Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

segunda-feira, abril 06, 2015

Pedro Santos Guerreiro em 'Os Imortais, os Imortais' empareda, ou melhor, encosta à parede Miguel Macedo, Luís Montenegro e Marques Mendes. (Os Imortais a que ele se referia eram obviamente outros: Herberto Helder e Manoel de Oliveira). E um PS sobre as presidenciais.


Diz Pedro Santos Guerreiro na sua crónica 'Os imortais, os Imorais' no Expresso deste sábado:





(...) Os casos são todos desta semana. Miguel Macedo, segundo o jornal 'i', foi investigado pelo Ministério Público, que encontrou indícios do crime de prevaricação no caso dos vistos gold. Prevaricação não é corrupção nem tráfico de influências, é agir de modo contrário ao interesse público (foi por este crime que Maria de Lurdes Rodrigues foi condenada). Macedo não é sequer arguido, no que parece ser uma nova política do Ministério Público de deixar os suspeitos à torreira do sol enquanto constrói o caso. Mas o acórdão fala de encontros, telefonemas, jantares, presentes que destroem a carapaça que Miguel Macedo construíu para si mesmo quando se demitiu do Governo. Uma demissão é um acto honrado, mas não de imunidade; é uma consequência política, não um saneamento da responsabilidade.



Prevaricação é ser amigo do seu amigo, dando uma mão, abrindo uma porta, fazendo um telefonema para a pessoa certa. São os 'facilitadores', nome detestável para um detestável modo de ser que se infiltrou na política como minhocas nas maçãs. Facilitam negócios, contactos ou cursos na Lusófona (Miguel Relvas foi um de 153 que o terão feito, segundo o Ministério da Educação). o escritório de advogados do deputado* Luís Montenegro, segundo a TVI, ganhou contratos de 70 mil euros por ajuste directo da Câmara de Espinho, de cuja Assembleia Municipal o próprio Luís Montenegro foi presidente. Outro escritório de advogados, o de Aguiar Branco, promove negócios nos países que o ministro visita.





Este é o mesmo país onde há funcionários do Fisco a aceder a dados de contribuintes de forma ilegal e descontrolada, alguns por curiosidade, outros porque talvez os queiram vender. Os vistos gold encheram cofres em Portugal, por venda de cidadania europeia, mas encheram também bolsos de intermediários.


Na semana passada, o Expresso entrevistou um empresário do Porto, Ricardo Costa, que ganhou um prémio da Christie's pelo desempenho na venda de imóveis de luxo, sobretudo a estrangeiros. Quando lhe perguntámos se o negócio vinha dos vistos gold, ele respondeu: 'Isso é um fenómeno de Lisboa, suportado pelos escritórios de advogados'. Ele lá sabe. Nós também. Qual foi o escritório que mais negócio fez nos vistos gold? O de Marques Mendes, um prodigioso 'fazedor de chuva'.

(...)


E eu, se fosse qualquer um dos visados, preparava-me já para o pior porque, como é sabido, alvo para que, com aquele seu ar de menino bem comportado, Pedro Santos Guerreiro aponte é, mais cedo ou mais tarde, alvo abatido. 


* Por lapso, no texto do Expresso está escrito 'do agora ministro' quando Luís Montenegro é deputado - coisa que o Mestre Plúvio (que regressou depois de uma longa e notada ausência) fez questão de não deixar passar em branco. E fez muito bem: nenhuma argolada ali passa despercebida (e o responsável não se escapa de uma valente palmatoada que, lá nisso, Mestre Plúvio tem a mão bem pesada).

...

As imagens provêm do blogue We Have Kaos in the Garden

....

PS: Sobre as presidenciais ainda não me apetece falar porque nada é certo, porque é cedo, porque a coisa está meia pantanosa. De todo os que se perfilam acho que o prof. Marcelo da TVI é um psico-tretas do qual nada de bom o país poderia esperar, seria uma intrigalhada permanente, do Henrique Neto só se fosse para me rir mas, a sério, vontade de me rir não me dá, do Sampaio da Nóvoa ou do Carvalho da Silva acho que há boas razões para estarmos favoravelmente expectantes mas um exclui o outro. E não sei se há mais. Não inclui aqui o Santana porque acho que, se ele se chegasse à frente, teríamos o país transformado numa gargalhada geral e isso também não me parece grande ideia.





Da reacção do Sérgio Sousa Pinto à eventual candidatura de Sampaio da Nóvoa também não gostei, parece-me coisa de fedelho birrento, e assusta-me pensar que o PS de hoje é isto.


Portanto, um dia destes pode ser que me apeteça dizer qualquer coisa sobre as presidenciais. Até lá a ver se me vão aparecendo melhores assuntos.

....

Desejo-vos, meus Caros Leitores, uma boa semana a começar já por esta segunda-feira.

...

4 comentários:

Vitor disse...

Mais um forte e assertivo texto,que subscrevo por inteiro, estimada UJM .
MUITO BEM !
Melhores Cumprimentos
Vitor

Anónimo disse...

Muitos dos grandes escritórios de advogados, sobretudo com ligações políticas, via governamental ou parlamentar, são hoje e cada vez mais, verdadeiras teias de tráfico de influências, do pior e do mais venal. Aliás, só assim se compreende que um advogado que neles trabalhe, conseguindo obter mensalmente vencimentos notáveis, troque essa sua situação pela de membro de governo, conhecidos que são os salários de Ministro ou Sec. Est, comparativamente. Um lugar ou exercício governamental abre, ou melhor, escancara, portas para multi-negócios, de muitos milhões. Abre todo um conjunto de contactos futuros (e presentes, até) que não são, longe disso, de desprezar. Essa passagem pelo Poder é pois de uma importância capital para esse, ou esses escritórios. Basta ver o que se tem passado e continua a passar, como bem descreve aqui. O mesmo se aplica aos deputados-advogados. E a recusa de os mesmos aceitarem a exclusividade, uma atitude sem vergonha e de afronta moral, diz tudo a esse respeito. E nenhum dos Partidos do tal “arco da governação” está disposto a mudar uma vígula que seja relativamente a esta obscenidade política e acabar com o tráfico de influências daí resultante. É bom pois que não nos esqueçamos disto quando formos chamados a colocar o votozinho na urna, em Outubro próximo. Quanto á reacção de Sérgio Sousa Pinto sobre Sampaio Nóvoa é, no mínimo, deselegante, afrontoso e de um baixo nível a toda a prova. Embora não surpreenda sabendo quem é o dito Sérgio. Quem o conheça que o compre. Uma figura menor, medíocre, patética, do PS.
P.Rufino

Anónimo disse...

por lá, metem a cabeça no cepo - http://pt.wikipedia.org/wiki/Plebiscito_sobre_a_forma_e_o_sistema_de_governo_do_Brasil_%281993%29


por cá, é parlapier

Bob Marley

Anónimo disse...

http://madespesapublica.blogspot.pt/2011/05/palacio-de-belem-mais-caro-que.html


já para não falar no que não é publicado, e devia por lei



bob marley