Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

quinta-feira, março 19, 2015

As cenas apagadas de 'O Sexo e a Cidade': Carrie entre o simpático Aidan e o sexy guy Mr. Big, Samantha, Miranda e Charlotte. Uma graça.


No post abaixo já falei da Lista VIP na Autoridade Tributária, a tal lista que acoplou uma sinalefa aos ficheiros que faz soar as campainhas de cada vez que alguém inspecciona os dados de pessoas identificadas como intocáveis, sensíveis ou mariazinhas e que agora teve um mérito: serviu para apanharmos mais uns quantos mentirosos ou... (como é que se chama àqueles intragáveis que sacodem a água do capote para cima dos mais fracos? Não me está a ocorrer a palavra... será parvos? Não me lembro, a sério).

Mas isso é a seguir. Aqui, agora, vou falar de uma coisa muito diferente.




O Sexo e a Cidade - seis cenas apagadas. 


Quando esta série começou a ser exibida por cá foi uma lufada de ar fresco para mim. Elas eram cosmopolitas, simpáticas, livres, desempoeiradas, bem vestidas. A Carrie escrevia ao computador as suas crónicas que eram depois publicadas num jornal ou numa revista e eu gostava imenso de a ver em casa a escrever porque eu sempre gostei de fazer o mesmo e porque gostava daquela irreverência e gostava da malandrice e da provocação desbragada da Samantha e a gostava de ver a maneira de ser complicada da Miranda e a inocência marota da Charlotte e gostava de ver as casas delas, e a maneira como eram cúmplices e se divertiam à brava.

E gostava imenso de ver o jogo de sedução entre Carrie e o Mr. Big, aquela dificuldade em atinarem, sempre à beira do desencontro, sempre a adivinhar-se o inevitável encontro.

Por isso, quando vi que estava a ser divulgado este vídeo com seis cenas apagadas, tive logo vontade de o colocar aqui. Espero que gostem também.



...

E sigam, por favor, para o Pack VIP, a listinha inconfessável que faz tocar sininhos quando alguém chega perto do que não deve.

...

2 comentários:

Anónimo disse...

Foi uma boa série. Minha mulher costumava ver. Eu confesso que não tinha muita paciência, até porque não aprecio muito “séries”. Mas, concedo na qualidade, sob todos os saspectos. Agora, deixo uma patusca sugestão: porque não uma “continuação” desta série, por cá, noutros moldes, tipo “Sexo no Campo”, com moçoilas e rapazes rústicos, em cenas idílicas (e porque não eróticas?), por exemplo, num estábulo com palha, debaixo de um chaparro, ou nas serranias a pastorear umas ovelhas, ou coisa assim?
Enfim, não ligue, deu-me para brincar um pouco. Ainda um dia “componho” uma historieta nestes parâmetros, só por laracha. Já concebi um “borrão”.
Resto de bom dia!
P.Rufino

Rosa Pinto disse...

"Estava eu sentado na sala dos argumentistasda série O SExo e a Cidade.....
Então, naquele dia, uma das mulheres disse-me: - Greg, tu és um homem. Ela é uma rapariga muito atenta, porque, de facto, sou mesmo um homem. Então continuou: - Tenho estado a sair com um homem...Bem, eu acho que tenho....
Por esta altura eu já sabia a resposta. ...
Fiquei a olhar para ela por um momento, com a resposta escarrapachada na minha expressão. (Oh, miúdas, vocês às vezes dão comigo em louco!) Ali estava uma rapariga linda, talentosa....
Mas o seu caso estava perdido, por isso dei-lhe a notícia: Ele não está interessado em ti.

Ele não está assim tão interessado - filme para dar uma gargalhada!