extraordinários. Anthony conseguiu criar meia dúzia de pénis humanos, ainda que não se encontrem preparados para serem transplantados. Anthony e a sua equipa estão a testar as estruturas para garantir segurança e efetividade. Existe uma máquina que esmaga, estica e torce os órgãos para se certificar que podem enfrentar o desgaste do dia-a-dia. Outra máquina que bomba fluidos para testar a capacidade de conseguir uma ereção.

Ou seja, quando estiverem prontos para o uso a que se destinam estão prontos para todas as vicissitudes: serem esmagados, esticados e torcidos, coisa para que, no dia a dia, obviamente, qualquer pénis deve estar preparado.


Não encontrei nenhuma fotografia dos bichinhos
 tal como se encontram no laboratório
pelo que optei por uma visão mais futurista:
como serão no futuro, às cores e de todos os tamanhos e feitios.


Claro que isto destinar-se-á, pelo menos na fase inicial, a casos graves de doença ou acidente mas já há quem esteja a esfregar as mãos de contente antevendo aqui um promissor nicho de mercado. 

Por enquanto são mais as mulheres que se insuflam, esticam, desbastam, enxertam, etc, tudo para ficarem nas dimensões e nas configurações que acham perfeitas. Contudo, é sabido que a cirurgia estética e os tratamentos de beleza estão a crescer estupidamente junto do público masculino. 

Portanto, é de antever que, no futuro, quando os homens não estiverem satisfeitos com essa parte da sua anatomia, lhes baste ir ao viveiro e escolher, de entre os que tiverem a medida ou feitio pretendidos, qual o que gostam mais ou qual é que está com melhor preço. Provavelmente algum funcionário deitará a mão, como se estivesse a pescar um lagostim num aquário, pesará e colocará num recipiente devidamente bem acondicionado para o cavalheiro levar ao cirurgião da esquina.

Boas notícias, portanto. 

----

E por agora, fico-me por aqui não sem antes relembrar que, para assuntos mais imediatos, tais como decoração de casas, é só descer um pouco mais.

----


Desejo-vos, meus Caros Leitores, uma bela quarta-feira. E nada de dizerem mentiras, ok?

....

1 comentário:

Rosa Pinto disse...

Pois mto bem. Sai um pénis a gosto. Será que depois de puxar. Repuxar.engrossar. ..o dito membro não fica defunto?