Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

quarta-feira, janeiro 07, 2015

9 beijos por 9 casais. Uma mulher suspensa. Georg the Poet. Os pilares da criação.


No post abaixo já dirigi uma pergunta a Nicolau Santos e, se ele não quiser que eu o remeta ao index - tal como para lá já despachei os seus colegas Henrique Monteiro que diz-o-que-calha, o putativo primeiro-ministro de uma qualquer república-dos-marmanjos José Gomes Ferreira, o pseudo-não-sei-quê Henrique Raposo, o espertinho-de-serviço Martim Avillez Figueiredo e mais uma data deles que por lá andam - e me zangue de vez com o Expresso, é bom que se retrate: que raio de escolhas de bons ministros foi aquela que ele fez à laia de balanço do desgraçado 2014? Como pode ele achar que Paulo Macedo está a ser um bom ministro? Apenas porque não se espalha ao comprido quando fala e não é tão bronco ao exprimir-se como a maioria dos colegas é caso para o achar um bom ministro? Mesmo depois da miséria a que se tem vindo a assistir nos hospitais públicos, mantém a sua classificação? É que se mantiver então vou ali e já volto. Por exemplo, o Nicolau Santos, se estiver doente (noc noc noc, três vezes na madeira), arrisca ir enfiar-se num desses hospitais em que as pessoas ficam pelos corredores para cima de uma eternidade, em que os médicos só não se mostram como autênticos zombies porque disfarçam bem  e em que os doentes podem morrer sem sequer serem vistos por um médico? Duvido. 

Mas, enfim, isso é mais abaixo, no post a seguir a este. Aqui, agora, a conversa é outra.


Por razões que agora não vêm ao caso, não ando especialmente descontraída. A coisa não é propriamente comigo mas é quase como se fosse. Mas, enfim, esta terça feira uma prova foi superada e, no registo de um dia de cada vez, espero que amanhã a coisa esteja melhor que ontem e assim sucessivamente. Quando estiver tudo bem eu logo conto, que eu não gosto de falar de preocupações em cima do acontecimento, só depois delas passarem. Portanto, adiante que eu não gosto de carpir nem de capinar sentada.

E que comece o desfile!





Para começar, nada como partir para a beijoquice. Nove beijos, nove. Os artistas do momento foram desafiados a formar um par e a beijar-se e há beijos para todos os gostos, o selinho, a beijoca, o beijinho safado, o beijo a escaldar, o beijo hetero, o beijo homo. São só nove mas cobrem parte do espectro beijoqueiro. Julianne Moore, Benedict Cumberbatch, Kristen Stewart, Reese Witherspoon e mais uns quantos dão a boca ao manifesto. Uma selecção de qualidade produzida de propósito para o The New York Times. Uma graça até porque beijar ou ver beijar é sempre uma festa.


Great Performers: 9 Kisses | FULL VERSION | The New York Times




E agora o making of que também tem graça:

This year’s New York Times Magazine Great Performers issue paired 18 actors in nine films — each ending in a kiss. Here, we go behind the scenes with the director Elaine Constantine.



___


E, depois dos lábios, que se libertem os corpos. Há bailados espectaculares que me emocionam de tão belos, de tão livres que são os corpos que se movimentam. 

Estes que hoje vos mostro são vídeos muito recentes e vejo que, até agora, poucas visitas tiveram - e eu não percebo como. Se fosse um cão a ver-se ao espelho, um palerma a estatelar-se ou um assistente de atirador de facas a levar com uma, acabando o número a sangrar, a coisa tornar-se-ia viral num ápice. Como é beleza em estado puro, as marabuntas passam ao lado. E, no entanto, ver vídeos destes é como assistir a uma missa.


Alvin Ailey: Suspended Women por Jacqulyn Buglisi


"Suspended Women" was choreographed in 2000 by Jacqulyn Buglisi, the celebrated former Martha Graham Dance Company dancer, prolific choreographer, and master teacher. Set to music by Maurice Ravel, with interpolations composed by Daniel Bernard Roumain, it has since been recognized as one of her signature works.
The mesmerizing ballet casts 13 ghost-like female dancers who, dressed in tattered period costumes, seem to express various states of frenzy and despair through off-balance and collapsing movements. Throughout the 18-minute piece, four male dancers intermittently enter and exit the stage, weaving through the women’s ever-shifting patterns.




E nisto, para quem faz, tal como no amor ou na escrita, o importante não é tanto onde se chega mas o caminho que se percorre até lá chegar - o processo, as hesitações, as tentativas, os desânimos, os recomeços, a vontade, as vitórias não individuais, o prazer da descoberta.

Aqui vos deixo, pois, parte do making of.

In this visit to the rehearsal room with Ms. Buglisi at the end of the rehearsal process, she discusses the ideas behind the piece and how she approached working with the Ailey dancers to prepare for this Company premiere.

Suspended Woman - behind the scenes




___

E agora para uma coisa diferente, diferente - e o que eu gosto de coisas mesmo diferentes! - vejam, por favor o vídeo abaixo. Mas com mente aberta, se faz favor. E reparem na sonoridade, nas palavras, nos movimentos, nas cores, na diferença.

É rap? É rap, sim. Mas há em toda a interpretação e encenação uma estética de grande modernidade. É o inglês Georg Mpangathe, ou, como é conhecido, Georg the Poet, um jovem de 23 anos.

George the Poet, a spoken word performer and rapper who wants to use his voice as a force for change in society, has come fifth on the BBC Sound Of 2015 list, which showcases emerging artists for the coming 12 months.
George Mpanga is inspired by the injustice he saw growing up on the Stonebridge Park estate in north west London.
After studying politics, psychology and sociology at Cambridge University and running poetry workshops for children in London, he is now preparing to release his debut album on Island Records and publish his first poetry collection.

George The Poet - 1,2,1,2



___


E, depois dos beijos, da dança e da palavras cantadas, este post não ficaria completo sem uma coisa do além.

E se é do além, ó caraças. De tirar o fôlego, de êxtase: o infinitamente grande que me deixa louca desde que, em pequena, quando tinha anginas e febrões descontrolados, entrava em delírio e sonhava acordada com espaços infinitos, com sítios povoados por milhões de milhões de coisas no meio das quais, ínfimo grão de pó, eu me perdia. Assustava-me no meio daquela imensidão, chorava, assustava os meus pais que não conseguiam baixar-me a febre para que eu os deixasse ter sossego.


Hubble Telescope Captures Spectacular New Views of 'Pillars of Creation'

With its sights set some 7,000 light-years into the darkness, the Hubble Space Telescope has captured an illuminating, yet ominous, new look at a cosmic classic. “The Pillars of Creation,” an awe-inspiring trio of gas columns coated by bright newborn stars, was first photographed by the telescope in 1995.


Now, NASA has released a new infrared look that reveals what may remain of its iconic dust columns following a supernova blast some 6,000 years ago.

Uma beleza assombrosa, verdadeiramente de cortar a respiração. 

Ajoelhemos perante os 'pilares da criação'.




Quanta beleza na vastidão do espaço que nos rodeia, anos e anos de luz de beleza antes interdita e agora aqui, junto a nós, intangível e distante mas disponível. Que maravilha, que deslumbramento.

_____


E com isto me fico que - porque sou afortunada e ainda tenho trabalho - daqui a nada tenho que estar a pé para mais um dia de labuta. Não vou reler porque já mal me aguento acordada pelo que vos peço que relevem as gralhas (ou, então, que me alertem, está bem?)

Permitam ainda que relembre que no post já a seguir lanço uma questão ao Nicolau Santos: por que raio de carga de água acha ele que Paulo Macedo é um bom ministro? Se ele conseguir provar-me e me disser qual a bitola virei eu aqui retratar-me. Caso contrário acho que temos o caldo entornado. 

____

Desejo-vos, meus Caros Leitores, uma bela quarta-feira 
(e a mim e, em especial, a uma pessoa que me é muito próxima também). 
Saúde e sorte é o que desejo a todos porque sem elas tudo perde um bocado a graça.

.....

1 comentário:

Rosa Pinto disse...

"Uma graça até porque beijar ou ver beijar é sempre uma graça".

Sorri...ficava-me pelo primeiro!!!!

Mas aqui segue a minha classificação:
1º Erótico
2º Cómico
3º PASSO
4º Roubado
5º Gentil
6º Siga
7º Compensador
8º Tecno
9º Nada a fazer.

O Beijo Mata o Desejo
MOTE

«Não te beijo e tenho ensejo
Para um beijo te roubar;
O beijo mata o desejo
E eu quero-te desejar.»

GLOSAS
Porque te amo de verdade,
'stou louco por dar-te um beijo,
Mas contra a tua vontade
Não te beijo e tenho ensejo.

Sabendo que deves ter
Milhões deles p'ra me dar,
Teria que enlouquecer
Para um beijo te roubar.

E como em teus lábios puros,
Guardas tudo quanto almejo,
Doutros desejos futuros
O beijo mata o desejo.

Roubando um, mil te daria;
O que não posso é jurar
Que não te aborreceria,
E eu quero-te desejar!-António Aleixo